10/23/2007

SAUDADE



Como temos saudades daqueles tempos de outrora, das tardinhas quentes da praça ou do sopro do vento a embalar os seus arvoredos; das lindas canções do Roberto a expressar as nossas paixões.

Quem não se lembra, por exemplo, do bar Carnaúba e do bar São Pedro, do coreto e dos antigos carnavais; do corre – corre e do sobe-desce da velha Sertã, quando os meninos brincavam do pega; dos quessucos e dos pudins do quiosque da tia Inhá.

Havia, realmente, um certo brilho, uma forte vontade de crescer por entre esses arredores que não mais existem como antigamente; os contornos novos nos causam espanto e uma outra sensação, que deveremos saber controlar para não chorarmos com a saudade.

2 comentários:

Umbelina disse...

Bom dia.

Obrigada pelo carinho de suas palavras.

Gosto de vir conhecer a história de Floriano, por isso, estou sempre voltando aqui.
Abraços,
Umbelina

Umbelina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.