1/18/2009

MILAD ABRAÃO KALUME


Pesquisa e texto: Mª Umbelina Marçal Gadêlha

Filho de Abaão Kalume e Maria Zarur Kalume, Milad Abraão Kalume Nasceu em Malula (Síria), no dia 25.12.1896. Daí o seu nome Milad, que quer dizer nascimento.

Malula é uma pequena cidade 30 km distante da capital Damasco.

Lá também, nasceram: Assad Kalume (seu irmão), seus primos Dib Jorge Barguil, Gatasse Elias Kalume e Abib Kalume, dentre outros parentes.

Milad Abraão Kalume ajudava seu pai Abraão no pastoreio e no tratamento e conserto de ossos quebrados das ovelhas de seu rebanho e de rebanho vizinhos.

Além de sua língua prática, o árabe, Milad falava o aramaico (língua morta, usada no tempo de Cristo e preservada até hoje na cidade de Malula), um pouco de grego e, fluentemente, o francês.

Fez seu curso primário em Malula e estudou 3 (três) anos no Seminário do Líbano, quando foi convocado para a 1ª Guerra Mundial (1914/1918). Ao terminar o conflito (serviu ao Exército cerca de seis meses), não mais voltou para o Seminário, mas regressou a Malula para ajudar ao seu pai nos serviços agropecuários de manutenção da família.

Em 12 de outubro de 1924, casou-se com Málaque Francis Kalume, e, logo após, partiu com ela para o Brasil, à procura de seu irmão Assad Kalume, já radicado em Floriano, desde 1906 onde mantinha bom estabelecimento comercial.

O Sr. Assad, conhecido como Said, era casado com D. Maria Zarur Kalume. O casal teve 7 filhos: Abraão, Elias, Farisa, Olga, Leônidas, Aleksandra e Antônio José.

Chegando em Floriano, em 20 de janeiro de 1925, hospedou-se na casa de deu irmão (Assad), e trabalhou como balconista na “Casa Assad Kalume”, por um período de 1 ano.

Em 12 de 04 de 1926 abriu em associação com seu primo Gabriel Zarur, uma pequena loja, na Praça da Igreja, atual Praça Dr. Sebastião Martins.

Esta sociedade durou 2 anos, e Milad resolveu abrir seu próprio negócio: uma loja de sortimento variado próprio da época: tecido, ferragens, louças, utensílios de cozinha, linhas, perfumes, artigos de toucador, chapéus, meias, material escolar e de pesca, tênis, ferramentas, tintas e vernizes para carpinteiro, açúcar, café em grãos e colorau.

Em 1940/41, construiu sua nova moradia, na então Praça do Mercado, atual Praça Coronel Borges, onde residiu até seu falecimento.

Entre as décadas de 1950 e 1960, construiu 10 salões para alugar.

Aposentou-se em 1965. Ficou sócio da Livraria e Papelaria Alvorada, fundada em março de 1962, junto com seu filho Gabriel Kalume.

Era católico fervoroso, e transmitiu aos filhos a educação cristã. Conhecedor e leitor assíduo da Bíblia, costumava “discutir” com pastores protestantes sobre os pontos divergentes entre as duas religiões. Pertenceu a todas as associações religiosas da cidade e foi, por muitos anos, Presidente da Associação Beneficente São Vicente de Paulo.

Gostava de prestar assistência àqueles que, com braços ou pernas quebradas, iam ao seu encontro em busca de socorro. E, com dedicação e paciência, apesar de utilizar processos artesanais eram socorridos. Posteriormente, em 1974, esse atendimento passou a ser feito com a supervisão do seu filho, o médico ortopedista Dr. José Afonso.

Milad faleceu em 14 de abril de 1975, de embolia cerebral, deixando consternada a comunidade florianense, seus amigos, familiares, viúva, 11 filhos e 23 netos.

São seus descendentes:

  • Maria de Lourdes Kalume Reis, Viúva de David de Carvalho Reis. Filhos: Carlos Alberto, Paulo Afonso e Maria de Lourdes.
  • Râmiza Kalume Brígido, viúva de Francisco de Assis Brígido. Filhos: Franklin e Mônica.
  • Clarice Kalume, já falecida.
  • Teresinha Kalume, Casada com Jorge Kalume (filho do saudoso Abib Kalume).
  • Maria do Carmo Kalume Hidd, casada com Aziz Elias Hidd, ambos falecidos em 1983. Filhos: Regina Coeli, Rejane e Ricardo.
  • Pedro de Alcântara Kalume, casado com Maria Aparecida Cárdenas Kalume.Filhos: Rita de Cássia e Milad Kalume Neto.
  • Gabriel Kalume, casado com Gêisa de Sousa Martins Kalume.Filhos: Sílvia e Ricardo.
  • Amina Kalume Reis, casada com Antônio Marques dos Reis.Filhos: Karla, Káthia, Antônio Filho, Marcelo, Cláudio e Karenne ( gêmeos)
  • Maria da Salvação Kalume.
  • José Afonso Kalume, casado com Márcia Albuquerque Kalume. Filhos: Camila e Flávia.
  • Antônio de Pádua Francis Kalume, casado com Maria das Graças Cavalcante Kalume. Filhos: Débora, Youssef e Clarice.

Em 25 de dezembro de 1996, aconteceu o primeiro centenário de Milad Abraão Kalume. Um cidadão que merece o reconhecimento da comunidade florianense, pelo seu trabalho prestado, por sua simplicidade, honradez, dignidade e, sobretudo, por seu espírito humanitário de serviço ao próximo.

3 comentários:

José Alves Reis da Silva disse...

Brasília,em 19 de janeiro de 2009

Excelente trabalho e divulgação para relembrar fatos sobre os 'CARCAMANOS' em nossa Princesa do Sul, que são todos, sem exceção pessoas da mais ALTA CEPA, e que engrandeceram a nossa Cidade.
Especificamente sobre o nosso saudoso MILAD KALUME, que era conhecidissimo e amigo de todos, inclusive da minha família, e EU, que no decorrer da Década de 1960, quebrei o braço, que foi colacado no devido lugar e 'encanado' pelo 'SEU MILAD', sem anestesia. Já penssaram no tamanho da dor?. Ainda hoje tenho a sensação das 'MÃOS SANTAS' dele engessando o meu braço, que ficou totalmente bom.
Por algumas vezes, presenciei gritaria de gente na casa do 'Seu Milad", com ossos quebrados, e ELE, com a sua competência, punha tudo em seus devidos lugares.
Abraços para todos os CARCAMANOS, e em especial para os KALUMES da nossa querida Floriano.
JOSÉ SILVA, Advogadop
BRASÍLIA - D F

Anônimo disse...

excelente texto, como tudo o que se propõe a fazer a professora Umbelina.

Anônimo disse...

Parabéns pelo trabalho de resgate e registro de memória das pessoas que fizeram da nossa cidade o que ela é. Levantar essas informações, relembrá-las continuamente e divulgá-las pelos mais diversos veículos é especialmente importante para as novas gerações, pois a documentação sobre esse período da cidade é escassa e há limites para a história oral também...
Naturalmente, enquanto neta e florianense, fico muito satisfeita e orgulhosa tanto de ver parte dessa história que conheço desde a mais tenra idade registrada de forma tão honesta quanto por poder ter acesso a uma fonte tão fidegna de informações sobre Floriano.
Abraços a todos,

Clarisse Kalume