8/22/2014

RETRATOS DE JERUMENHA

Sobrado onde funciona a Câmara
Municipal
Colaboração - Tibério José de melo

JERUMENHA, querida, palco de minhas férias. Recebia o boletim confirmando a minha aprovação e, na primeira oportunidade, via de regra, o caminhão de Deoclécio e já viajava para a cidade da "dor de canela", mas para mim maravilhosa e de ar cheiroso orvalhado. 

Antes de dona Raimundinha e seu esposo, o distinto Senhor Elizeu irem para aquele sobrado, este foi habitado pelo juiz Dr. João com sua família. 

Na época, a ordem dos habitantes das casas era a seguinte, começando pela parte nâo fotografada, antes da casa verde: D. Noêmia, mãe de Dr. Wilon, médico residente em Floriano; casarão das distintas senhoras Tuna e Nantilde, bordadeiras de alta reputação, com trabalhos expostos até na Europa; casarão do cacique político Nestor Machado de grande prestígio político naquela região, muito amigo de meu avô Roberto Batista; bar do Emanuel Fonseca com uma pista de dança onde se realizavam os bailes elegantes da época (Jerumenha não tinha clube); sobrado em questão; residência do gentil casal, agente dos correios e telégrafos, José Albérico e Conceição com um espaço onde funcionava a agência dos correios e telégrafos; bar do meu tio-avô, tio Antônio João casado com tia Olindina, sra de muita classe e excelente mãe (seu final foi um tanto conturbado) mas foi uma mulher de muito valor; rua; residência de outro cacique político, Sr. Chico Amorim, cuja esposa, a distinta D. Terezinha, de fina educação; hotel do Dió.

Nenhum comentário: