5/28/2012

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

DOS ANOS QUARENTA AOS DIAS ATUAIS

O Transporte Aéreo em Floriano

Por - Nelson Oliveira e Silva

Esse tipo de transporte, em nossa cidade, teve início por olta dos anos 30, tendo como pioneira uma empresa de origem alemã, que tinha como título o nome de "CONDOR", que fazia uso de hidroavião monomotor, que pousva no rio Parnaiba, cujo pouso se iniciava próximo à curva do rio, do lado norte, deslizando sobre as águas até um pouco acima onde se encontra o Restaurante Flutuante.

A chegada do referido aparelho à cidade, era motivo de euforia do nosso povo, que corria à margem do velho monge para apreciar aquele instrumento, que poucos conheciam. Naquele tempo, o rio ainda não sofria o atual assoriamento e tinha suas ribanceiras altas, de onde o povo permanecia, até a saída do avião, que, salvo engano, no início, a rota era feita uma vez por mês.

O primeiro agente da CONDOR em nossa cidade foi o senhor João Viana de Carvalho, conhecido como Juca Carvalho, figura importante na sociedade florianense e piauiense nos tempos de Teodoro Ferreira Sobral, Osvaldo da Costa e Silva, além dos importantes cargos que também desempenhou na Loja Maçônica Igualdade Florianense, como um membro influente em todas as esferas sociais.


Chegada avião Condor em
Floriano - 1938

Casado com dona Dorinha Carvalho, pai da professora de educação física da Escola Normal, Dolores Carvalho, João Viana ( o Joca ), o primeiro distribuidor de gás liquefeito em nossa região, Raimundo e Francisco, funcionários do Banco do Brasil, tinha um filho, cuja agência se instalou aqui, graças a influência do seu pai. Também tinha um filho, cujo nome não me lembro que, como político militante, participou de memoráveis campanhas políticas em nossa cidade, salvo engano, como candidato do PTB de Getúlio Vargas.

Na medida que o tempo passava, o hidroavião deu lugar a outras aeronaves mais modernas, como os DOUGLAS DC-3, que passaram a operar em nossa cidade, embora o nosso aeroporto fosse de piçarra, salvo engano, por três vezes por semana. Era localizado no hoje bairro bem povoado, chamado de Aeroporto Velho.

Naquela época, nos anos 40, quando eclodiu a segunda guerra mundial, que tinha como principal participante a Alemanha de Hitler e de onde se originou a CONDOR, o governo resolveu nasionalizar o transporte aéreo em nosso País, surgiu a CRUZEIRO DO SUL, agenciada pela firma Morais S/A, tendo como responsáveis pelo atendimento, José Ribamar Lopes ( o Zé Bação ), Clovis Ramos e Juraci Borges.

Passado alguns anos, surgiu uma nova empresa, que usou vários nomes: AEROVIAS, REAL AEROVIAS, agenciada pelo doutor Amílcar Ferreira Sobral, que tinha como despachante, o competente Milton da Costa Sá, atualmente como próspero empresário na cidade de Guadalupe, influente membro da Loja Maçõnica daquele oriente.

Após aquele período de grande atraso no sistema de transporte aéreo na região, por volta dos anos 70, surgiu o aeroporto CANGAPARA, distante cerca de 12 quilômetoros do centro da nossa cidade, com pista asfaltada e uma casa de passageiro, que para a época, era moderna. Já nesse tempo, a Cruzeiro já estava em decadência e logo sucumbiu, ficando a VARIG como dona exclusiva do pedaço, tendo lançado nas rotas para Recife e Brasília, diariamente, um moderno avião turbohélice de nome AVRO de efêmera passagem por nossa cidade. Como Floriano possui o título de cidade do já teve, certamente que tal situação não nos trouxe nenhuma novidade a não ser muita decepção.

Infelizmente, desde aquela época, quem deseja viajar para outras plagas, vai para Teresina e de lá em aernonave moderníssimas de várias companhias, fura o mundo de um lado a outro. Hoje, o velho CANGAPARA, com a sua pista sendo corroída pelas intempéries, serve apenas para poucos aviões, principalmente de políticos, que só aparecem por aqui na época das eleições. E ainda o nosso abestado povo nos comícios, ficam a aplaudir esses "tiriricas" da vida, ao invés de exigirem melhorias não só para o nosso aeroporto, mas para toda a nossa região.

Antes dessa história contada acima, no ano de 1934, apareceu por aqui um pequeno avião, que pousou num pequeno campo no bairro Taboca ( próximo ao riacho da Vereda Grande ) e se constituiu, naquela época, uma verddeira revolução, visto que até o comércio fechou suas portas e o povo deixou suas casas para recepcionar os tripulantes daquele avião, que vieram a nossa cidade inaugurar uma rota doCAN - Correio Aéreo Nacional, que se estendeu por várias regiões do País, principalmente pelo Norte/Nordeste, transportando as correspondências que eram enviadas de um para outro Estado. naquele ano e dia, foi uma festa espetacular.




Ceir Móvel atenderá população de Floriano e região

O Ceir Móvel atenderá a população das cidades de Floriano, Jerumenha, Nazaré do Piauí, São Francisco do Piauí, Guadalupe e Francisco Aires, de amanhã (29) até quinta-feira (31). O projeto descentraliza os serviços oferecidos pela Oficina Ortopédica do Ceir (Centro Integrado de Reabilitação) fornecendo equipamentos ortopédicos às pessoas com deficiência física através do SUS (Sistema Único de Saúde).
As pessoas que precisam de cadeiras de rodas, órteses, próteses, calçados para pé diabéticos, cadeira de banho, bengalas, andadores, coletes e calçados ortopédicos devem procurar um médico do SUS e solicitar a prescrição médica.
Posteriormente, é só juntar uma cópia do CPF, RG, Cartão do SUS (Cartão Nacional de Saúde), comprovante de residência com CEP, informar pelo menos um número de telefone para contato e entregar toda a documentação na Secretaria de Saúde da cidade onde mora e aguardar os atendimentos do Ceir Móvel.
A equipe, formada por profissionais da área de reabilitação, atenderá na APAE de Floriano, localizada à Rua Honorato Drummond, 170, bairro Campo Velho, das 8 horas às 18 horas. Os atendimentos englobam a população das cidades de Jerumenha, Nazaré do Piauí, São Francisco do Piauí, Guadalupe e Francisco Aires. Nesta primeira visita serão realizadas as medidas e tirados os moldes para a confecção dos aparelhos no Ceir. Depois a equipe retornará ao município para a entrega dos produtos. Tudo é gratuito para a população – as peças são financiadas pelo SUS.
O Ceir Móvel é um projeto desenvolvido pelo Governo do Estado juntamente com a Associação Reabilitar, uma instituição social sem fins lucrativos que administra o Ceir, com a parceria do Governo Federal. ( Glenda Uchoa ). 

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

 DJALMA SILVA, O PROFESSOR E SUAS MEMÓRIAS

A chegada do Primeiro Avião
Foto: acervo Teodoro Sobral Neto
Chegada do primeiro em
Floriano - 1934

Em 1934, deu-se em Floriano um grande acontecimento, a chegada do primeiro avião. O fato teve lugar em 14 de julho, com a esticada até a cidade de um aparelho do CAN - Correio Aéreo Nacional, que fazia a linha Fortaleza / Teresina, comandado pelo Capitão Neto Macedo.

A Prefeitura administrava o campo de pouso no Meladão na previsão de que a linha do Correio Aéreo Nacional fosse estendida até Floriano. E antes que os vôos fossem autorizados, o doutor Teodoro Ferreira Sobral, então prefeito do município, conseguiu a vinda oficiosa do aparelho.

Ficou estabelecido que, acertada a hora da saída do avião de Teresina, a população seria avisada por meio de foguetes (1). E, assim, aconteceu.

Pouco depois das 13 horas estrigiram no ar. O comércio fechou suas portas. As escolas e representações também. Uma grande massa de pessoas acorreu ao Meladão usando os mais diferentes tipos de transportes. Muitos indo mesmo a pé.

Eu fui de jumento. Um lerdo animal, emprestado por José Leonias, marido da minha tia Joana (2). O jegue, mesmo, verdadeiramente, um "orelhão" ou "filósofo" no dizer do povo, não era de nada. Deixando a sua vontade, mal trocava os passos. Picado de esporas e surrado de chibata, apressava-se um tiquinho e voltava a trocar  os passos me irritando.

Assim, fui até o campo onde cheguei nervoso e cansado. Mais ou menos às 16 horas o aparelho sobrevoou o rústico campo (3) e pousou na pista arremetendo contra o povo que imprudentemente havia convergido para a pista para ver melhor. Um dos imprudentes acenou desesperadmente com as mãos e a população recuou um pouco, dando passsgem ao barulhento avião, que lá adiante parou. Uma poeira infernal, escura, a ssistência para a orla próxima da mata, mas logo depois ela voltou a cingir o aparelho já de hélices paralizadas.

Após pequena demora, o avião alçou vôo. A linha regular só tempos depois seria estabelecida.

NOTAS EXPLICATIVAS:

(1) José Leonias, conceituado comerciante de nossa cidade; (2) Dona Joana, irmã da mãe do focalizado; (3) que era localizado do outro lado da Vereda Grande à direita da sede da AABB.

5/27/2012

RETRATOS

O tempo estava muito bom em Floriano, como sempre, quente e com a movimentação tranquila, naquele último domingo da Páscoa, quando estávamos dando um giro pelo contorno central.

A nossa querida avenida Getúlio Vargas, como observamos na ( foto ), com o seu colorido atual, diferentemente dos tempos dantes, quando havia nesse trecho aí antigos arvoredos, que davam um aspecto romântico e bucólico, que satisfaziam às gerações que viveram aquele momento.

O detalhe é que sempre costumamos mudar a realidade em que vivemos e as coisas vão se alterando ao longo do tempo. Os prédios novos, atuais com a sua arquitetura contemporânea, hoje, dão o ar da graça que envaidece as novas gerações.

De qualquer forma, seria de suma importância preservarmos o que ficou de antigo e postando toda essa história da Princesa do Sul, para que no futuro possamos dar um traço definitivo e qualificado para Floriano buscar sua nova identidade.

5/25/2012

DEPOIMENTO

LEMBRANÇAS

VOCÊ SE FOI SEM DIZER ADEUS!

JUSMAR URQUIZA LEITÃO

Patos (PB) 09/08/1948
Teresina(PI) 21/08/2008

Por - Teodoro Sobral Neto
Rio de Janeiro, 21 de agosto de 2008

Somos amigos desde a nossa infância. Estudamos juntos o primário no Educandário Santa Joana D´Arc. Posteriormente, um curto período na Bahia, onde cursamos a 4a. série ginasial. Você foi para lá por minha influência, mas voltou para Floriano poucos meses depois, mesmo contra a minha vontade.

O mundo deu muitas voltas, você  distanciou-se de todos, mas eu sempre ia a sua casa para conversarmos. Eu era a única pessoa que lhe dizia as verdades e você escutava sem ficar arredio. Não seguia meus conselhos, mas escutava.

No meu último aniversário, dia 26 de junho, você foi o primeiro amigo que ligou-me; eram 6:30 da manhã. No dia dos seus 60 anos, dia 9 último, como sempre, também lhe telefonei. Mas amigo, 12 dias depois você se foi sem dizer ADEUS!

Saudades!

PRODUÇÃO POÉTICA

VOCÊ É TÃO LINDA ( Música )

Salvador(BA), Primeiro Semestre - 1966

Você é tão linda
Mas pare de chorar
Enxugue as suas lágrimas
E venha para mim
Esqueça aquele alguém
Que só causou seu fim

Você chorando
E eu cantando a minha dor
Que será de mim
Com você assim
E eu sem o seu amor

TEUS OLHOS ( Poesia )

Recordando a cada instante
Teus olhos meu grande amor
eu não tenho expressão para definir sua cor
É mais ou menos parecido com o colorido do amor

Teus olhos acompanham a casa passo que dou
Se me escondo, eles me vêem
Já não sei onde vou

Teus olhos
Ah! Teus olhos:
São lindos meu amor

Em tempo:

Essas duas poesias, as quais sei decoradas, fariam parte do livro ( nunca publicado ) ECOS DA MINHA MOCIDADE, escritas quando o autor tinha 18 anos. Torno-as públicas, fazendo uma homenagem póstuma ao autor, em vista do seu dom poético que talvez só eu conheço.






PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

DOS ANOS QUARENTA AOS DIAS ATUAIS

O Abastecimento D´água da Cidade

Por - Nelson Oliveira e Silva

Antes do aparecimento em nosso Estado, primeiro, com o título de IAE - Instituto de Águas e Esgotos e, posteriormente, com o de AGESPISA - Águas e Esgotos do Piauí S/A, Floriano já dispunha do seu próprio serviço de abastecimento d´água, como todas as outras localidades à margem do rio Parnaiba.


Antigo abastecimento d´água
da cidade

O instrumento principal para o serviço, era constituído por um jumento, uma cangalha, duas âncoretas com um furo na parte superior da dita e um, em cada uma, na parte que ficava para a parte de trás do jumento, um funil grande e uma lata de 20 litros com pedaço de madeira atravessado na abertura; no furo da parte de trás da ancoreta, em cada uma, era usada uma tampa feita de talo de buriti, omesmo acontecendo com os furos superiores da ancoreta. 

Colocado tudo isso no animal, dava-se início ao trabalho fazendo o jumento se aproximar do rio e com o passar do tempo ficavam acostumados e permaneciam dentro d´água. Feito isso, o condutor do jegue pegava a lata, enchia, colocava o funil no furo superior da ancoreta e por ele depositava a água da lata e aí estava pronto o produto para ser comercializado por aqueles que eram chamados de "cargueiro d´água" e que se transformou um meio de vida naquele tempo. Os abastados ( os ricos ) tinham os seus empregados para fazer o serviço, além de outros.

Ao chegar na casa que estava necessitando de água, a dona da residência colocava na boca do pote, um pano, que servia de filtro e era chamado de coador, onde ficavam depositados os detritos que existiam na água. Isso, comumente, acontecia na casa das pessoas mais pobres, porque na casa dos ricos existia um filtro lavrado na própria pedra (1), por onde penetrava a água e era depositado num pote colocado em baixo do referido filtro, aos pingos, em cujo vasilhame havia uma tampa com um pequeno buraco, para a passagem do líquido precioso. Om filtro tinha o seu próprio móvel que o sustentava. Apesar de se tratar de um produto totalmente artesanal, a água, por mais suja que fosse, era realmente filtrada e pura.

A bem da verdade, ao se ver o velho monge, morrendo asfixiado pelos detritos nele colocados por um povo sem o mínimo princípio de educação, sentimos vontade de chorar. Quem não se lembra daquele tempo em que suas águas límpidas e sua margem, mesmo na zona urbana, limpa, por onde caminhava para um banho puro e saudável. Infelizmente, isso tudo é uma verdade terrível e para combatê-la precisamos ser "livres e de bons costumes".

Mas voltando ao abastecimento propriamente dito a demanda do produto era tão grande à medida em que a cidade crescia, que havia, na época, tropas de jumentos com a té dez de um só dono.

Continuemos pedindo a Deus, para que a empresa responsável pelo serviço cumpra a sua difícil missão, pensando também no esgoto sanitário sem o que o velho rio não sobreviverá e certamente o acompanharemos.

NOTA EXPLICATIVA COMPLEMENTAR:

(1) A fábrica dos filtros aqui tratados ficava nas proximidades do Paracati.

Desenho: beloalvorecer.blogspot.com 

5/24/2012

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

( DOS ANOS QUARENTA AOS DIAS ATUAIS )

O Pau Não Cessa

Por - Nelson Oliveira e Silva

Antiga zona do meretrício
 de Floriano
 Fevereiro de 2008

 Apesar do título um tanto estranho, ele tem a sua origem. Nos anos 30, até por volta dos anos 60 / 70, a movimentação do transporte fluvial, no rio Parnaiba, era muito intenso, porque por suas águas sangravam um grande número de vapores e lanchas, rebocando imensas barcaças abarrotadas de marcadorias e passageiros que saíam da Parnaiba e iam até Vitória do Alto Parnaiba ( hoje, Alto Parnaiba ), no Maranhão, fazendo escalas em diversas cidades ribeirinhas, onde deixavam passageiros ou cargas. Por isso, Floriano, por sua estrutura, terminou tornando-se um entreposto, onde as mercadorias destinadas ao centro e sul do Piauí eram desembarcadas aqui e seus proprietários as conduziam em lombo de animais.

Para movimentar essas embarcações era necessário uma acentuada quantidade de homens para mantê-las em pleno funcionamento e por isso, muitas vezes, demoravam vários dias no desembarque dos produtos que traziam. Eles passavam muito tempo embarcados e sempre que chegavam em Floriano, à noite, em suas folgas, dirigiam-se às casas do baixo meretrício, em busca de bebidas e mulheres livres para se divertirem. Alguns sabiam se comportar; outros, execediam-se na bebida e, daí, vinham as discussões, em consequência, as brigas. E isso só acontecia quando muitas embarcações encontravam-se à beira do velho monge.

Diante de tal situação, foi necessária a intervenção da polícia, para acalmar os ânimos, e aí foi que a coisa piorou: as discussões e os conflitos, somente entre eles, na base do murro, e com o surgimento da força policial, aí a batalha campal era entre os marinheiros, chamados também de "porcos d´água" e os defensores da segurança da cidade.

Os fatos eram constantes, porque existiam embarcações no porto e, quando o número aumentava e quando os mais experien tes viam tal situação, sempre vaticinavam: "hoje, o pau não cessa!"

Mas na verdade a divergência era muito grande entre a polícia e os "porcos d´água" que, ao terminarem a bagunça, corriam e penetravam na embarcação, onde se protegiam da perseguição policial. Muitos deles, no dia seguinte, tinham contas a prestar ao comandante, no caso de um vapor, ou ao mestre da barca, que eram pessoas de costumes diferentes dos subalternos.

O Pau Não Cessa, de saudosa memória, ficava localizado num trecho da rua Silva Jardim, a partir da rua Bento Leão e se estendia até onde está situada a futura Praça de Eventos, que está construída sobre o leito do Riacho da On ça, que desembocava no rio Parnaiba, local denominaodo pela molecada da época de Barra da Onça.

No espaço da rua acima citada, entre a rua Bento Leão e a rua Hermando Brandão, ficava o local das festas, que eram realizadas, sempre aos sábados, e era chamado "Baile do Rogério". As mulheres, algumas moravam nas proximidades ou em lugares distantes.

Os mais antigos moradores da nossa Princesa do Sul, nunca dizem na rua Silva Jardim, mas sempre falam: rua do PAU NÃO CESSA!

5/23/2012

CORI-SABBÁ HOMENAGEARÁ EX-FUNDADORES


Gilberto Duarte e Tony Ferreira,
serão homenageados

A equipe veterana do Cori-Sabbá treinou, ontem à tarde, terça-feira, visando uma partida de caráter amistoso, dia 26 próximo, sábado, contra a representação da cidade de Uruçuí a ser realizada no estádio Tiberão em Floriano.

A equipe vem sendo comandada pelo ex-jogador Corisabano Vanim, que já atuou em uma competição estadual como treinador e com o amigo Carlos Silva, também ex-jogador do Cori, que tiveram a iniciativa desse jogo festa, já que os jogadores que atuaram nas décadas de 80 e 90 estarão em campo. 


Duas homenagens serão prestadas após a partida, uma a um dos fundadores do Cori o desportista Tony Ferreira e a outra ao ex-presidente da equipe quando foi Campeão Estadual em 1995, hoje procurador Gilberto Duarte. 

A partida será na tarde de sábado e deverá ser iniciada ás 4:00h no Estádio Tiberão com entrada franca.

Fonte: piuainoticias.com

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

UMA CIDADE SEM MOMÓRIA É UM POVO SEM HISTÓRIA

( DOS ANOS QUARENTA AOS DIAS ATUAIS )

O Futebol da Cidade - Cori-Sabbá

Por - Nelson Oliveira e Silva / Texto de 2008

Cori-Sabbá - Campeão Piauiense
1995
O nosso Cori-Sabbá, apesar da difícil situação por que passa no momento, com o seu time profissional, participando do campeonato piauiense da categoria, já teve os seus dias de glória e merece registro pela sua longevidade e nunca ficou fora das disputas futebolísticas desde a época do amadorismo, quando em suas fileiras, com a camisa alvinegra, pontificava-se a figura carismática de Sabará, jogador valente e em alguns momentos até indisciplinado, mas dedicando-se ao Cori-Sabbá de que é símbolo.

Sabará, salvo engano, reside hoje na cidade de Itaueira, distante 100 quilômetros de Floriano, onde mantém uma bem montada marcenaria de onde tira o sustento de sua família, com a mesma dedicação e lisura como defendia a camisa branca e preta do Cori-Sabbá.

Desde 1995, como time profissional, disputa o campeonato piauiense da categoria, mesmo na segunda divisão onde se encontra, no momento, tem tentado, apesar das imensas dificuldades, resgatar o esporte rei na Princesa do Sul e poder repetir os seus grandes feitos, dentre os quais se destacam a grande vitória cosneguida diante do Botafogo Futebol e Regatas, em Teresina, jogo válido pela Copa do Brasil, com gol de Bitonho no estádio Albertão, memorável fato de que muito nos orgulhamos.


Cori-Sabbá - Campeão Florianense
de 1980


No tempo do amadorismo, o Cori-Sabbá conquistou a Taça cidade de Floriano de 1978 e o Campeonato Florianense de 1980, além de muitos outros títulos de menor expressão e teve como um dos seus dirigentes, o incansável Carlos Augusto Costa Ferreira, o Pompéia ( veja sua última entrevista em outro post de nosso portal ), de saudosa memória, que tinha, na sua cabeça, toda a história desse clube que, de alguma forma, tem tanto honrar o nosso futebol.

Cori-Sabbá, 1981

Infelizmente, se constata no futebol,piauiense, situações críticas que vem se desenrolando ao longo dos tempos, sem que se enxergue no fim do túnel uma luz cheia de esperanças em melhores dias para o nosso esporte rei.

Atualmente, na segunda divisão, as coisas a cada dia mais difíceis, trás sérios obstáculos para os dirigentes locais, que sentem impotentes para resolvê-los por falta de recursos financeiros, principalmente falando.

Zé Bruno, atual diretor do
 Cori-Sabbá
Ultimamente, o time do Corissabano tem contado com a obstinação do senhor José Bruto dos Santos Filho, o Zé Bruno ( foto ), mas como uma andorinha só não faz verão, os impecilhos só aumentam paa a nossa tristeza.

A Associação Atlética Cori-Sabbá foi fundada no dia 24 de maio de 1973 no bairro Manguinha e que pela sua condição de trintão, espera o aparecimento de outros obstinados como o doutor José Bruno, para revigorar a sua autoestima em busca de novas conquistas gloriosas que venham engrandecer o seu nome.





5/22/2012

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

( DOS ANOS QUARENTA AOS DIAS ATUAIS )

Os Cinemas da Cidade


Cine Natal - Anos Cinquenta
 Por - Nelson Oliveira e Silva

Segundo se sabe, Floriano teve o seu primeiro contato com o cinema, graças a um laboratório que estentava o nome BAYER, cuja marca ainda existe, em várias partes do mundo, com o nome inscrito dentro de um círculo horizontal e verticalmente.


Valdemir - Foi projecionista
nos anos 60/70

Pelos idos de 1935, o referido laboratório apareceu por aqui, como um automóvel em cuja capota instalavam uma tela e exibiam filmes, na sua maioria, com propaganda dos produtos de sua fabricação. Lemboro, perfeitamente, que os filmes não tinham som e somente quando aparecia o nome do medicamento, alguém falava sobre o produto. O referido automóvel estacionava na principal praça da cidade e aqui, como não poderia deixar de ser, foi na praça da Igreja, como era denominada a hoje praça doutor Sebastião Martins, para onde muita gente acorria, mais por curiosidade paa aquela coisa fenomenal e que durava cerca de meia hora.

Logo em seguida, em 1937, o senhor Bento Leão, que já tinha um negócio de bar na antiga avenida Álvaro Mendes, hoje Getúlio Vargas, talvez levado ou influenciado pela presença do automóvel da Bayer na cidade, resolveu instalar o primeiro cinema da cidade e construiu a sala de exibição, anexo ao seu primeiro negócio, mas esquina da via pública que se chamava rua do Ouro, onde funcionou, por algum tempo, o Mercadão das Construções.

Cine Glória nos anos
60/70
Durante mais de três décadas, o velho cinema cumpriu a sua missão de oferecer aos seus espectadores bons filmes e depois de muito tempo, com as reformas ali introduzidas,com a construção de um palco para realização de programas de auditório realizados pelo Defala Attem e também pela Rádio Difusora de Floriano, bem como apresentações de cantores de renome, como Luiz Gonzaga, Caubi Peixoto ( no início de sua carreira ), Orlando Silva, Jackson do Pandeiro e muitos outros.

O Cine Natal, num determinado tempo, instalou até uma tela panorâmica para maior conforto e uma visão melhor. Nunca foi uma casa de luxo, mas atendia as necessidades do público, com a apresentação de filmes das mais afamadas produtoras americanas.

Durante a sua existência, o ambiente sofria constantes modificações, sempre no sentido de oferecer melhor conforto aos seus estimados frequentadores e que era uma questão do senhor Bento Leão, o seu proprietário.

Como colaboradores empregados, cita-se, na parte técnica, José Barreto, José Maria de Araújo ( o Zé Pequeno ), Valdemir ( foto acima ); na manutenção, Julimar e Edmilson Nogueira; na lanterninha, o João Paulo; na portaria, Agnelo e Floriano Preto e na bilheteria, o Elias, filho de João Alexandre e o senhor Albino Leão da Fonseca ( Binú ), sobrinho do senhor Bento.

Em 1955, por iniciativa do cidadão sírio Adala Attem, em prédio próprio, construido para esse fim, surgiu o Cine Itapoã,localizado na esquina da rua São Pedro com a praça doutor Sebastião Martins e que por razões não identificadas, com a morte do seu proprietário, a decadência dele se apossou o que levou o senhor Camilo Ferreira arrendá-lo, na tentativa de sua recuperação, pois era pessoa ligada ao ramo, visto que a sua família era arrendatária de um cinema na Capital, mantinha uma distribuidora de filmes que atendia todo o interior do Estado.

Os grandes filmes lançados no sul do País, pouco demoravam  para serem exibidos nos nossos cinemas, mesmo assim, a decadência continuava reinando no seio das duas casas exibidoras e, em consequência, a queda da frequ~encia, que crescia a cada dia, até que chegou a televisão, que contribuiu em muito para o fechamento das duas casas de espetáculos cinematográficos da cidade.

Talvez, o poder aquisitivo do nosso povotenha contribuído para o problema crescer, que ficou privado dos grandes filmes que por aqui passaram e deixando muita saudade.

5/21/2012

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

( Floriano - Dos Anos Quarenta aos Dias Atuais )


Prédio atual da Rádio Difusora
Foto: florianonews
 Meios de Comunicação: Rádio Difusora de Floriano

Por - Nelson Oliveira

Naquele dia 19 de outubro de 1957, após a sagração de suas instalações, pelo respeitável Padre Pedro de Oliveira, exatamente às 12 horas daquele dia, consagrado ao padroeiro da cidade, São Pedro de Alcântara, pela primeira vez se ouvia a identificação da Rádio Difusora de Floriano, na voz do locutor Aldir Doudment, vindo de São Luís do Maranhão, que, por sua versatilidade, marcou época na nossa região, onde chegava o som da emissora, que aqui se instalou, após longas negociações entre o senhor Fauzer Bucar, comerciante em nossa cidade, com a família Bacelar, detentora do direito sobre o prefixo ZYG-20, da referida emissora.

Aquele dia 19 de outubro ficou marcado no calendário da nossa comuna, porque além de ser o dia do nosso Padroeiro, aqui instalava-se a primeira estação de rádio do Sul do Piauí, o que foi motivo de muita alegria para todos nós.

Apesar do fato ter sido marcante, muitos obstáculos, como a deficiência de energia elétrica, o principal fator, razão pela qual a emissora funcionou, por muitos anos com motor próprio, que com o passar do tempo, devido aos desgastes naturais, de vez em quando entrava em pane e havia interrupção das transmissões. Mesmo assim, com essas e outras inúmeras dificuldades, a emissora marchou a passos largos em busca do seu grande destino e conseguiu se firmar no cenceito do público de toda a região sul do Estado.

O primeiro Diretor Geral da emissora foi o senhor Fauzer Bucar, que como jáfoi dito, foi também o responsável pela sua implantação em nosso meio. Os prioneiros, comofuncionários, foram, além do locutor Aldir, tinha a Maria José e Elza, que também respondia pela programação, e como auxiliar administrativo, José Epaminondas Messias ( in memorian ).

O programa mais ouvido da cidade, na época, tinha o título de a REVISTA DA CIDADE, numa apresentação do senhor Fauzer Bucar e abordava importantes assuntos de Floriano, principalmente, os políticos. Na década de sessenta, quando da sua eleição para vice-prefeito, na chapa encabeçada pelo senhor Francisco Antão Reis ( Chico Reis ), no seu programa, foi incluída a divulgação do boletim financeiro da Prefeitura Municipal, que consistia da informação do saldo anterior, a arrecadação do dia, os pagamentos realizados e o saldo existente para o dia seguinte. isso durou até quando o relacionamento dos dois manátários se conciliou.

Em 1958, ano da Copa do Mundo da Suécia, com direção, redação e apresentação do senhor Nelson Oliveira e Silva, foi criado sem nenhum ônus para a emissora, o primeiro programa de esportes denominado DIFUSORA NOS ESPORTES, que apresar das dificuldades, as notícias eram captadas de ouvido, pois não existia a tecnologia de hoje, difundia com precisão todas as notícias do esporte, com todos os detalhes, como seja: formação dos times, renda, juiz e outros destaques, principalmente para os jogos da Taça Jules Rimet ( Copa do Mundo ), no máximo, nodia seguinte. O programa era apresentado após a REVISTA DA CIDADE, portanto, no horário nobre.

Para a época, pelos motivos expostos, o programa se revestiu de enorme sucesso e teve uma longa duração.

Na década de sessenta, a emissora enveredou pelo caminho do jornalismo, criando um jornal falado, com o título JORNAL DA DIFUSORA, apresentado diariamente, exceto aos domingos, às 21 horas, que tinha como diretor o Edson, um funcionário do DNER, em Barão de Grajaú, que obtinha as notícias através do morse da repartição em que trabalhava como telegrafista. Na redação tinha a colaboração da gentil senhora dona Tamina Oka Lobo e Nelson Oliveira e Silva, que com o Edson apresentavam o noticioso, que ainda alcançou a direção do senhor Almir Reis, que adquiriu a emissora e que não teve o seu prosseguimento, em virtude do Edson ter se ausentado da cidade, passando a residir em São Luís.

A esemplo do programa de esportes, também o jornal não era oneroso para a emissora. Aquilo, sim, era um prazer prestar tais serviços à comunidade, com total isenção. Foi um tempo que deixou saudade para muita gente boa.

Embora, sentindo a ausência do Edson, o noticioso ainda perdurou por alguns anos, contanto sempre com a colaboração de florianenses de boa vontade, como foram Fauzer Bucar e Almir Reis, separadamente, no tempo de cada um.

Como uma escola, por ali passaram, naquele tempo, cidadãos que na vida particular atingiram outro nível de vida ou profissão, como José Teles Reis, comerciante; Francisco Pedrosa da Silva, médico; Aldênio Nunes, bancário; José Lavínio, operário; e muitos outros que nos fogem da memória e mais alcebíades Costa, um dos pioneiros como locutor comercial.

Fauzer Bucar e Almir Reis foram dois desbravadores, porque naquela época tudo era difícil, principalmente no que tange à questão financeira, haja vista que a emissora, durante muito tempo, foi deficitária e aqueles diretores, cada um em seu tempo, é claro, tinham suporte econômico para superar tais dificuldades. os dois foram verdadeiros heróis, cada um em sua época e por isso eram respeitados.

A rádio teve o seu primeiro estúdio instaladfo no prédio Assad Kalume, 1º andar, localizado na rua são Pedro, esquina com a rua Fernando Marques, em frente ao antigo prédio da Prefeitura Municipal, mudandose depois de umlongo tempo, para o seu atual endereço, na rua Francisco Clementino ribeiro, no coração da cidade, em prédio próprio.

Certamente, que aqueles que "cuspiram os seus primeiros microfones" não foram só aqueles já citados, mas também, muitos outros, cujos nomes que a nossa memória se nega a nos revelar e que, uns mais e outros menos, também colaboraram com o desenvolvimento daemissora.

Com a mudança do Almir Reuis para o Recife, onde passou a residir, a Difusora passou a obedecer a direção do seu irmão, senhor José Antão do Vale Reis, quando, sem dúvida, atingiu um nível de crescimento excelente em todos os sentidos, tanto no aspecto comercial, funcional, tecnológico e social.

Ligada a ela, ainda encontram-se outras pessoas dedicadas, que ao longo de várias décadas, apresentaram programas populares do agrado do povo, dentre os quais se destacaram Emídio Nonato, José Roberto, Nilson Feitosa, Graça Costa e Silva, Fran Nunes, José Arnoldo, Parnaibano, João Pinto, Nilton Feitosa, Pedro Alcântara, Nazaré Silva e Jocy Astor, dentre outros.

A pessoa que escreveu essas mal traçadas linhas, não é historiador, nem escritor, mas se dispôs a fazer algo em que o florianense possa, de alguma forma, resgatar a memória da nossa cidade. Claro, que aqui não está tudo sobre o cinquentenária Rádio Difusora, mas alguns momentos da sua chegada ao noss meio, o seu crescimento, sem que nada desse pouco tenha sido anotado e é o resultado de suas lembranças que ia surgindo aos poucos ao sentar-se diante da máquina de escrever.

E se a velha emissora, chegou, apesar dos percalços, dificuldades, motivados, muitas vezes, por crises econômicas que constantemente assolavam em nosso áís, atingindo, consequentemente, os próprios instrumentos que gerava a nossa economia. No entanto, ela superou a tudo isso peça força daqueles que adirigiram, Fauzer, Almir e José Antão, cada um a seu modo, objetivando colocá-la num pedestal que ela fez por merecer. E é por isso que no mês de outubro passado, ela comemorou os seus cinquenta anos de existência com muita festa e alegria, manifestadas não só por aqueles que a viram nascer, mas também por outros que a conheceram depois e gostam deouvir quando os seus apresentadores bradam: RÁDIO DIFUSORA DE FLORIANO, UMA EMISSORA A SERVIÇO DO POVO, do qual os legítimos florianenses se orgulham.

Na década de sessenta e setenta, haviam programas de boa receptividade pelos ouvintes locais, como os programas A HORA DO BEM QUERER, UM PROGRAMA DE QUEM QUER BEM PARA QUEM QUER BEM, com a locução de Pedro Alcântara e LABIRINTO DA NOITE, com Defala Attem.

O seu primeiro transmissor foi instalado sobre uma pequena elevação, existente onde hoje está edificada a Prefeitura Municipal, com uma antena de madeira, junto a um quartinho com alvenaria e coberto com telhas, em cujo interior o responsável pela transmissão ( o transmissor ) e um motor próprio que fornecia a energia para o seu pleno funcionamento, hoje instalado e funcionando no bairro Sambaíba.

O seu primeiro representante na região São Paulo/Rio de Janeiro foi os senhores Pereira de Souza & Cia Ltda e que acredita-se continua sendo.

Fauzer, infelizmente, faleceu na década de sessenta; Almir mudou-se para Recife, é advogado, mas atingido pelo vírus da radiofonia, mantem uma emissora FM no município de Itamaracá, no Estado de Pernambuco e que ele afirmou ser uma de suas paixões. Como já foi dito, José Antão é o seu Diretor Geral, contando com a colaboração e supervisão do seu filho, Raimundo Paé Reis.

Repito: o que aqui foi escrito, é apenas um pouco, diante de sua infinita grandeza. Os erros constantes não devem ser levados em conta, porque não sou nenhum escritor ou historiador, comofoi dito no início. Esse trabalho é , comente, para se fazer um resgate da memória da nossa Princesa do Sul.

5/18/2012

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

FLORIANO - Dos Anos Quarenta aos Dias Atuais

Meios de Comunicação - Amplificadora Florianense

Por - Nelson Oliveira e Silva

Defala Attem
 Com a inauguração do Cine Natal, o primeiro da cidade, em 1937, pelo senhor Bento Leão, mais tarde se tornaria a firma Bento Leão & Cia que, além do cinema, passou a explorar outras atividades, como bar, jogos de sinucas, fábrica de gelo, com energia elétrica própria e, posteriormente, torrefação de café.

A referida firma, além do senhor Bento Leão, tinha outros sócios, salvo engano: Honorato Drumond, Raimundo ( Mundico Spares ) e, depois, Albino Leão, havendo entre eles um grau de parentesco. Com a instalação do cinema, lá pela década de quarenta, eles sentiram a necessidade de instalar um instrumento de divulgasse os filmes e os demais artigos do seu comércio e resolveram, por isso, inaugurar um serviço de altofalante, o qual teve como seu primeiro locutor um cidadão de nome Luciano, originado da cidade de Oeiras, por determinado tempo.

Foi dado à referida amplificadora o título distintivo de " Amplificadora Florianense ", a voz líder  e potente da cidade e possuía um altofalante voltado para a praça Coronel Borges e zona sudoeste da cidade.


Nessa altura dos acontecimentos, com a ida do locutor Luciano para Teresina, assumiu a chefia da mencionada amplificadora o nosso conhecido Defala Attem, de saudosa memória, florianense autêntico e que amava o seu torrão.

Com Defala à sua frente, a amplificadora cresceu, os anúncios apareceram, graças ao seu empenho junto aos comerciantes da época, que o apoiaram firmemente, e aí houve um bom desenvolvimento em toda a sua estrutura.

Os programas eram em número de três, das 08 às 09 da manhã; das 17 às 18 horas, com a apresentação da Ave Maria às 18 horas e, a seguir, a sequência com " MELODIAS QUE O TEMPO NÃO APAGOU ", na qual era apresentado em cada dia um cantor de renome nacional, como Orlando Silva, Carlos Galhardo, Francisco Alves, Gilberto Alves, entre outros.

Durante o tempo do mencionado programa, pessoas apreciadoras da boa música espalhavam-se ao longo da avenida Getúlio Vargas e na praça doutor Sebastião Martins e que se estendia até às 18:30, voltando após a primeira sessão, prosseguindo até às 20:30 horas, na segunda sessão do cinema.

