4/28/2008

POR - DO - SOL


( poema desconhecido guardado na memória e lembranças de Antonio de Melo Sobrinho )

Para onde o corpo não vai projeta-se o olhar
Onde para o olhar prossegue o pensamento
Assim, neste constante e eterno caminhar
Ascendemos do pó momento por momento

Além da atmosfera, além do firmamento
Aonde os astros, os sóis não cessam de girar
Há de certo ali mais vida e muito mais alento
Do que nesta prisão mefítica e sem ar

Pois bem, se não me dado um vigoroso adejo
Subir, subir aos mundos em que não vejo
Mas que um não sei o quê ainda hei de ver

Quero despedaçar os elos da matéria
Subir, subir pelo azul da vastidão etérea
E ser o que só é quem já deixou de ser

Foto: Agamenon Pedrosa

Um comentário:

Melo Filho disse...

Valeu Marinho,
gostei de você ter registrado esta poesia.

Antonio Melo Filho