5/19/2007

AS PRAÇAS DE FLORIANO



Caro leitor, em primeiro lugar minha intenção é relatar as condições atuais de nossas praças, assim como sugerir o que poderia melhorar para que as mesmas ficassem mais atraentes, bonitas e conseqüentemente compondo um conjunto de logradouros que justificassem o título de Princesa do Sul, dado a nossa Cidade de Floriano, pois toda princesa tem como selo a beleza e o aconchego, as praças são os locais adequados para que se possa curtir a natureza no amplo sentido desta palavra. Por outro lado, chamar a atenção de nossas autoridades para que cuidem melhor das mesmas e sensibilizar a população para que faça a sua parte, conservando-as.

Consideremos uma verdadeira Praça aquela que tenha como dimensão de 120 a 150 metros em cada lado, ou seja um quarteirão completo onde não tenha nenhuma construção no seu interior, somente árvores, passeios, chafariz, bancos de assento, um coreto, até mesmo uma estatua simbolizando alguém que tenha realmente feito alguma coisa pela Cidade, principalmente amor verdadeiro pela mesma, expressado por obras significativas e de utilidade comprovada por seus habitantes , caso contrário é desnecessária e não representa nada.

Pois bem, diante do exposto, poderíamos dizer que uma praça é aquele local aconchegante, atrativo, aplausível, onde as pessoas fariam seu ponto de encontro, entretenimento, lazer, descanso, etc. e com isto haveria uma socialização perfeita, onde a tendência seria sempre uma boa convivência e harmonia entre os habitantes, tornando a Cidade mais humana, acolhedora e hospitaleira com certeza.

Agora voltemos nossos olhares para as nossas praças, começando pela que há de melhor, que é a Dr. Sebastião Martins, como não poderia deixar ser, tendo em vista que é o coração da Cidade, me parece que tudo da Cidade teve sua origem partindo dela uma referência singular. Até que existe um pequeno cuidado quanto a sua manutenção, poda-se uma árvore, molha-se outras, troca-se uma lâmpada, de tal maneira que prevalece sua característica de praça, embora seja maltratada por aqueles que ignoram seus passeios, pisam na pouca grama existente e fazem do encosto dos bancos o assento e como se não bastasse acontece, vez por outra, no decorrer do ano uma ou umas feiras, que desfiguram totalmente a sua beleza, deixando-a irreconhecível.

Este tipo de evento jamais poderia acontecer em uma praça e sim em um lugar apropriado, que tenha o mínimo de estrutura para tal fim. Ainda resiste ao tempo o velho Bar Sertã, uma arquitetura invejável da época e que se fosse bem cuidado, digo, restaurado seria um moderno e pequeno monumento de saudosos tempos, que nossa juventude jamais se esquecerá. Praça Coronel Borges bastante ampla, principalmente após a demolição do velho mercado municipal, dando origem a uma construção que, até certo ponto é aceitável, pela modernidade, que é a Câmara Municipal.

Os demais espaços existentes necessitam de melhores cuidados, principalmente, quanto as poucas árvores ali plantadas - precisa de mais - e o gramado que sejam molhados com mais freqüência, tendo em vista que esta praça dispõe de um poço artesiano de vazão satisfatória. São pequenos detalhes que se forem observados, posto em prática e preservados se tornaria um cartão postal dos mais lindo de nossa Cidade. Cabe ressaltar, que tudo isto em muito dependeria de nossa população, quanto à preservação.Praça Tiradentes (do Cruzeiro) de tamanho satisfatório e como o destino lhe reservou, também tem uma construção pública e de utilidade no seu interior em formato de circo um mercado público; de tanto receber/acolher os circos que por aqui passavam o mercado faz lembrar os mesmos. Sobram espaços em suas laterais a espera de um bom administrador, para que a mesma se torne de verdade uma praça que todos almejamos, com árvores, passeios, assentos (bancos), boa iluminação, chafariz, etc.

Tenho um carinho todo especial por todas estas nossas praças, mas essa do Cruzeiro como minha vizinha e a do meu coração, com a ajuda do Bom Deus lutarei/farei para que ela seja no futuro, de todas, a mais bonita e atraente. Praça Francisco Nunes (antiga praça da pedreira) de dimensões desejadas, mas de pouca sorte, pois conseguiram sufocá-la, reduzindo-a em quase 40% todos os seus espaços, com construções ridículas e absurdas, uma atrás das outras, tiraram toda a visibilidade do Grupo Escolar Fernando Marques, prova que os administradores da época não tinha o mínimo de conhecimento de urbanismo e muito menos amor pela Cidade, ao deixarem/permitirem fazer aquelas aberrações e como achassem a dose pequena, em frente ao prédio do antigo Ginásio Santa Teresinha construíram um casarão de muros altos, completando um complexo de ignorância inaceitável.

