11/15/2011

Atriz florianense vive drama real em novela da Rede Globo

Deborah Kalume, coadjuvante da trama A Vida da Gente, Rede Globo,é mulher do cineasta Fábio Barreto, que sofreu traumatismo craniano ao capotar o carro no dia 19 de dezembro de 2009.
Natural de Floriano, no interior do Piauí, Deborah — que ainda carrega um leve sotaque de sua região — saiu cedo da casa dos pais para morar com os avós maternos no Rio, aos 16 anos. Cursou Informática na PUC-Rio e começou a estagiar na área aos 19. Em 2003, depois de passar uma temporada de seis meses em Genebra, na Suíça, para estudar francês, decidiu que iria se matricular num curso de interpretação para cinema. As aulas eram ministradas por Fábio. A atriz assistira a “O quatrilho”, mas não ligou imediatamente o nome do diretor ao professor.
Deborah alimenta a esperança de ver o marido recuperado. O diretor de “Lula, o filho do Brasil” não chegou a participar do lançamento do filme, em 2010. Permanece inconsciente até hoje. Depois de passar três meses no hospital — foram 23 dias em coma induzido —, foi transferido para o endereço do casal, em Botafogo.
Fábio tem a assistência de enfermeiros 24 horas. A mulher não sai de perto. Conversa com ele, assiste a filmes a seu lado, alimenta um mural com fotos de momentos felizes da família na parede do quarto em que ele está instalado. E faz questão de que o filho, João, de 5 anos, interaja com o pai.
“Evito ser dramática, já é tudo muito triste na minha casa. Mas a vida que tenho hoje é essa, e achei que poderia contribuir com essa personagem”, afirma atriz, na novela, uma personagem também está em coma.
Hoje, a atriz de 34 anos lida com o tempo de outra forma. Graças à psicanálise, está menos ansiosa e já não sai da cama todos os dias pensando que o marido vai despertar a qualquer momento. A sensação que tem, explica, é a de que a vida se divide em antes e depois do acidente.
Este ano, decidiu retomar a carreira na TV, iniciada em “Malhação” em 2008. Em abril, gravou um teste de vídeo na TV Globo, atuando numa cena cômica. Meses depois, foi enfim recrutada por um dos produtores de elenco da novela. A volta ao trabalho no papel de uma enfermeira que cuida de uma paciente em coma foi por acaso.
No ar em sua terceira novela, Deborah reconhece que ainda tem muito a aprender. Mas, claro, não sabe os planos que o destino lhe reserva: “só terminei o curso na CAL este ano. Era o único momento em que eu saía de casa, por quatro horas, e isso me ajudou a segurar a barra”, diz.
Fonte : O Globo

Nenhum comentário: