6/25/2007

FLORIANO - 110 ANOS



ONTEM: COLÔNIA DE JERUMENHA – HOJE: FLORIANO DO PIAUÍ : 110 ANOS

* Por: Francisco Sobrinho Amorim de Araújo

A notícia que rola nos últimos dias no espaço aéreo de Teresina a Brasília, Rio de Janeiro até São Paulo e vice-versa, além da problemática dos controladores das estradas que orienta e limita os transportes aéreos através das coordenadas geográficas, deixando os passageiros estressados sem saberem o dia e a hora que retornam para seus lares, e dos estouros de corrupção que demonstra que o País está mudando, antes acontecia e ninguém sabia, hoje sabemos de tudo, é sem sombra de dúvidas a programação das comemorações dos “100 + 10 anos de Floriano”, por sinal muito bem elaborada que vai enriquecer a história da nossa cidade com a Instalação do Museu Histórico de Floriano, uma obra do Empresário e Historiador Theodoro Sobral Neto e seus colaboradores, o que deixou-me emocionalmente alegre.

Tive a oportunidade de encontrar o Teodorinho no início do mês de junho no espaço aéreo entre Teresina e Brasília, o mesmo falou-me com empolgação o que será o “1º. Encontro de Florianenses” dentro da programação do Aniversário de Floriano, no período de 05 à 08 de julho, conversamos bastante e antes de descer em Brasília, entregou-me o primeiro material da lavra de Cristóvão Augusto sobre convite para este grande encontro, os quais distribuí para alguns filhos da terra residentes na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, que apesar da violência infernal que está sofrendo, trabalha, com toda força do coração, para transformar a cidade em Cidade dos Jogos Pan -Americanos – 2007 e consequentemente a Cidade dos Sonhos dos Jogos Olímpicos e da Copa Mundial de Futebol, assim como também trabalha em Pró – da Imagem do Cristo Redentor no Corcovado, para transformar-la em uma das Sete Maravilhas do Mundo, por sinal muito linda e merecedora.

Quando falamos de Floriano colônia, busco a história do nosso País que na União do Reino formado por Espanha e Portugal tentava controlar a enorme extensão territorial da colônia sul - americana com as preocupações naquela época concentradas nas terras do Norte do Brasil, conhecidas por Território do Maranhão. De acordo com Carlos Lima (1981), era uma área praticamente isolada, mas às margens do Oceano Atlântico, e que oferecia melhor comunicação com a Coroa e era cobiçado por outros países. No mês de maio do ano de 1617 a colônia foi dividida em dois novos Estados: Estado do Brasil, com sede na cidade de Salvador e Estado Colonial do Maranhão, com sede na cidade de São Luís. O novo Estado recebia ordens diretamente da Europa e foi delimitado através da Carta Régia de 12 de junho de 1621, formado pelas atuais áreas do Piauí, Pará, Maranhão, Amazonas, Roraima e Amapá. Esta divisão durou até 1652.

Quando falamos de Floriano dos anos 60 do século XX vêem á tona recordações da minha adolescência querida e inesquecível vejo através da minha mente, um dia lindo de domingo do mês de Julho, com sol forte, e com o vento geral proporcionando um clima ameno e quando íamos (a juventude da minha época), jogar bola nas coroas que surgiam no período das férias, do lado esquerdo do Rio Parnaíba na cidade de Barão de Grajaú. Os peladeiros lisos, não tinham grana para pagar o canoeiro, ou os que mesmo possuindo, gostavam de aventuras mas com uma atenuante, sabíamos todos nadar. Fazíamos o seguinte: subia margeando o rio até à altura do cai n’água (malária) e chegando lá, retirávamos talos de buriti ou caules de bananeira que faziam parte das balsas ancoradas que vinham do sul e sudoeste do Piauí, transportando gado, suínos, caprinos, ovinos, aves e frutas para comercialização em Floriano e Teresina, às vezes recebíamos broncas dos proprietários das balsas e outras vezes eles mesmos nos doavam o material. De posse dos equipamentos descíamos o Rio atravessando-o sem problemas, a correnteza ajudava e os talos e a bananeira mantinham-nos boiando até às coroas. Lá, íamos jogar bola, tomar banho, assim como também observar as meninas desfilando de maiôs, naquela época, biquíni, era coisa avançada, difícil de aparecer. Ao retornar, se não conseguíssemos salvar os equipamentos, fazíamos um bloco e saíamos nadando e novamente com a ajuda da correnteza e para os que nadavam lentamente o ponto de referência era o Bar Flutuante no cais de Floriano. Era maravilhoso, como a nossa turma deslizava majestosamente pelas águas do Rio Parnaíba, águas saudáveis e saborosas, quando sentíamos sede era, só abrir a boca e deixar escorrer pela garganta abaixo aquele líquido gostoso até saciar a nossa sede, sem nenhum risco de contrairmos doenças, não existia poluição. Era uma aventura bastante perigosa, pois jogávamos muita bola por lá e estávamos sujeitos a câimbras e quando isto acontecia, era grande o sufoco. O Rio Parnaíba foi a nossa piscina, onde aprendemos a nadar. Não é recomendável que hoje se faça isto. É um lance muito perigoso.

Sempre em nossas aventuras, o meu primo Francisco José Amorim, hoje Agente Fiscal da Receita Estadual em Floriano, acompanhava-nos, não era bom nadador, mas tinha sempre a companhia de uma câmara de ar para ajudá-lo a atravessar o Rio e tirava de letra, chegando na frente de todos. Certo dia, ao atravessar o Rio, em um local de grande correnteza, a borracha que tampava o pito da câmara soltou-se e Chico José, tampou com uma mão e para poder manter o equilíbrio segurava a câmara com a outra mão e não tinha como remar para chegar à outra margem, pois usava as mãos como remo e as pernas para equilibrar o bote. Quando observei que ele estava com problemas, nadei até onde estava, disse-lhe que ficasse tranqüilo e coloquei os dois pés dentro da câmara de ar, e saí puxando, utilizando o famoso nado de cachorro que sempre usávamos quando estávamos cansados. Foi um sufoco danado para levá-lo até a margem, cheguei nas últimas, já sendo ajudado por Chicolé e outros companheiros. Graças a Deus chegamos em casa em Paz e hoje estou externando esta resenha e que pode ser confirmado pelo o ator maior e os coadjuvantes, como Chicolé, Firmino, Raimundo Bomfim, Antenor e outros.. E assim Floriano vai tornando-se Rainha e nós vamos envelhecendo-nos, mas revivendo sempre o seu passado e as nossas vidas cotidianas.

FLORIANO,TERRA QUERIDA, MEU TORRÃO NATAL, MEU UMBIGO AINDA HOJE ESTÁ ENTERRADO NO QUINTAL DA CASA QUE ERA DOS MEUS AVÓS. Meus parabéns pelos 100 + 10 anos. Que esta juventude que hoje estás a governar você, lembrem-se: que embora hoje não exista mais o Riacho da Onça, a Pedra de Mesa, o Escurador, o Riacho do Irapuá, o Riacho da Vereda Grande, com seus olhos d’águas majestosos e límpidos, existem em seu solo outros córregos que precisam ser preservados, é necessário que esta geração assuma a responsabilidade de olhar com uma visão ótica ambiental e de futuro a situação das Margens do Rio Parnaíba, em toda extensão urbana e rural, as margens do Rio Itaueira e do Rio Gurguéia em sua área rural, que sofrem grande degradação, e precisam ser revitalizados, assim como as suas praças. É preciso assegurar a sobrevivência das gerações futuras, isto, depende do que pensamos e do que fazemos hoje. Precisamos de desenvolvimento, mas um desenvolvimento que seja alicerçado com sustentabilidade.

* Eng. Agrônomo, Extensionista do EMATER, Florianense, Especialista em Olericultura, Especialista em Uso e Manejo Sustentável dos Recursos Naturais, Conselheiro Efetivo do CREA-PI e do Conselho Estadual de Recursos Hídricos e Diretor do Sindicato dos Engenheiros do Piauí – SENGE –PI.

5 comentários:

Rodrigo disse...

Oi, achei teu blog pelo google tá bem interessante gostei desse post. Quando der dá uma passada pelo meu blog, é sobre camisetas personalizadas, mostra passo a passo como criar uma camiseta personalizada bem maneira. Até mais.

Anônimo disse...

Sobre o título do artigo do agrônomo da Emater, tenho um comentário a fazer: Floriano nunca foi colônia de Jerumenha. Quando obteve o status de Colônia em 1890, o obteve pelo seu desenvolvimento acentuado, deixando de ser Estabelecimento Rural de São Pedro de Alcântara e passando a Colônia de São Pedro de Alcântara.

Francisco Amorim - Teresina disse...

Esclarecimento 01

Em resposta ao Internauta anônimo, tenho a dizer-lhe o seguinte: O título desta matéria tem o intuito de mostrar a realidade histórica, da força do povo de Floriano na marcha do Desenvolvimento e sensibilizar os filhos de Floriano a participarem do 1º. Encontro de Florianenses. A título de esclarecimento: Colônia na sabedoria do Mestre Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, que dizer, grupos de pessoas que se estabelecem em terra estranha ou região estranha ou lugar onde se estabeleceu um desses grupos. A região onde se localiza o Município de Floriano situa-se nas áreas da sesmaria que a Coroa Lusa, doou a um grupo de potentados baianos que jamais viveram em suas terras. Essas concessões se estendiam por 10 léguas de terras em quadro para cada um deles, nas margens do Rio Gurguéia, que mais tarde junto com Francisco de Souza Fagundes, obtêm mais 10 léguas de terras, em quadro, nas margens do Rio Parnaíba. A criação de Gado “vacum” vai se expandindo e transformando-se, além das atividades agrícolas, em fonte principal de riquezas. O Município de Floriano situa-se na área em que Domingos Mafrense fundou as primeiras fazendas de gado no Piauí, criando o centro de expansão da pecuária piauiense. Após a morte de Mafrense, trinta das suas fazendas foram doadas aos Padres Jesuítas, da Companhia de Jesus, que com a sua administração, observou-se grande progresso e desenvolvimento dessas fazendas, porém com a expulsão dos Padres Jesuítas do Brasil pelo Marquês de Pombal, as referidas fazendas passaram para o poder do Estado do Piauí, ou na época, Província do Piauí. O Governador daquela época, João Pereira Caldas, após a expulsão dos Jesuítas, promove o seqüestro ou tomada das fazendas e faz o arrolamento dos bens das mesmas e divide-as em três inspeções com nomes de Canindé, Nazaré e Piauí.

Francisco Amorim - Teresina disse...

Esclarecimento 02

Passados alguns anos, já em 1873, desmembram-se, da Inspeção de Nazaré, as fazendas: Guaribas, Serrinha, Matos, Algodões, Olho D'água e Fazenda Nova, para formarem a Colônia Rural de São Pedro de Alcântara, criada pelo Decreto Imperial nº. 5.292, de 10 de setembro de 1873 cuja frente do projeto da Colônia Rural se encontrava o Ilustre e primeiro Agrônomo do Piauí, formado na França, Francisco Parentes, que havia sido comissionado pelo Ministério da Agricultura do Brasil para estudar, minuciosamente, as condições de criação de gado bovino no Piauí, especialmente nas fazendas da Inspetoria de Nazaré. A sede da Colônia foi situada à margem direita do Rio Parnaíba, a 60 léguas acima da cidade de Teresina, na época, capital da Província do Piauí, e a 150 léguas do litoral, no lugar chamado “Chapada da Onça”. As fazendas acima mencionadas formariam o patrimônio da Colônia, e as mesmas foram consideradas pelo Ministério da Agricultura e da Fazenda, para o fim de formar a Colônia Rural. O lançamento da Pedra Fundamental do Edifício Principal (Atual Terminal Turístico de Floriano) continha a seguinte inscrição: “São Pedro D'Alcantara —Estabelecimento Rural, fundado por Decreto n° 5.392, pelo Agrônomo Piauiense Francisco Parentes, na presidência do Exmº. Senhor Doutor Adolpho Lamenha Lins – 1874.”

Francisco Amorim - Teresina disse...

Esclarecimento 03

Quando as obras do grande edifício sede já estavam quase concluídas, o inesquecível Agrônomo Francisco Parentes contrai febre maligna. Levado às pressas em uma canoa para Amarante a procura de socorro médico, ali morre com 37 (trinta e sete) anos de idade. Com a sua morte, contudo, a obra teve continuidade. Foi na administração de Ricardo Ferreira de Carvalho diretor do Estabelecimento Rural São Pedro de Alcântara, que foi permitido, livremente, a edificação de casas na Colônia, o que era facilitado pela direção. Com o aumento considerável da população a sede do Estabelecimento, elevou-se à categoria de VILA, com o nome de Vila da Colônia. Em 1889 começou a chegar à colônia os primeiros imigrantes árabes que criaram grandes comércios. Pôr força da Resolução nº. 02 de 19 de junho 1890, foi transferido para ela, a oficialidade da Vila da Manga. Ainda por força da resolução 02/1890, a nova Vila da Colônia ficou pertencente à Jurisdição Civil e Criminal da Comarca de Jerumenha, sendo seu termo um Distrito de Paz. Poucos dias depois, a Resolução nº. 03, de 26 de junho de 1890, desmembrou o Termo da Colônia da Comarca de Jerumenha, para a formação de uma nova Comarca com denominação de Colônia, assim ficando até 1892.
A Lei nº. 144, de 08 de julho de 1897, elevou a Vila da Colônia à categoria de Cidade, com a denominação de Floriano, homenagem ao “Marechal de Ferro” Floriano Peixoto. A lei foi assinada pelo governador da Província do Piauí, Raimundo Artur de Vasconcelos. Este é o meu entendimento ao consultar bibliografias da história de Floriano, salvo, MJ., Obrigado. O Autor da Matéria. Francisco Sobrinho Amorim de Araújo.
P.S – A Cidade de Floriano hoje, é um influente pólo de desenvolvimento, considerado município emergente, com grandes Centros: Comercial, Educacional, Pólo Turístico, Saúde e de Prestação de Serviços, além de ser ponto de convergência de vasta área do Piauí e do Maranhão. Apresenta-se com um futuro bem promissor.