11/19/2014

O BOM BANHO NA BARRA DA ONÇA

Colaboração: Nelson Oliveira

O título desse trabalho é relativo ao riacho do mesmop nome, que tem sua história em outro local e onde desembocava no rio Parnaiba depois de um longo percurso, chegando até o velho monge,formando na embocadura, na época do verão e que ficou conhecido como Barra da Onça.

ao desembocar no rio, ali se formava um belo local, ( não era praia ), onde a molecada a partir dos dez anos, escondido dos pais, se deliciava com banhos duradouros em águas limpíssimas, tendo no fundo uma areia, também muito limpa, que para a rapaziada era um verdadeiro paraíso e que muitos deles embevecidos com o local, perdiam até as aulas como livros que muitos deles não se lembravam onde os tinha deixado e, quando os pais, principalmente as mães descobram, haja "taca", com base na palmatória, visto que muitos eram denunciados pelas professoras que na época eram as segundas mães pelo número de aulas perdidas.

Os heróis dessa história eram sempre adolescentes, entre os dez e quinze anos e durante o banho não tinha nada de calção, era todo mundo "pelado" como veio ao mundo. Apesar disso, se notava nos "artistas" do espetáculo um alto grau de inocência e respeito, porque o local era isolado e à medida que os adultos se aproximavam, todo mundo caía n´água ou se escondia entre os arbustos. Era fenomenal.

Naquele tempo, não se ouvia nem falar em "água poluída" e nem em outras questões que atualmente assolam e preocupam o ser humano. A juventude, até as pessoas mais pobres era relativamente sadias, não se ouvia nem falar nesses produtos que hoje contaminam a nossa juventude, desde a tenra idade, levando-as para o fundo do poço e de nde poucos conseguem sair e a isso se deve, infelizmente, a falência da família, que deixou de ser a célula máter da sociedde.

Mas, voltemos ao assunto dessa mensagem: a molecada, que no dia a dia se deliciava daquele espaço tão rústico, porém, muito aconchegante, era feliz e por isso dificilmente havia um atrito, por menor que fosse, apesar de ter alguns que, furtivamente, davam um nó na camisa ou na calça de alguém e que se denominava de "biscoito", porque, na sua maioria, era preciso usar os dentes para desatar o referido nó no qual o autor urinava e botava areia, que se tornava ainda mais difícil, devido o cheiro da urina e a areia com quem os dentes não se dar bem. Já pensou, numa situação dessas, em que o nó com o auxílio dos dentes era desfeito o terrível nó com sabor de urina com areia? Era terrível! entretanto, todos levavam na esportiva e aí os cuidados se redobravam.

Em algum momento, à medida que passava o tempo, a turma que apreciava o banho da Barra da Onça, foi crescendo, mudando a formação do corpo, o poder público atendendo a diversas reclamações pelo estado de nudez dos banhistas, resolveu adotar providências para eliminar aquela situação, indicando o cabo Severo (era nome próprio), como vigilante do espaço. Mas mesmo assim tinha aqueles que afoitadamente nas ausências do "Severo" vigilante, ainda voltavam para o reconfortante banho, sempre retornavam nas horas de pequenos movimentos na área. Aqueles que eram alcançados pela "lei" constituída de muitos conselhos proferidos pelo valente cabo da briosa polícia militar, aqueles que inocentemente e sem desrespeitar a autoridade aos poucos froam mudando os costumes, sem qualquer tipo de constrangimento.

Disso tudo, somente resta uma imorredoura saudade, por tudo que ali aconteceu, principalmente com a participação da família que sabia, sem ser doutor em qualquer matéria, educar os seus filhos tornando-os  pessoas disciplinadas, obedientes, respeitadores e temente a Deus.

Que surja outra Barra da Onça para aqueles que não desfrutaram de tamanha diversão. Que surja outra Barra da Onça para os jovens que não podem frequentar os luxuosos clubes sociais.

Nenhum comentário: