segunda-feira, junho 25

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

DOS ANOS QUARENTA AOS DIAS ATUAIS

OS ÁRABES QUE CONHECI

Por - Nelson Oliveira e Silva

ADALA LOBO, comerciante; esposa: dona Maria Kreit; filhos: Kalil, Hassan, Lourice e Jorge; estabelecimento: rua São pedro.

ADALA ATTEM, comerciante; esposa: dona Adélia Attem; filhos: Marizaura e Iracema; estabelecimento: rua São pedro ( esquina com a Fernando Drumond ).

ADALA CARNIB, comerciante; esposa: dona Maria Brandina; filhos: Elias, João Paulo, Conceição, Adaíla e Nemésia; estabelecimento: rua São João.

AGDA MAZUAD, doméstica; esposo: era solteira; residência: rua Alfredo Estrela.

ALFREDO GAZE, comerciante; esposa: dona Eugênia Gaze; filhos: Maria do Carmo, Zezé, Lourdes, Ivanda, Nair, Jamila e o único filho homem, João Alfredo; estabelecimento: praça Coronel Borges.

ASSAD KALUME ( SAID ), comerciante; esposa: dona Maria Kalume; filhos: Abraão, Elias, Leônidas, Antonio José e Sandra. Estabelecimento: rua São Pedro ( com a rua Fernando Marques ).

AUAD JOSÉ DEMES, comerciante; esposa: dona Seda Demes; filhos: Josefina, Maria, Michel, e José Demes. Estabelecimento: praça doutor Sebastião Martins.

CALISTO LOBO, comerciante; esposa: dona Carmem Lobo; filhos: João Lobo, Lafi, Lourdes, Marta e Rosa. Estabelecimento: av. Getúlio Vargas.

CONSTANTIN PHILLIPE SALHA, comerciante; esposa: dona Lourdes Mazuad Salha; filhos: Phillipe Salha, Salomão e Nélida; estabelecimento: rua São Pedro.

DAVID KREIT, comerciante; esposa: dona alda Oka Kreit; filhos: não teve; estabelecimento: rua São Pedro.

DAVID MAZUAD, comerciante; esposa: dona Rosa Mazuad; filhos: Sérgio ( por adoção ); estabelecimento: praça doutor Sebastião Martins.

DIB JORGE BARGUIL, comerciante; esposa: dona Whadia Barguil; filhos: Maricota, Glória, Jesus, Dib, José Pedro e Jorge; estabelecimento: rua São Pedro.

ELIAS OKA, comerciante; esposa: dona Mirtes Oka; filhos: João Oka, Michel, Mifles, Alda, Almira e Tamina; estabelecimento: rua São Pedro.

FAIZ SALIM, comerciante; esposa: dona Carmelita Lobão Salim; filhos: Marcos, Michel, Ricardo, Lafti, Ravena, Mirian e Fábio; estabelecimento: rua São Pedro.

FAUAZ SALIM, comerciante; esposa: dona Noemia Salim; filhos: Carlos, Marcos, Sara e Norma; estabelecimento: rua São Pedro.

FELIPE DEMES, comerciante; esposa: dona Luzia Demes; filhos: Adala, Nagib, Zezito e Iracema; estabelecimento: rua São Pedro.

GABRIEL ZARUR, comerciante; esposa: dona Procília Zarur; filhos: Abdala, Jamil, Socorro e Maria do Carmo; estabelecimento: rua São Pedro.

HAGEM MAZUAD, comerciante; esposa: dona Turquia Mazuad; filhos: Rosa, Maria, Ibrahim e Issa; estabelecimento: praça doutor Sebastião Martins.

HASSAN OKA, comerciante; esposa: era solteiro; firma: Calisto Lobo; faleceu em São Luís, onde residia.

IBRAHIM BORABI, comerciante; esposa: ?; estabelecimento: avenida Getúlio Vargas; Reside, hoje, no Líbano. Era irmão do Mamede, já falecido.

JACOB DEMES, comerciante; esposa: dona Maria da Paixão; filhos Mussa, Pedro, Socorro, Leonora e Natividade; estabelecimento: rua São Pedro.

JAMILA ATTEM, doméstica; esposo: Pedro Attem; filhos: Noeme, Tereza, Defala, Pedro e Fozy; estabelecimento: rua Defala Attem.

JOÃO FREJAT, comerciante; esposa: dona Adélia Frejat; filhos: José, Jamila, Moema, Jofran, Adolfo, Antonio, Jaime, Iran, Kelita e Meire; estabelecimento: rua Silva Jardim.

JOSÉ KINAER, comerciante; esposa: era solteiro; estabelecimento: rua São Pedro.

JOSÉ SALIM, comerciante; esposa: dona Salima Mazuad; filhos: Fauaz, Faiz e Salim; estabelecimento: praça doutor Sebastião Martins.

MAMEDE BORABI, comerciante; esposa: dona Fátima Borabi; filhos: Leila e Mamede; estabelecimento: avenida Bucar Neto.

MANOEL JOSÉ MAZUAD, comerciante; esposa: dona Violante Mazuad; filhos: Jacob, Jarlúcia e Jairo; estabelecimento: hoje, reside em Teresina.

MICHEL LOBO, comerciário; esposa: era solteiro; estabelecimento: firma Calisto Lobo.

MILAD KALUME, comerciante; esposa: Málaque Kalume: filhos: Maria, Pedro, Teresa, José Afonso, Salvação, Carmina, Âmina, Clarice, Râmisa, Gabriel e Antonio de Pádua; estabelecimento: rua São Pedro.

MOISÉS KINAER, comerciante; esposa: dona Carmem Kinaer; estabelecimento: rua São Pedro.

NEME SALUSTIANO, comerciante; esposa: dona Sofia Salustiano; filhos: Maria da Conceição ( esposa de Tufy Lobo ), Roberto, Paulo Henrique, José, Salim, Glória, Maria Helena, Maria José e Osita. Estabelecimento: avenida Getúlio Varas.

NICOLAU WAQUIM, comerciante; esposa: dona Maria Waquim; filhos: John, José, Miguel, Antonio, Paulo, Vitória, Adélia e Jasmina; estabelecimento: rua Nicolau Waquim.

SALIM ABIB ATTEM, comerciante; esposa: dona Maria Attem; filhos: Cristina, Zezé, Tetê, Dudu, Maria Francisca e Carmelita; estabelecimento: praça doutor Sebastião Martins.

SALIM ATTEM, comerciante; esposa: dona Berzolina, Attem; filhos: Abrão, Pedro, Ocí ( legítimos ), Teresinha ( por adoção ); estabelecimento: praça doutor Sebastião Martins.

SALOMÃO BARGUIL, comerciante; esposa: dona Luiza Barjud; filhos: Ayler, José Wilson e Abdon; estabelecimento: praça coronel Borges.

SALOMÃO ISSA MAZUAD, comerciante; esposa: Izabel Mazuad; filhos: Maria de Lourdes e Georgete ( esta, in memorian ); estabelecimento: praça doutor Sebastião Martins.

TUFY LOBO, comerciante; esposa: dona Conceição; filhos: ? estabelecimento: praça doutor Sebastião Martins.

OBSERVAÇÃO:

O nome das pessoas aqui constantes e chamados por nomes caseiros, não representa nenhum desdouro ou desrespeito, mas sim o carinho como elas são e formam tratados na intimidade dos seus lares e das suas famílias e como são ou foram conhecidas na nossa sociedade. Toas essas pessoas, os mais velhos já se foram e os mais novos que aqui permanecem, o nosso carinho e respeito.

7 comentários:

tina_vasconcelos@hotmail.com disse...

Senhor blogueiro, seus artigos são importantes para memória de Floriano. Porém, a título de sugestão,seria salutar, resgatar, também, a memória de inúmeras famílias,que embora constituídas de pessoas pobres, no entanto, honestas e trabalhadoras, contribuíram, de igual modo, para o progresso da Princesa do Sul.
Exemplo: Eduardo da manguinha; a família Altino; Pedro Velho da Vereda Grande; Né Carroceiro, dentre outros.
A final de contas, tu só falas dos carcamanos, Teodoro Sobral e os bem nascidos.
Pois fique sabendo meu caro que, quando eles (os árabes) chegaram, Floriano já existia.

Janclerques disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Janclerques disse...

Tina,

Você tem razão, mas se você observar bem, nem todos os artigos são de nossa autoria e, a propósito, seria de suma importância, se você acompanhar o arquivo de nosso portal, para verificar o quanto temos divulgado pessoas ilústres e simples de nossa cidade, que contribuíram, sim, como você disse, para o desenvolvimento de Floriano.

Você poderia, no entanto, também, contribuir, nos enviando matérias nesse sentido, pois o portal é nosso: " uma andorinha só não faz, verão..."

Janclerques

Anônimo disse...

Tibério Melo disse:

É, a História não tem lugar para todos. Também não sei dizer se Ela é justa com todos. Fato é que, aqueles que têm um lugar dispensado no seu rol, certamente foi pelo legado que deixaram. E este precisa ficar registrado, senão esvai-se no tempo e no espaço e não faz a História. No caso dos árabes, acho que Floriano foi privilegiada em tê-los como cidadãos, senão a cidade não seria o que é hoje. Talvez menos desenvolvida. Eles trouxeram várias culturas, várias maneiras de viver, pois, eram de uma civilização, secularmente, mais adiantada à época. Se eles chegaram a Floriano foi porque as circunstâncias das adversidades do mundo os empurraram para lá. E a sorte é que eles gostaram! Eu acho isto importante. Posso afirmar que, se Floriano não os tivesse acolhido, certamente outra cidade os teria acolhido com galhardia.

Acompanho muito o blog deste blogueiro, há anos. Não sei de onde ele tira tantas histórias engraçadas de pessoas simples de Floriano, é só ver o arquivo, porém, não de todos por ser impossível. Embora a sua crônica seja um tanto "rudimentar", não deixa de ter aquele tom poético e simples que só a Lingüística pode analisar, explicar e dar um grau ao seu valor. Do meu sentimento surge uma opinião de que a sua crônica é valorosa: doce, sutil, leve,..., que só mesmo a Lingüística, como disse acima, pode explicar. Porém sei dizer que gosto muito.

Parabenizo, sobremaneira, o blogueiro. Incentivo-o a continuar proporcionando-me este deleite, que são as reminiscências do meu passado, com sua crônica.

Não sou partidário daquela máxima que diz que, "time que está ganhando não se mexe"; para mim se não mexer vem outro e copia. Por que estou dizendo isto, porque aquela crônica pode ser mexida para tornar-se dinâmica como dinâmica é a História, mas, que permaneça a sua essência. Acho interessante a contribuição que qualquer um pode dar, relembrando fatos, para a montagem do blog. Creio que o autor ficará satisfeito e o blog ficará registrando o passado para que a História seja menos injusta com os que lha fazem.

Tibério Melo - Rio de Janeiro.

Salomão Oka disse...

Cara Tina Vasconcelos,
Embora eu concorde que todos, simples ou abastados, devam ser lembrados, tenho uma correção a fazer.
Floriano foi criada em 1897 e o 1º carcamano a chegar foi Antun Gibran Zarur em 1889. Portanto, quando os árabes chegaram, Floriano ainda não existia.
Abraços, Salomão Oka

Salomão Oka disse...

Cara Tina Vasconcelos,
Embora eu concorde que todos, simples ou abastados, devam ser lembrados, tenho uma pequena correção a fazer:
Floriano foi fundada em 1897 e o primeiro carcamano a chegar foi Antun Gibran Zarur em 1889. Portanto, quando os árabes chegaram, Floriano ainda não existia.
Abraços, Salomão Oka

SGT HÉLIO disse...

TODOS ESTÃO CERTOS E EU TAMBEÉM, NA RUA7 SETE MESMO TEMOS HISTORIAS LINDAS DE HOMENS COMO RAIMUNDO FEITOSA,SABINO AVELINO, NANINHA, CAZÉ ENTRE OUTROS.

LEMBREM-SE SÓ ENTREI NA DISCUSSÃO PARA AJUDAR.