1/13/2012

Sem tradição na alternância do poder

O final da gestão do prefeito Joel Rodrigues (PTB), em 2012, completa um clico de 38 anos de vida administrativa em que o município de Floriano teve apenas quatro prefeitos: Manoel Simplício (3 mandatos, mas acréscimo de 2 anos), Adelmar Pereira ( 1 mandato, mas acréscimo de 2 anos), José Leão (3 mandatos) e Joel Rodrigues ( 2 mandatos).  O que mostra apenas uma sutil mudança no controle administrativo do município.

Nessa trajetória, o ex-prefeito Manoel Simplício conseguiu deixar, em duas sucessões, um correligionário no poder e nas disputas seguintes vencê-los como opositores, num processo de retomada do poder político. A criatura que traiu o criador e foi devorada no primeiro confronto. Assim, observamos que o município de Floriano não possui, como outros locais do Brasil, tradição na alternância do poder. Neste contexto, muitos traços do passado continuam na alquimia política atual.
Constatamos então que os prefeitos deste ciclo, todos, tiveram ligação com uma mesma matriz de pensamento e comportamento. Uma forma conservadora e corporativista de fazer política, que remonta ao tempo do Brasil Colônia, quando o rei podia tudo ou quase tudo na condução da vida dos seus súditos.  O prefeito Joel Rodrigues é cria política do ex-prefeito, Manoel Simplício, quando coordenou o PTB, em Floriano.
Comum nos processos eleitorais, todos conseguiram seus mandatos, a vitória dos sucessores e reeleições ao molho de muito custo financeiro. Nessa jogada entrava a compra direta e indireta de votos, com o aliciamento de lideranças comunitárias. Muito desta prática ainda existe, relutando com a democracia que, graças às suas instituições, como a Justiça Eleitoral, resiste.
A perpetuação no poder municipal de correntes conservadoras gera atrasos irreparáveis para a população. Sempre serão importantes momentos de rupturas e rebeldias. A re-oxigenação da política com idéias inovadoras é uma alternativa que poderá ser usada na próxima campanha.
Os mandatos consecutivos, seja através de reeleição ou continuísmos de coligações, são berços do clientelismo, nepotismo e enriquecimentos ilícitos, através de práticas políticas autoritárias e centralistas. A grande vantagem do sistema democrático é a alternância de poder. A perpetuidade do poder pressupõe a idéia de pequena participação da população na decisão do destino coletivo.

Por Jalinson Rodrigues

Nenhum comentário: