5/30/2011

FLORIANENSE É DESTAQUE NO HIMALAIA



Bandeira tricolor tremula na Cordilheira do Himalaia
Foto

A paixão pelo Fortaleza supera distancias, altitudes e temperaturas. Mas alguém já imaginou uma bandeira tricolor tremulando a 5.600 metros de altitude, a 10 graus negativos. Pois foi o que conseguiu o funcionário do Banco Central do Brasil, agencia Fortaleza, Joaquim Brasileiro Neto, que escalou o lado nepalês do Everest, num trekking que durou 14 dias. No Monte Kalapatar, estendeu com orgulho a bandeira do Leão, demonstrando todo o seu amor pelo time do seu coração.

Piauiense de nascimento, mas radicado em Fortaleza há mais de trinta anos, Joaquim é um amante dos esportes radicais, mais especificamente da arte de escalar montanhas. A realização de seus sonhos, dos quais não desistiu mesmo após um acidente de moto que lhe deixou seqüelas no seu joelho direito, isso aos 25 anos de idade, teve início em um trekking realizado no Peru, quando foi de Cuzco a Mathu Pichu.

Nessa aventura no Peru, conheceu um mochileiro que lhe deu ótimas referencias da Cordilheira do Himalaia. Segundo ele a idéia inicial era escalar por lá, mas teve seu sonho adiado por conta do acidente já mencionado. Recuperado e movido pela determinação própria de todo torcedor tricolor, que é o sempre buscar seus objetivos sem nunca desistir, Joaquim escalou o Himalaia e lá deixou a marca da paixão pelo Leão, quando hasteou a bandeira e vestiu o manto sagrado, para nepalês ver. “Desejava levar um símbolo do meu time a um local inusitado e não perdi a oportunidade. No fundo, gostaria que os jogadores tricolores observassem que os torcedores também suam as camisas do time, mesmo que seja abaixo de zero grau”, afirmou o torcedor.

O passeio gelado de Joaquim Brasileiro teve início em Lukca (Nepal). Após dez dias de subida chegaram ao que eles chamam de Acampamento Base do Everest, que fica no lado nepalês da Cordilheira do Himalaia. Antes já haviam escalado o Monte Kalapatar, caminhando durante sete dias, entre subidas e descidas, com temperaturas variando de oito graus positivos a 10 negativos, alcançando 5.600m de altitude.

Indagado sobre a receptividade do povo local, Brasileiro se mostrou admirado: “Fiquei espantado com a receptividade dos nepaleses, em especial no que se refere ao futebol. Andava com um chaveiro com a bandeira do Brasil pendurado na mochila, e era abordado nas ruas todos os dias. Eram crianças e adolescentes perguntando acerca de Ronaldinho (fenômeno) e outros jogadores da seleção. Incrível como eles identificam nossa bandeira de longe, tudo por causa do futebol”, contou Joaquim.

Joaquim Brasileiro Neto é casado, pais de dois tricolores, Rafael e Marcelo, e pretende levar a bandeira do Fortaleza a outros lugares do mundo. Sobre o momento que a equipe atravessa, reformulando o elenco para buscar o acesso, Neto dispara: “Se eu consegui subir a 5.600m, por que não nosso time subir à Série B, que não é tão alto?” Avaliou o piauiense de Floriano, apaixonado pelo Leão do Pici.

5/27/2011

MISS FLORIANO - 2011

A estudante de enfermagem está confiante mas reconhece fortes concorrentes



Isadora - Miss Floriano

Com 1,80 metro, a estudante de Enfermagem, Isadora Nunes Ribeiro, 21 anos, é a representante de Floriano no Miss Piauí 2011. A estudante disse estar confiante, apesar de afirmar que há fortes concorrentes.
É a primeira vez que Isadora Ribeiro participa de um concurso de beleza, mas já participou de desfiles. A candidata da Princesa do Sul revelou que já havia sido convidada outras vezes, mas só agora se sentiu preparada para a disputa. 

“Sempre fui convidada, mas só decidi participar agora, pois era um sonho e estou preparada. Além de dieta e academia, também trabalhei meu psicológico, pois é uma exposição muito grande, com entrevistas e para saber receber o carinho das pessoas. E também tem que pensar no futuro também com a faixa na mão”, destacou Isadora. 

A universitária disse que já entrou na maratona de Miss Piauí, com visitas a patrocinadores e à cidade natal. “Nasci lá e morei muitos anos, até vir para Teresina para cursar faculdade”, justifica.
“Eu acompanho muitos anos o Miss Piauí e neste ano, como em outros, as candidatas são muito fortes, mas claro que eu também sou e quero ganhar”, finalizou.

Fonte: Cidadeverde.com
www.noticiasdefloriano.com.br

5/22/2011

TRAVESSIAS



Flagrante dos tempos das canoas à vela, quando ainda se disputava as Regatas de Julho. Época romântica, que os anos não trazem mais.

Hoje, as disputas estão mais acirradas, modernas e o Cais do Porto, atualmente, com seus novos sons de tirar o sono: axé, forró eletrônico e a multidão buscando espaço para brincar o novo carnaval.

Aquelas travessias nossas eram livres, poéticas e românticas. Atravessava-se a nado até a praia do Barão numa boa, onde mostrávamos toda a nossa foba. Foram tempos bons, líricos mas que agora teremos que enfrentar e buscar uma nova realidade e com um final feliz ( ? )!

5/20/2011

TIME DO PRINCESA DO SUL PERDE MAIS UMA

Time florianense mostrou pouca resistência e perdeu novamente.

O Princesa do Sul, que representa Floriano no Campeonato Piauiense de Futebol de 2011, voltou a perder e a decepcionar os torcedores florianenses na noite desta quarta-feira (18/05).

O River venceu o jogo pelo placar de 3 a 0, sendo que todos os gols foram marcados no primeiro tempo. Neném marcou dois e Álisson fez o outro. A partida mais pareceu um treino do time tricolor que só não humilhou o Princesa do Sul porque desacelerou o ritmo no segundo tempo.

Totalmente desmotivado diante da crise financeira por que passa, o Princesa do Sul ofereceu pouquíssima resistência ao time riverino. Com a derrota, o Princesa segue como lanterna da competição, tendo conquistado apenas 1 ponto em todo o campeonato. Foram 6 derrotas e 1 empate.

Ao vencer o Princesa do Sul o time do River assumiu a vice-liderança da Fase Classificatória da Taça Estado do Piauí e agora vai esperar o desfecho dos jogos envolvendo Comercial e Parnahyba, no final de semana, para definição do seu adversário nas semifinais do 1° turno e se levará alguma vantagem para o segundo jogo.

Fonte: www.noticiasdefloriano.com.br

5/15/2011

NOTA DE PESAR

MORRE A PROFESSORA ALBERICA REIS


Durante muitos anos ela exerceu atividade sindical e foi diretora de escolas


Faleceu na tarde deste sábado (14/05), em Floriano, a Professora Alberica Reis. Ela tinha sofrido um AVC e estava internada no Hospital Regional Tiberio Nunes.

A professora Alberica Reis, que morava na Rua Fernando Marques, no Bairro Caixa Dágua, estava aposentada mas há alguns anos ela foi lider do Sindicato dos Professores e Diretora de Escolas em Floriano.

Fonte: www.noticiasdefloriano.com.br

5/11/2011

HISTÓRIAS DE NOSSO FUTEBOL

O JOGO MAIS IMPORTANTE DE ZECA ZINIDÔ

Dentro do contexto lírico de nosso futebol, Zeca Zinidor ( que certa vez fora comprado por uma carteira de cigarro da marca minister pelo Flamengo de Tiberinho ), narra com precisão e muita saudade um de seus jogos mais importantes dos quais participou, quando jogava pelo Botafogo de Gusto, na trajetória dos torneios amadores da Princesa.

”Dois detalhes: o primeiro, o Fluminense jogava pelo empate e começou ganhando de 1 a 0; e o segundo, é que eu estava com um problema no pé direito e não podia jogar, fiquei em casa, não ia agüentar ver o jogo do lado de fora, num jogo de decisão, jogo duro e logo no primeiro tempo, o Fluminense ganhando; foi aí que João Batista Araújo de Vicente Roque, torcedor fanático de nosso time, tomara a iniciativa de ir lá em casa me pegar, mesmo doente.

Cheguei no campo, ajeitaram meu pé, colocaram mastruz com um pano enrolado e disseram: “ Zeca, fica dentro de campo, se der certo, tudo bem, mas só a sua presença já amedronta “.

Dito e feito, rapaz, como eu adorava jogar, consegui incendiar o jogo, mudei completamente o panorama da partida, um espetáculo, fico até arrepiado em lembrar, o sangue foi esquentando, o pé já não doía tanto; cara, com pouco mais de 15 minutos, consegui empatar, de pé esquerdo, a torcida endiabrada ( no Campo dos Artistas dava mais público do que hoje no Tiberão ).

