12/18/2008

FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO - 2009


Desde a ascensão de Herodes, o Grande, que se fizera rei com o apoio dos romanos, não se falava na Palestina senão no Salvador que viria, enfim...

Mais forte que Moisés, mais sábio que Salomão, mais suave que David, chegaria em suntuoso carro de triunfo para estender sobre a Terra as leis do Povo Escolhido.

Por isso, judeus prestigiosos, descendentes das doze tribos, preparavam-lhe oferendas em várias nações do mundo.

Velhas profecias eram lidas e comentadas, na Fenícia e na Síria, na Etiópia e no Egito.

Dos Confins do Mar Morto às terras de Abilena, tumultuavam notícias da suspirada reforma...

E mãos hábeis preparavam com devotamento e carinho o advento do Redentor.

Castiçais de ouro e prata eram burilados em Cesaréia, tapetes primorosos eram tecidos em Damasco, vasos finos eram importados de Roma, perfumes raros eram trazidos de remotos rincões da Pérsia... Negociantes habituados à cobiça cediam verdadeiras fortunas ao Templo de Jerusalém, após ouvirem as predições dos sacerdotes, e filhos tostados do deserto vinham de longe trazer ao santuário da raça a contribuição espontânea com que desejavam formar nas homenagens ao Celeste Renovador.

Tudo era febre de expectação e ansiedade.

Palácios eram reconstruídos, pomares e vinhas surgiam cuidadosamente podados, touros e carneiros, cabras e pombos eram tratados com esmero para o regozijo esperado.

Entretanto, o Emissário Divino desce ao mundo na sombra espessa da noite.

Das torres e dos montes, hebreus inteligentes recolhem a grata notícia... Uma estrela rutila no firmamento.

O enviado, porém, elege pequena manjedoura para seu berço de luz.

E porque as vozes do Céu se fazem ouvir, cristalinas e jubilosas, cantam eles também...

- "Glória a Deus nas alturas, paz na Terra, boa vontade para com os homens!..."

Ali, na estrebaria singela, estão Ele e o povo...

E o povo com Ele inicia uma nova era...

É por isso que o Natal é a festa da bondade vitoriosa.

Lembrando o rei Divino que desceu da Glória à Manjedoura, reparte com teu irmão tua alegria e tua esperança, teu pão e tua veste.

Recorda que Ele, em sua divina magnificência, elegeu por primeiros amigos e benfeitores aqueles que do mundo nada possuíam para dar, além da pobreza ignorada e singela.

Não importa sejas, por enquanto, terno e generoso para com o próximo somente um dia. Pouco a pouco, aprenderás que o espírito do Natal deve reinar conosco em todas as horas de nossa vida.

Então, serás o irmão abnegado e fiel de todos, porque, em cada manhã, ouvirás uma voz do Céu a sussurrar-te, sutil:

- Jesus nasceu! Jesus nasceu!...

E o Mestre do Amor terá realmente nascido em teu coração para viver contigo eternamente.

12/13/2008

SALÃO PAROQUIAL


O velho Salão Paroquial de saudosas lembranças nos transporta aos bons tempos, quando aí realizava-se shows artísticos, debates e até projeção de filmes.

Quem não se lembra, por exemplo, dos festivais de música, dos shows dos ídolos da jovem guarda, do Grupo Viazul e da nossa tradicional Semana da Amizade.

O tempo passou, de repente, o contexto, agora, é outro. A juventude vive a nova tecnologia, os shoppings e os novos carnavais.

Mas sempre é bom revivermos, recordarmos as maravilhas do passado romântico da Princesa do Sul para nos deixar mais aliviados, leves, suaves e sonhando sempre com o futuro.

12/11/2008

DEPOIMENTO DE RAIMUNDO FLORIANO



Desde quando comecei a ganhar meu dinheirinho fixo, no início de 1958, tratei logo de comprar uma radiola – mistura de rádio com vitrola – e adquirir os primeiros discos. Comecei com o bolachão – disco de cera de carnaúba, quebradiço por demais –, passei pelo vinil e pela fita cassete, até chegar ao atual estágio do cedê.

A vida de nômade, ora morando em alojamentos, ora em quartos de pensão, ora em locais provisórios, fez com que meu acervo se desfizesse e se renovasse por várias vezes. O que veio a cessar em 1975, quando me estabeleci em residência definitiva.

Nessa nova etapa, acumulei preciosidades, assim considerando todos os registros sonoros que satisfizessem ao meu exigentíssimo paladar.