Por outro lado, se tivesse sido bem aproveitado seus espaços para construção de uma praça moderna, em respeito aos seus moradores e a bem da verdade, faria inveja as demais, pela sua posição, altitude e localização, mas quando se é governado por senhores despreparados, sem visão urbanística e só com interesses próprios e particulares o resultado é como ela está, agora o outro lado da moeda, os projetos deles, eles sabem que existem profissionais chamados arquitetos e custe o que custar, fizeram, faz e farão bem feitos. Este tipo/modelo de construção pública se faz em ruas, avenidas ou até mesmo em praças, - desde que não seja em seu interior, a não ser prédio(s) moderno(s) que venha enriquecer/embelezar o complexo -, onde tenha terrenos livres ou prédios que se possa demolir ou restaurar para tal objetivo.

Esperemos, sentados e com esperança, que um dia surjam administradores capazes de transformá-la numa verdadeira e bonita praça é o que todos desejamos. Acabo de receber subsídio do caro Amigo César, quanto a esta praça, de que a mesma foi dividida em três: Francisco Nunes, Genésio Nunes e Petrônio Portela. Agora, surge um problemão, como explicar isto ? Não pelo nome, principalmente, os dois primeiros são pessoas de ilibada reputação e que dentro do possível plantaram árvores, preservaram, tiveram cuidado com a mesma, o último sem comentário. Onde termina uma e começa a outra eu não sei e talvez você não saberá, até mesmo os carteiros, ainda, tenham dificuldades em entregar as correspondências, mas como isto é uma obra feita pelos administradores do passado, o que escrevi acima é uma verdade verdadeira. Praça da Bandeira esta tem uma história que me foge ao conhecimento, razão pela qual relatarei apenas o pouco que sei, inclusive o nome dela tive que recorrer ao César Sobrinho, segundo Ele seu nome antigo e atual é mesmo Praça da Bandeira.

Geralmente as praças são públicas, todavia esta é um caso atípico, ou seja, particular pertence/pertencia a uma associação de nome União Artística Operária Florianense, proprietária, também, do Ginásio 1° de Maio. Pois bem, ela se situa em frente a atual Escola Normal de Floriano, com uma localização e dimensões excelentes, tendo tudo para ser mais que uma praça, um pequeno parque com todos os seus atrativos sem muito exagero. No seu interior por muito tempo havia um campo de futebol chamado do artista, de onde surgiram grandes craques de bola para o futebol florianense e piauiense também. No início da década de 60 tem início uma construção em uma de suas laterais de um clube social com o título de 21 de Março pertencente àquela associação, começando assim a descaracterização de uma praça; foi acabando o campo de futebol, vieram construções residenciais, mais recentemente surge uma construção, agora pública, etc. Para não me alongar vamos a estas interrogações ? Como praça privada, será que aquela associação pagava os impostos (IPTU) a Prefeitura Municipal ? Será que nossos administradores do passado tentaram adquiri-la, para que no futuro fosse realmente uma praça, mesmo que não fosse a base de compra, mas por troca, tendo em vista a disponibilidade de terrenos do município ? Ou faltou visão, boa vontade de nossos administradores (prefeitos, vereadores) e até mesmo dos representantes legais daquela associação, para com mais um logradouro para o Município ? - A Praça da Bandeira era para ser uma Praça.

Minhas desculpas pelo que relatei sobre nossas Praças de Floriano, pois o meu objetivo foi chamar a atenção de nossas Autoridades e da população, para que juntos tenhamos mais cuidado, zelo, amor e preservação por elas e aguardo o seu comentário consciente e construtivo para que possa ocorrer no futuro não muito distante alguma mudança, pois foi com este intuito de mostrar o que foi feito, como está e como poderá melhorar as mesmas, para que Floriano seja realmente a Princesa do Sul piauiense. Vale salientar que esta percepção, talvez não seja notada pela população, porém seus visitantes mais atentos perceberão um certo descaso e a pouca importância dada a estes logradouros e é bem notório, pelos postais de nossa Cidade onde só aparece o cais, beira-rio e um ou dois fotos da praça Dr. Sebastião Martins, as demais são totalmente desconhecidas, exatamente pela descaracterização e precariedade em que se encontram.


Colaborador e pesquisador:

Raimundo Nonato de Sousa Carvalho Funcionário Público em Brasília-DF. Economista, formado pela hoje Universidade Católica de Brasília, antes era Faculdade Católica. Estudei em Floriano na Escola Humberto de Campos, jardim de infância, lá no bairro Malária, hoje não existe mais; Grupo Escolar Odorico Castelo Branco, parte do primário; Instituto Florianense, da profa. Deusina Camelo onde terminei o primário; Ginásio Santa Teresinha onde conclui o curso ginasial; Colégio Estadual onde fiz até o 2º ano do curso científico; Colégio Paulo Ferraz, anexo do Liceu Piauiense, em Teresina, onde conclui o científico.


Um comentário:

Janclerques disse...

Amigos,

Temos que repensar Floriano como um todo. Esse reencontro dos 10 anos do centenário de Floriano seria de suma importância para um debate sobre diversos temas para mudar essa realidade atual.

E nossas praças precisam de um cuidado melhor.

Parbens à matéria em voga.

Janclerques