Nos anos cinquenta, surgiram outros serviços de altofalantes, como os da Casa Bringel e o do Cine Itapoã e, muito tempo depois, o do Pedro de Alcântara, que tinha o seu estúdio instalado na rua Areolino de Abreu.

Esses serviços, porém, nunca tolhiram os passos da velha florianense que, somente por volta dos anos 56 / 57, conseguiram calar sua voz, com a chegada da Rádio Difusora de Floriano, alegando os " chefes " políticos da época, que não poderia haver a uma distância de 100 metros um outro estúdio, no caso da amplificadora, na deistância acima, que é exatamente aquela da avenida Getúlio Vargas até a rua São Pedro, onde se instalou a referida emissora.

Houve uma certa resistência por parte dos outros
" chefes " políticos, que foram sufocados pelos primeiros e aí a velha amplificadora se calou.

Posteriormente, já em outra atividade, vítima de um acidente automobilístico, nas proximinades da cidade de São João dos Patos, aí foi a vez da voz do velho Defala se calar.




5/17/2012

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

DOS ANOS QUARENTA AOS DIAS ATUAIS

Pedro Apóstolo - O Cidadão

Foto: Jair Feitosa
( Transcrito do Jornal de Floriano, edição nº 446 de 01 a 07 de setembro de 1985 )

Pesquisa: Nelson Oliveira e Silva

Dentre as famílias florianenses de origem humilde, destacamos nesta oportunidade, a família Silva, cujos antepassados eram lavradores do nosso município, mas que pela força de vontade, lutaram para que seus filhos, netos e bisnetos viessem alcançar uma projeção intelectual e social.

Para isso, foi necessário a visão de futuro, fazendo com que o capitão Pedro José da Silva e sua esposa, dona isaura maria de Sousa e Silva, se deslocassem da fazenda Brejo, com 16 filhos para Floriano, onde a prole poderia estudar e progredir.

Seus sacrifícios não foram em vão e, ainda hoje, refletem como exemplo nos jovens dessa família.

Pedro Apóstolo de Carvalho, um dos neto do casal comerciário ( 1 ) em nossa cidade, pobre, mas antes de tudo um batalhador, formou, ontem, na Universidade da Paraíba, Campus de Campina Grande, em Engenharia Química, a sua caçula Ondina ( na foto acima ).

O casal Pedro Carvalho e Socorro tiveram seis filhos: José, Antonio Augusto, Paulo, Carlos, Pedero Filho e Ondina, os quais, aproveitaram o sacrifício dos pais e estão, hoje, formados, contando para isso com a colaboração de Raimundinha Carvalho, professora de tradição da nossa cidade ( 2 ).

Este fato é importante ser ressaltado, como exemplo de força de vontade e trabalho de uma família pobre, mas com visão de futuro. Serve, também, para que possamos entender a personalidade de Pedro, que apesar de mostrar uma aparência contestadora, é um homem que sempre acreditou no futuro de nossa terra, lutando contra os fatos que julga prejudiciais à comunidade.

Parabéns, Pedro e Socorro, pois vocês conseguiram vencer e este exemplo vai servir para que outras famílias reflitam melhor sobre seus filhos. Parabéns, Maria isaura da Silva ( 3 ), João Clímaco da Silva ( 4 ), os dois representantes da primeira geração do casal Pedro e Isaura, que testemunharam o início da luta dessa família. Parabéns, Floriano, pois te firmas como o berço da cultura nesta região, geradora de filhos que precisam fazer com que tu voltes a ser a verdadeira Princesa do Sul.

NOTAS EXPLICATIVAS, que complementam o texto original.

( 1 ) Salvo engano, foi dedicado funcionário da firma Machado & Trindade, da Parnaiba, estabelecida onde hoje é a sede da Caixa Econômica Fedeeral e que era gerenciada pelo senhor Tiago Roque de Araújo, pai do doutor Nazareno Soares de Araújo. Posteriormente, trabalhou por muitos anos na firma Fazendas Reunidas Raimundo de Castero S/A, que tem como comandante o nosso prezado contenrrâneo, doutor Filadelfo Freire de Castro, sempre demonstrando zelo por tudo aquilo que fazia. Apesar de mostrar uma aparência contestadora, como diz o texto, não o era. Foi Presidente do Comércio Esporte Clube, além de ter desempenhado outros cargos, usava o bomsenso em tudo aquilo que se propunha a realizar. E foi no seu tempo, sem dúvida, que aquele clube começou a evoluir e hoje aí está com uma estrutura de dar inveja a muita gente boa;

( 2 ) Além da sua tradição como professora competente, dona Raimundinha fundou também em nossa cidade um escola que funcionou durante muitos anos na Travessa entre a praça coronel Borges e a avenida Bucar Neto, no fundo do prédio do Hotel Brasil, com o título distintivo de " Imaculada conceição ", de quem por certo era devota calorosa pela sua condição de católica autêntica participante das grandes festas do nosso Padroeiro São Pedro de Alcântara, além de outras. Dona Raimundinha era irmã do nosso Pedro - O Cidadão;

( 3 ) Uma das destacadas funcionárias dos Correios em nossa cidade por mais de 40 anos, que por sua educação tratava a todos com respeito e carinho, e por isso era respeitada, não somente no seu trabalho, mas em toda a nossa sociedade. Morou por muitos anos na casa onde está instalada hoje a Funerária Floriano do nosso amigo Dario na rua Fernando Marques com a João Dantas. Se a nossa memória não estiver falhando, ela teve uma irmã de nome Júlia e que eu via a minha mãe chamá-la de dona Julinha. Na casa da dona Mariq Isaura viveram também Antonio Luiz do Monte, hoje conceituado advogado em nossa cidade e o Bergamini de cujo paradeiro não se tem notícia;

( 4 ) Velho lobo do rio Parnaiba, como comandante de vários vapores das empresas de transporte fluvial do senhor João Luiz da Silva e Petronio Oliveira, instrumentos importantes no transporte de mercadorias para todo o sul do Piauí e Maranhão e tinha a nossa cidade comoum entreposto de toda a carga, que era transportada por enormes barcaças puxadas pelos referidos vapores ou lanchas, que percorriam o trajeoto de Parnaiba a Vitória do Alto Parnaiba e atualmente denominada de apenas Alto Parnaiba no estado do Maranhão. Diante disso, João Clímaco da Silva, casado com dona Noeme, pai do doutor Airton, médico, doutor Nilson Coelho, arquiteto, Alboner, bom centroavante que saiu daqui para morar no estado do Pará, ou mais precisamente, em Belém, além de algumas senhoritas ou senhoras de cujos nomes não há jeito de recordá-los. A família João Clímaco, salvo erro ou engano, foi toda constituída onde hoje ainda mora a mãe de todos, dona Noeme.

EM TEMPO:


O texto principal dessa mensagem foi escrita pelo doutor Airton, sobrinho do homenageado, residente em Teresina e foi transcrita da edição de nº 446, do Jornal de Floriano, do dia 01 a 07 de setembro de 1985 - era um semanário - ficando restante das notas explicativas por conta do senhor Nelson Oliveira e Silva.





FEIRA AGROPECUÁRIA

Os preparativos para mais uma Feira Agropecuária de Floriano estão em andamento e de forma acelerada, foi o que revelou o presidente da Associação dos Criadores do Médio Parnaíba (ACRIMEP), Honorato Sérgio.

De acordo com Honorato Drumond a Prefeitura Municipal local que tem o comando do prefeito Joel Rodrigues (PTB), disponibilizou nesses últimos homens e equipamentos para atividades diárias de limpeza do Parque.

“Estamos numa fase final de limpeza e nessa quinta-feira devemos estar com o Parque totalmente pronto no que tange a limpeza, iluminação e organização em geral para início das ações da Feira Agropecuária”, citou Honorato afirmando um encontro com os parceiros já se realizou com o foco de discussões direcionado ao evento.
 A abertura oficial da feira será no domingo, 20, em horário a ser confirmado. As estratégias de segurança foram discutidas numa reunião nessa quarta-feira, 16, com presenças de representantes de vários órgãos de segurança, entre os quais, as policiais Civil, Militar, Rodoviária Federal, Sutran, Corpo de Bombeiros e outras entidades que estão diretamente ligadas  com as atividades de evento dessa natureza.

