10/04/2011

ENTREVISTA COM GEREMIAS

GEREMIAS - FIZ UM GOLAÇO DE AVIÃOZINHO!

José Neves da Costa, conhecido por “GEREMIAS”, apelido herdado do seu pai, que se chamava Geremias. Nasceu em Uruçuí, em 28 de outubro de1937, 69 anos. Chegou em Floriano em 1940 e iniciou jogando sua pelada em 1945.
 
Perguntado sobre o seu primeiro time, Geremias respondeu de aviãozinho:

- Foi o Bonsucesso de Calistinha (Dr. Calisto Lobo), 1954 e fiz um gol na estréia.

- Qual o seu ponto forte no futebol?

- Eram três coisas: preparo físico, pique e não desistia;

- Qual a sua posição dentro de campo?

- Lateral esquerdo, sempre fui fiel a essa posição.

- Você lembra de algum ponteiro que você achava difícil de marcar?

- Pelo amor de Deus, JANJÃO, hoje “JJ”, agora é que ta difícil, o homem agora é forte demais. Sim, mas voltando o assunto, Janjão, era rápido, driblava e chutava com os dois, as jogadas variavam muito, ele nunca repetia as jogadas, quase me mata.

- Teve algum jogo que te marcou, que você jamais esquece?

- Tem um especial, foi Ferroviário 3 X 2 Comércio Esporte Clube (o time era da elite), com três gols de SADICA, na sua estréia, pense numa figura endiabrada, o baixinho, fez a alegria da galera, eu me lembro até da formação desse nosso timaço!

- Qual era a formação?

- Netinho(in memorian), Pulu, Antonio Ulisses (In memorian), Zequinha da Bahia e Geremias (apelido começou porque os amigos começaram a chama-lo de Zé de Geremias, terminou em Geremias), Zequinha, Joãozinho e Américo, Mário Besta Braba (In memorian), Sádica e Das Chagas de Parnaíba. O Presidente; Dr. Tibério Nunes, treinador: Dr. Nazareno e diretor de Esporte: Merval Lúcio (estrategista).

- Qual o gol mais importante ou o mais bonito que você fez?

- Calistinha, me dispensou do Bonsucesso, aí fui jogar no América do Barão de Grajaú, e no jogo o ponteiro direito cruzou a bola a meia altura e eu pulei de aviãozinho (hoje peixinho), foi uma pintura, gol de placa.

- Teve algum time de Teresina ou de outra praça que lhe convidou para jogar?

- Sim, Tassú, do river queria me levar, Erasmo de Deroa do Botafogo de Teresina, o Auto-esporte, mas como sabemos é difícil jogar em Teresina, a gente tem pouca chance.
- Gemerias, você hoje está aposentado? Qual era a sua profissão?

- Sou aposentado, mas faço o meu biquinho, acabei de matar um dinheiro, fico ali no Posto Santana de Marcondes de Zé Fontes. Mas a minha profissão é Mecânico de Máquinas Pesadas e Soldador.

- Na sua profissão qual o trabalho que você fez, e acha importante, deixou sua marca?

- Rapaz, que boa pergunta, nunca ninguém me perguntou isso! Eu sou orgulhoso das estruturas de ferro dos dois postos de Zé Fontes: Postos Santana e Tatu. Outra obra que eu fiz foi: montagem da Usina de extração de Algodão da Usina CIDAL de José Gomes Chaves, Paixinha de Canto do Buriti.

- Você lembra de mais algum detalhe da sua profissão?

- Sou soldador de caminhões, cantoneira, chassi, roda, inclusive passei um ano como Mecânico de Navio da marinha Mercante!

- Você lembra do nome do navio e algum episódio da sua passagem pela Marinha Mercante?

- Sim, O navio era Panamenho, e o nome “PANTELES”, embarquei em Salvador-BA, 1961, passei um ano, mas sofri um acidente, tive de retornar a Floriano, e quando recuperei, meus pais não deixaram eu voltar e aí retornei para a manutenção das máquinas de extração de babaçu.

- Você lembra o nome do seu Chefe de Máquinas no navio?

- Sim, Chefe Alonso! Uma capacidade, aprendi muito com ele. Uma coisa que ele me admirava, quando ele nos chamava pra resolver qualquer defeito o primeiro da fila era eu, sempre fui disposto, não faço cara feia para o trabalho.

- Quanto filho(as) você tem?

- São três filhas, minhas pérolas, adoro minhas filhas: Ana Maria Santos Costa, Assistente Social, Administradora da Clínica dos Médicos, Rosana dos Santos Costa, Enfermeira, trabalha em Teresina e a caçula, Giselda dos Santos Costa, formada em Licenciatura em Letras/Inglês, leciona na UNED e no estado, são três batalhadoras, tenho também três neto(as): Gustavo, João Pedro e Camila, são lindos! Sou apaixonado por todos eles. Me dão assistência, não deixam faltar nada, estão sempre do meu lado, é um orgulho, consegui formar as três filhas, são meu corpo e minha alma!

- Qual a sua mensagem para o jovem que está começando a buscar uma profissão?

- Hoje ta difícil, pois os jovens, não tem paciência, não querem aprender uma profissão, querem tudo de imediato. Quando eu comecei passe i cinco anos para aprender, meu professor era o Zé Caboré, pai de Raimundinho Caboré, o homem era duro, mas ensinava como ninguém, mas não dava nada, um vintén, entretanto liberava a oficina, para a gente fazer algumas peças, gancho para panela, grelha, espeto etc, para vender e arrecadar fundos, com o arrecadado, a gente ia ao Cine Natal, vê um “bang bang”, e alguns filmes de amor, era bom demais.
..........................................................................................................
Reportagem: César de Antonio Sobrinho

2 comentários:

Anônimo disse...

Mestre Geremias,
Parabéns por ter encaminhado as suas filhas em tão nobres profissões. Um orgulho para todo pai.
Um grande abraço do amigo,
Djalma Filho

gilberto lima disse...

Excelente a entrevista com Geremias.
Não tive muito contato com ele, devido a diferença de idade, porém, me chamava a atenção o seu estilo calmo, conciliador, além do seu contínuo bom humor.
Muitas vezes era criticado pelos seus companheiros de time, em decorrência de uma jogada, digamos, não apropriada para o omento, contudo, sempre reagia com serenidade.
Parabéns Geremias, pelo excelente exemplo de vida.
Que Deus te proteja e vida longa.

Gilberto de Moura Lima.
São Luís/MA.