Taboqueiro fez um lançamento de trivela, rasante, ( quando eu me lembro, dá vontade de sair correndo ), bicho, eu dominei o pneu ( bola ) e eu tinha um sesto de ficar sassaricando com a bola, dava um currupio, era um espetáculo à parte, o zagueiro ficava doido e a torcida mais ainda, é como se estivesse ouvindo o grito da galera.

E essa bagaceira toda foi aos 30 minutos do segundo tempo, passei pelo zagueiro, e na entrada da grande área a bola foi pro pé direito, nem lembrei do pé machucado, embrulhei, paáááááááááááááááááááááááááá´, golaço, aiaiaiai, golaço, aiaiai!, loucura, eu pulava e a torcida pensando que era só de alegria, também, mas era mais dor, rapaz, conseguimos virar o jogo, só escutava a zuada e a voz do Batista de Vicente Roque, pense numa zoeira, quando o jogo terminou, foi uma loucura, ganhei muitos presentes!

Até hoje Batista foba com esse gol. Interessante: no Campo dos Artistas, cada jogador tinha uma espécie de fã clube, 30 a 40 torcedores, chegavam ao ponto de, por exemplo, se o torcedor do Botafogo do Gusto fosse pro campo e chegando por lá não visse o jogador que ele admirava e não fosse jogar, ele automaticamente ia embora!

5/08/2011

A TODAS AS MAMÃES DE FLORIANO

Padecer no paraíso

"Ser mãe é sentir o universo todo em forma de um filho, é ter a maior de todas as forças quando assim for necessário ou como diria o poeta é ser feliz e padecer no paraíso, ser mãe é um dom, é a manifestação do verdadeiro amor encarnado numa mulher." ( Luis Alves ).

" PARABÉNS PARA TODAS AS MAMÃES DE FLORIANO, PIAUÍ, BRASIL, TERRA E, ES ESPECIAL, À DA FOTO, MINHA MÃE, MARIA DE LOURDES BATISTA DE MELO, PROFESSORA APOSENTADA DO MUNICÍPIO, QUE ESTE ANO COMPLETARÁ SEUS OITENTA ANOS DE IDADE, MAS QUE CARREGOU NA BARRIGAS ESSES MENINOS QUE ESTÃO À SUA VOLTA... AH, QUE SAUDADES DOS VELHOS TEMPOS DE OUTRORA... "

5/07/2011

Fragilização do Poder Político de Floriano

 

No município de Floriano, paróquia de São Pedro de Alcântara, todas as esferas do governo estão em débitos com as necessidades da população. A cidade possui, hoje, uma lista de demandas acumuladas.  Uma situação que atinge diretamente a qualidade de vida da população, que necessita de infra-estrutura para viabilizar suas atividades. O desenvolvimento, que traz a democratização das riquezas, também demora. O sofrimento das classes menos favorecidas e a dominação se perpetuam.
Por exemplo, o município de Floriano está entre os que não possuem rede de esgoto e não tratam o lixo. Uma questão que remete para a responsabilidade do Ministério do Meio Ambiente e das Cidades visto o município ficar localizada a margem do maior curso de água natural, genuinamente nordestino, o Rio Parnaíba.  Esta área deveria ser de fiscalização permanente. E o que acontece? A cidade está diariamente poluindo muita água, fundamental em vários projetos de desenvolvimento sustentável. Nesta discussão, tanto o governo do estado quanto a prefeitura nada fazem. Nestas plagas só chegam os manjados programas assistencialistas e quando desembarcam estão desgastados pela força dos preconceitos regionais.
Em todas as épocas, o desenvolvimento de obras estatais nas diversas regiões e localidades do país, do estado e das cidades é determinado pela força política. Este critério é excludente, mas no Brasil sempre funcionou assim. Se o Nordeste, se o Piauí, se Floriano passam por dificuldades insolúveis a explicação reside no poder político fragilizado.
Vamos refletir a nossa realidade mais objetiva. Nenhuma emenda parlamentar na Câmara Federal prever para Floriano a construção de um centro cultural, formado por uma biblioteca com 50 mil títulos, auditório, capela ecumênica, sala de dança e teatro. Isso é muito burocrático.  No final recebemos pedras, em forma de calçamento. - Serve? – Sim.
Na relação com o Governo do Estado temos exposto um quadro de total falta de prestígio. Há mais de dez anos tentamos possuir uma rodoviária para ônibus interestaduais e regionais. A reforma do aeroporto se arrasta lenta. O atraso na conclusão do Conjunto Gabriel Kalume, no bairro Taboca, que foi prometida pelo governador, é uma perturbação social. Podemos citar neste baú de morosidades os encontros culturais anunciados, que não passaram dos lançamentos, regados a refrigerantes e frituras saturadas.
Na gestão municipal temos as malfadadas obras prometidas, paralisadas e embargadas. Para ilustrar, uma interrogação perene: e o matadouro público? Também assistimos ao desempenho de subserviência da Câmara dos Vereadores que nada fiscaliza. Nem a democracia! No mês passado a Justiça suspendeu o link de dois portais de informações e proibiu, juntamente com a PM, a realização de uma manifestação popular e nenhum parlamentar se manifestou. Omissão geral. Boca no saco.
A cena política atual é marcada por clientelismo (empreguismo), nepotismo (nomeação de familiares) e cooptação (neutralização) de representantes das entidades sociais. Comportamentos como estes corrompe a moral do político.
Tudo isso traduz que escolher uma boa representação política é o investimento primordial para o desenvolvimento com igualdade. O município de Floriano carece de uma geração de políticos engajados com a superação das necessidades coletivas.
Publicado em 14.07.2009 no Portal Noticias de Floriano

5/01/2011

GINASIO PRIMEIRO DE MAIO

Homenagem ao “GINÁSIO PRIMEIRO DE MAIO” em 1° de maio de 2011 pelo seu 54° ano de existência e serviço prestado à sociedade Florianense.


“A difundir um refulgente raio
Da luz bendita que se chama instrução
Nosso ginásio Primeiro de maio
Cumpre sereno a sagrada missão...”

Ginásio Primeiro de maio, você faz jus ao seu hino bem elaborado pelo saudoso Eleutério Rezende. Sempre cumpriu, dentro das suas possibilidades, a sagrada missão de ensinar.  Vejo você “ainda” ereto, robusto, meio cabisbaixo, porém sólido, vigilante e discreto. Observa tudo em silêncio. As coisas boas, como crianças que passeiam e brincam nas suas calçadas; as ruins, como a imprudência dos malfeitores, a guerra do trânsito, a falta de respeito daqueles que pincham suas paredes, o cenário diário que, às vezes, mesmo a contra gosto, segundo a segundo, testemunha os fatos. Nossa cumplicidade me comove, pois caminhamos juntos, por muito tempo e, quando te cumprimento me emociono, como se fosse a primeira vez quando adentrei em suas instalações. Você, velho amigo, me ensinou muito: como conhecer pessoas, escolher amigos, entender o sentido da vida e valorizar a disciplina, palavra pouco aplicada nos dias de hoje. Temos, praticamente, a mesma idade porque quando você apareceu para o mundo em 1° de maio de 1957, eu tinha apenas cinco dias de nascido. Seu semblante é sempre o mesmo: inerte nessa moldura cotidiana, no lugarzinho de sempre. Os traços da velhice já afloram em você, e poucos percebem a sua presença. Talvez por não conhecer a sua história ou simplesmente por ignorá-lo. É uma pena que hoje os valores sejam outros. Muitos não sabem que você foi peça fundamental para a formação e evolução dessa cidade formando pessoas que hoje exercem diversas profissões dentro da sociedade, inclusive professores.   Deixo aqui minha gratidão pelo que fez por mim: os primeiros ensinamentos, as oportunidades para discernir o bem do mal, deixou comigo lembranças de tudo que fui na época de estudante/adolescente, que jamais se apagarão. “Nasceu sobre a bandeira do trabalho na data magna do trabalhador” e dessa bandeira eu fiz o meu escudo, na batalha da vida em busca do conhecimento, minha formação profissional e espiritual. Hoje sou um cidadão, graças a você.

Floriano. 1 de maio de 2011


Evandro Cardoso Vieira, Engenheiro agrimensor/geomensor, Formado pela Universidade Federal do Piauí, Licenciado em Ciência da Computação pela Universidade Estadual do Piauí, pós graduado em docência pela Universidade Federal do Piauí, e formando do curso de mestrado em Ciência da Educação pelo complexo Fórum- Universidade Lusófona de Lisboa PT, professor da rede estadual de ensino, membro da Albeartes  e diretor técnico/proprietário da empresa Topel Engenharia & Imóveis , onde presta serviços para todo País. Estudou nessa escola de 1968 a 1973.