Fonte: Piauínoticias.com

5/14/2012

Previdência Complementar do Servidor Público

A Lei 12.618 que cria a Previdência Complementar do Servidor Público (Funpresp) dá prazo de 180 dias para que o Executivo, o Legislativo e o Judiciário comecem a operar de acordo com o novo sistema, que funcionará separadamente para cada Poder a partir da data de publicação no Diário Oficial da União. O ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves, disse no dia 2 de maio, que o governo federal “espera não gastar todo esse tempo”.

“Os Três Poderes estão sintonizados em relação à necessidade de implantação da Funpresp, mas cada um tem suas peculiaridades”, explicou o ministro. De acordo com Garibaldi, é natural que a entrada em funcionamento dos três fundos se dê em momentos diferentes. No caso do Executivo, o ministro acredita que as propostas de aprovação do estatuto, da adesão de patrocinadores e do regulamento de plano de benefícios devem ter manifestação favorável dos ministérios da área econômica.

Segundo ele, com a implantação da Funpresp, todos os novos servidores já serão admitidos ao regime de previdência. Os antigos funcionários terão prazo de 24 meses para optar pelo novo sistema de assistência.
Sobre as manifestações populares e no Legislativo pelo fim do fator previdenciário, que estipula idades mínimas para as aposentadorias do homem e da mulher, Garibaldi afirmou que o governo não é manifestamente contrário às mudanças. “Não podemos, porém, deixar de avaliar o equilíbrio previdenciário nas alternativas que nos apresentem em busca de uma solução harmônica”.

Fonte: Agência Brasil - Carolina Sarres

5/11/2012

HOMENAGEM ÀS MÃES


Minha Mãe em 1957

Ela tem a capacidade de ouvir o silêncio.
Adivinhar sentimentos.
Encontrar a palavra certa nos momentos incertos.
Nos fortalecer quando tudo ao nosso redor parece ruir.
Sabedoria emprestada dos deuses para nos proteger e amparar.

Sua existência é em si um ato de amor.
Gerar, cuidar, nutrir.
Amar, amar, amar...


Amar com um amor incondicional que nada espera em troca.
Afeto desmedido e incontido, Mãe é um ser infinito.

( Trecho do livro Minha mãe, meu mundo / Anderson Cavalcante )

5/10/2012

RETRATOS

Segundo o nosso historiador esportivo, o jornalista Severino Filho, o Buim, em 29 de agosto de 1965 o Vasco da Gama jogava pela primeira vez em Teresina.

No Lindolfo Monteiro, antes da bola rolar, a confraternização foi a ponto dos dois times posarem juntos para a fotografia.

Após o apito inicial, acabou a cortesia e o time carioca não deu chances para o vice-campeão piauiense, aplicando-lhe implacável revés de 4 a 0.

Naquela oportunidade, o florianense Vilmar foi também destaque, jogando um futebol pra frente, valorizando a partida, mas o Vasco, com todo aquele elenco, dominou a partida. Vilmar é o sétimo em pé da esquerda para a direita.

Na foto, River e Vasco da Gama no gramado do Lindolfo Monteiro: Petrúcio (River), Maranhão (Vasco), Genário (River), Gainete (Vasco), Zé Artur (River), Zezinho (Vasco), Vilmar (River), Brito (Vasco), Loloca (River) e Ary (Vasco), em pé; Luizinho (Vasco), Gereba (River), Benê (Vasco), Waldeck (River), Oldair (Vasco), Amadeu (River), Mário (Vasco), Sóstenes (River), Ananias (Vasco), Tassu (River), Boni (Vasco) e Quinha (River), agachados

Fonte: Baú do Buim

5/09/2012

RETRATOS

Estivemos, recentemente, em nossa velha terra querida e, como sempre, fazemos uma varredura, uma visita aos arredores do centro da cidade.

Constatamos, in loco, que os velhos casarões centrais, estão na imensidão de tornarem-se prédios modernos, tipo caixa de sapato, como foi o caso daqueles dois das agências do Bradesco e Caixa Econômica.

No momento verificamos que o velho casarão comercial do doutor Filadelfo ( in memorian ), também encontra-se em reforma, mas ainda preservando suas característas na esquina da rua.

Precisamos, urgentemente, buscarmos parcerias, no sentido de evitarmos a transformação do aspecto central de Floriano, se não logo, logo estaremos sem mais a imponência dos casarões, as apraças e os arvoredos que nos deram grandes alegrias no passado.

5/08/2012

O Cori-Sabbá de 95, para o futebol de botão

"Caro Severino Filho.  Sou colecionador de times de botões e pretendo fazer um time do Cori-Sabbá (mais um ), só que este com a foto do rosto dos jogadores que foram campeões piauiense de 1995.

Tenho um poster, mas, além da qualidade da foto não está muito boa, falta o Vanin no elenco. Então gostaria de saber se você pode me ajudar. É que no seu livro "Piauí 100 Anos de Futebol" tem uma foto ideal para meu objetivo (p.198).

Se você ainda tiver esta foto colorida ou uma outra do Cori-Sabbá de 95, por favor, "escanei" e mande para o meu e-mail. ou se preferir posso pegar pessoalmente com você.  Ficarei muito grato se vc me ajudar.  Aproveito para convidá-lo para vir na minha casa jogar umas partidas deste esporte maravilhoso que é o FUTMESA". (Duílio Santana - Teresina).

Prezado Duílio. Aqui está o Cori-Sabbá que você pediu. É uma das formações utilizadas no Campeonato Piauiense de 1995, quando o time da Princesa do Sul sagrou-se campeão estadual. Bons tempos aqueles! Deve dar muita saudade no torcedor de Floriano. Quanto ao convite para jogar uma partida de futebol de mesa (ou de botão), vou achar um tempinho. Em tempo: a demora em atende-lo foi achar a foto que você pediu em meio a mais de 5000 do meu acervo.

Fonte: baú do buim

5/07/2012

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

DOS ANOS QUARENTA AOS DIAS ATUAIS
( No Mundo da Educação e Cultura )

CESVALE REALIZA 1º VESTIBULAR

Por Nelson Oliveira

A Faculdade Centro de Ensino Superior Vale do Parnaiba - CESVALE - realizou nos primeiros dias do mês de agosto de 1985, em Teresina, o primeiro vestibular de Ciências Contábeis, com mais de mil candidatos inscritos e que se constituiu em verdadeiro sucesso.

Dois jovens florianenses estudantes do Colégio Industrial São Francisco de Assis, dele participaram, logrando aprovação: Cláudia e Abdala Zarur, tornando-se, por isso, pioneiros daquele estabelecimento de ensino superior que surgiu no cenário do ensino piauiense, graças aos esforços e bravura do cidadão florianense Francisco Gabriel Batista, que unido a outros cidadãos da Capital do Estado, viu coroada de sucesso a sua grande luta. A CESVALE já atingiu a maioridade e, hoje, é uma das principais faculdades da Capital do Estado.

RETRATOS


Esse time aí ( foto à direita ) do Ferroviário foi o grande destaque de nosso futebol nos anos cinqüenta, formação esta que projetava o nosso futebol romântico.

Comandado pelo goleiro Nelson Oliveira, nessa época as coisas eram feitas na base de decisões firmes e a arte do futebol era apreciada ao vivo e a cores do começo ao fim.
Outra boa formação, também, no auge dos anos sessenta, no comando de Clovis Ramos, destacou-se, disputando o campeonato piauiense daquele período.Pompéia, Pepedro, Valdivino,Lino, Cabeção, Tassu, Bitonho, Rômulo, Pequi, Valdemir contribuiram, decisivamente, para o engrandecimento de nosso futebol

Lamentavelmente, hoje estamos atravessando um período difícil, sem comando, as somente dependendo de fatos isolados, onde alguns dirigentes conseguem, a muito custo, promover o futebol local em torneios piauienses.

Vereadores falam sobre problemas de Floriano em Sessão Ordinária

Por Jaquelina Nascimento 
A Sessão Ordinária na Câmara Municipal de Floriano, em seu segundo dia, foi marcada por vários temas essenciais à sociedade de Floriano, a exemplo da seca, trânsito, educação, localidades circunvizinhas e Audiência Pública.
Estiveram presentes os seguintes vereadores: Salomão Holanda (PRB), Miguel Vieira (PTB), Carlos Antônio (PRTB), Ana Cleide (DEM), Antônio Reis (PSDC) e Lauro César (PDT).
A Sessão Ordinária desta sexta (04.05) foi antecipada, ou seja, houve duas em uma. Hoje a noite vai haver Sessão Ordinária às 20 horas na Câmara Municipal de Floriano. 
Grande Expediente: 
O vereador Carlos Antônio (PRTB) em uso da tribuna relembrou seu tempo em que era vice-presidente e disse que várias vezes ter assumido os trabalhos como presidente da Casa.
“O Poder legislativo é muito importante para a cidade de Floriano porque nós vereadores somos os legítimos representantes do povo de Floriano”, afirma Carlos Antônio.
Precisa-se construir uma agenda política, segundo o vereador Antônio Reis (PSDC), e administrativa para Floriano. “ Precisamos da colaboração com o poder executivo para juntos possamos crescer com mais eficiência”, diz.
O vereador Miguel Vieira (PTB) em uso da tribuna enfatizou sobre o trânsito do município e afirmou ser verdade que a frota em Floriano triplicou nos últimos 10 anos. “É preciso ter cuidado com o trânsito. Eu já me surpreendi dando pinote nos quebra-molas por não ter visto, mas uma placa que está misturada com muitas outras não se vê”, fala.
O vereador Salomão Holanda (PRB) relatou que esteve em várias  localidades rurais durante o dia.”A preocupação na comunidade Uica era um poço e só tem um cavado. Nós vereadores vamos fiscalizar, estamos fiscalizando”, conclui.
O mercado central está entregue às baratas, de acordo com a vereadora Ana Cleide (DEM), aos ratos. “O mercado central está desprezado. Eu quero o melhor para nossa cidade”, afirma.
O vereador Lauro César (PDT) em uso das explicações pessoais lembrou á população de Floriano sobre a campanha que acontecerá no sábado (05.05) da vacinação contra Influenza.

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

Dos Anos Quarenta aos Dias Atuais
( No Mundo da Educação e da Cultura )

Escolinha Tia Rubenita

Por Nelson Oliveira

A Escola TIA RUBENITA, fundada em 1983, entrou em atividade no dia 1º de agosto daquele ano.

Transcorridos quase trinta anos, a referida escolha continua sendo o mundo encantado da criança, a que presta relevantes serviços à comunidade florianense.

Foto: Walter Mota

5/06/2012

ESCOLINHA DO LUCIMAR


Num trabalho voluntário, um grupo de profissionais florianenses das mais variadas áreas, com apoio de empreendedores locais, vem ajudando com ações de lazer e orientação esportiva na modalidade de futebol, com cerca de 70 garotos na faixa etária entre os 7 e 17 anos, todos de famílias carentes. 

O projeto Chamado de Escolinha do Lucimar visa ensinar os menores como jogar um bom futebol, mas sem perder o foco nos estudos.

Antes de o menor entrar para a escolinha é feito um trabalho de pesquisa sobre o comportamento do aluno na escola e caso ele não esteja bem, esse recebe orientações de como proceder com estudos e caso não se adéque às normas, o mesmo é afastado do projeto.

“O nosso objetivo é trabalhar esses garotos na prática do futebol, mas visamos também que eles tenham interesse pelos estudos, pois entendemos que continua sendo o caminho para o sucesso em todos os sentidos”, disse Lucimar quando esteve nessa manhã no piauinoticias.com.

Fazem parte do projeto social apoiando de forma voluntária: Antonio José (advogado),  Teodoro Eufrásio (preparador físico), Vicente Cardoso – Cangati (árbitro) e empreendedora Leila que está na função de coordenadora. Os empreendedores Raimundo Machado (Armazém Paraíba) e o Erivan Holanda (Óticas Floriano) apóiam a iniciativa.

Fonte: piauinoticias.com

5/03/2012

RETRATOS

Fotografia extraída, ali, na altura da esquina da praça doutor Sebastião Martins no cruzamento da rua Defata Attem, numa manhã de sábado ensolarado de abril.

Lembramos dos velhos carnavais, dos blocos que por aí passavam, concentrando-se, à esquerda, nos antigos bares Carnaúba e São Pedro, com o acesso ao sobradão da velha Sertão à direita.

Foliões como o Dim, Bucar, Teodoro, Caravelha, Demerval Neiva, Antonio Sobrinho, animavam a folia, num arrastão de vários blocos, que vinham encerrar a folia, o povão pulando ao ronco da cuíca. Era uma loucura.

Por fim, inspirados, registramos isso para nos acalmar a saudade, que bate no peito forte, mas espontaneamente.

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

UMA CIDADE SEM MEMÓRIA É UM POVO SEM HISTÓRIA
( dos Anos Quarenta aos Dias Atuais )

As Instituições Sociais


Transcrito do Jornal de Floriano
 Pesquisa: Nelson Oliveira
Janeiro de 2008

A ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO DA SAMBAIBA VELHA ATINGIU A MAIORIDADE

Moradores do Bairro Sambaíba, liderados por Luiz Carlos Pereira ( Luiz Carlos do Osman ), José Maria de Araújo ( Zé Pequeno ), Gilmar da Costa e Silva e outros, reunidos em Assembléia Geral, no início de junho de 1985, aprovaram o Estatuto da Associação por eles denominada de Associação de Moradores do Bairro Sambaíba.

Antes, a entidade já se reuniu, aos domingos, no Grupo Escolar Djalma Nunes, propondo, principalmente, a dar um apoio sócio-econômico-cultural aos moradores daquele populoso bairro.

Naquelas reuniões domingueiras eram tratados os assuntos de interesse do bairro, sempre assistidas por  convidados especiais daquela comunidade, ligadas, geralmente, aos temas em debate.

A Associação tinha por objetivo criar núcleos de artesnato e horta comunitária, esta com o apoio da Universidade do Piauí.

Além disso, paletras foprmam proferidas por convidados da Associação, abordando temas de interesse do povo, principalmente, na área de saúde, dentre as quais se destacou a palestra do doutor Antonio Henrique Drumond, que versou sobre a prevenção do câncer.

Outros palaestrantes se fizeram presentes, abordando sobre temas outros de interesse, não só dos associados que prestigiaram os eventos, o povo em geral e de outros bairros.

Que a Associação, no momento em que atinge a sua maturidade, ainda esteja cumprindo as finalidades para as quais foi criada.

5/02/2012

PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

Um Povo sem Momória é um Povo sem História
( Dos Anos Quarenta aos Dias Atuais )

POLÍTICA - Eleições Municipais 1996

Por: Nelson Oliveira

Nas eleições municipais de outubro de 1996, quatro candidatos concorrentes ao pleito, que depois de apurados, apontou o seguinte resultado:

José Leão Azevedo de Carvalho ( o eleito ), obteve 9.918 votos;
Francisco Almeida ( o Tatá ), obteve 5.326 votos;
Calisto Lobo Matos, obteve 4.276 votos;
Pedro Gonzaga Fabris, obteve 2.390 votos.

O Vice-Prefeito da chapa vencedora, foi o professor NELSON SOARES DA SILVA JÚNIOR, cuja chapa elegeu, também, a maioria para a Câmara de Vereadores, à época.

O mandato conquistado naquela eleição, que se estendeu de 1997 a 2000, era o segundo do ex - prefeito José Leão Azevedo de Carvalho.