1/08/2010

HISTÓRIAS QUE O POVO CONTA

NENEM PREÁ - A MULHER DA FAMOSA PALMATÓRIA

Dona Iraídes lembra que quando estudava na escola de dona Neném Preá, na antiga Pedreira, não existia diferença entre alunos, não, podia ser rico ou pobre, errando todos, o corretivo era o mesmo.

Certa vez, por exemplo, finado Expedito Borges da Silva da rua do Amarante ( pense num cabra, some mais dez e multiplique por vinte ), aquele amigo nosso que trabalhou na TELEPISA, o cara era traquina demais em casa. Não havia como, senão, mandá-lo pra Neném Preá:

- Dona Neném, Expeditinho anda fazendo má criação em casa, não agüentamos mais; portanto, viemos pedir a sua ajuda.

Dona Neném só escutando e quando terminaram, disse:

- Tragam o menino aqui que eu dou um jeito nisso! Deixa ele comigo!

Falou dona Neném, literalmente.

Os pais de Expeditinho, felizes da vida, retornaram prá casa mas foram logo avisando:- Olhe, Expedito, meu filho, amanhã você vai estudar com a Professora Neném Preá.

Expeditinho, meio invocado e fobando, disse:

- Onde é que ela fica e a que horas que eu vou ter que ir?

– Amanhã cedo às sete horas no batente. Não pode faltar! Ta ouvindo?

Passados alguns dias, Expeditinho não agüentou e resolveu fugir. Dona Neném mandou seus dois auxiliares, marrudos, atrás de Expeditinho:

- Tragam esse menino aqui de volta! Já!

Os ajudantes saíram feito doidos em busca de Expeditinho e souberam da notícia, o menino traquina andava solto pelo Bosque, mas os caras tinham uma tarefa a cumprir e, chegando lá no Bosque, avistaram Expeditinho, que saiu correndo rumo ao Rio Parnaíba e o moleque ainda chegou a tirar uma “tainha” daquelas ( lembram? ), mas nadou pouco, pois os “os preassistas” o agarraram e o levaram de volta até Neném Preá que, educadamente, mandou que ele se sentasse para receber sua "devida" correção.

Nunca mais Expeditinho faltara uma aula sequer e se tornara um bom aluno.

Fonte: www.florianoemdia.com

Um comentário:

gilberto lima disse...

Janclerques.

Neste final de semana tive a grata satisfação de encontra-me com nossos fraternos amigos, Poluca, Notatinho e suas irmãs Conceição, Fátimas e sobrinhos.

Como é do seu conhecimento, à exceção de Apolinário, os demais são oriundos de Brasília, e, de férias, vieram até a "Ilha do Amor" apreciar as suas belas prais e desfrutar de saudosos momentos de descontração, rememorando os bons tempos da nossa querida Floriano.

Como visto, só faltou você, que segundo fiquei sabendo, desistiu na última hora. Não obstante, creio que não faltarás oportunidade para uma breve visita sua nas terras dos "timbiras".

Receba um forte abraço.

Gilberto de Moura Lima.
São Luís-MA.