Cheguei a possuir 2.400 elepês e 800 fitas cassetes, todos numerados e registrados em fichas, o que me exigiu a aquisição de imenso móvel de aço com várias gavetas para o arquivamento. Classifiquei todas as peças na ordem alfabética dos intérpretes, agrupados esses nos 33 gêneros a seguir:

01) BOSSA NOVA - 02) BRASIL - 03) BREGA - 04) CARNAVAL - 05) CHORO - 06) CORDAS - 07) COUNTRY - 08) DOBRADO - 09) ERUDITA - 10) FESTAS - 11) FORRÓ - 12) FOSSA - 13) FREVO - 14) FUTEBOL - 15) HUMOR - 16) INTERNACIONAL - 17) JAZZ - 18) JOVEM GUARDA - 19) LATINA - 20) MPB - 21) NORDESTE - 22) ORQUESTRA - 23) ROCK - 24) SACRA - 25) SAMBA - 26) SERESTA - 27) SERTÃO - 28) SOPRO - 29) TECLADO - 30) TRILHA SONORA - 31) USA - 32) VALSA - 33) VELHA GUARDA.

Assim organizado, fiquei em condições de localizar qualquer disco ou fita no tempo máximo de 30 segundos!

Com o advento do disco a laser, comecei a me reciclar. Em 2003, tomei a decisão de transformar todo o meu acervo de vinis e fitas em cedês, após o que me desfiz de tudo o que fora substituído. Doando, é claro, pois a ninguém interessava comprar essas velharias.

A colocação dos cedês nas estantes obedeceu a método por mim elaborado e que tem funcionado muito bem até agora, possibilitando-me uma busca rápida e fácil, mesmo sem o auxílio do computador, onde tudo está registrado. E tudo cabendo num disquete.

Assim, encimando cada gênero, há um estojo vazio, com a lombada escura e letras brancas, designando-o. Os intérpretes vêm, então, em ordem alfabética. No final de cada gênero, para que a inclusão de uma ou mais peças não acarrete a mexida em toda a estante, vêm 10 ou 20 estojos vazios, conforme a freqüência, com lombadas brancas e, em letras escuras, a inscrição VAGO.

As figuras aqui apresentadas dão uma idéia de como ficou tudo isso. A Estante A, por estar embutida numa parede do estreito corredor do meu apartamento, não possibilitou uma foto frontal. Espero que os amigos façam um pouco de esforço para entendê-la. Embora apareça no final desta matéria, é, na realidade, a que inicia a coleção, com o gênero Bossa Nova.

E é todo o meu acervo, composto de mais de 60 mil títulos nos formatos normal e MP3, só na MPB, que coloco à disposição dos amigos que o queiram conhecer.

A propósito, já existem gestões, junto ao Governo do Distrito Federal, para que tão organizada coleção passe a constar no Catálogo Turístico de Brasília.

12/10/2008

AMARAL - ANTES E DEPOIS


AMARAL – ANTES E DEPOIS

( Na foto, Amaral ao lado de Mineiro e Gilson no estádio Mário Bezerra, jogando pela Seleção de Floriano numa partida contra o selecionado de São João do Piauí )

Luiz Carlos Amaral Alves, grande jogador de bola do futebol romântico de Floriano, mais conhecido como Amaral, filho do ex - jogador Luiz Sansão do antigo Artístico. Amaral começou a despontar nos campinhos de pelada, tipo campo dos artistas, Manguinha, Barão, Taboca, Odorico, onde o nosso amigo Cangati o levou para o Grêmio.

Pouco tempo depois, o técnico José Amâncio requisitou o craque para uma temporada no Reno Esporte Clube, onde brilhou e, logo adiante, já estava no Grêmio de Galdino, sua melhor passagem.

Estilista, dominava o meio de campo, distribuindo bem as jogadas para os atacantes fazerem os gols. Era, também, acrobata com a bola, fazia o que queria com a pelota, deixando os adversários totalmente apavorados.

Amaral lembra, como se fosse hoje a escalação do time do Ferroviário de 1979, quando sagrou-se campeão florianense: Marquinhos, nego Gilson, Dias, Zuega e Zé Ulisses; no meio de campo atutavam o próprio Amral ( sem modéstia, como ele fala, o melhor volante daquela época ), Eloneide e Mocó; e no ataque, Mineirão, o centroavante Zé Bruno e Devaldo.

Se houvessem os incentivos necessários Amaral, à época, com certeza já estaria brilhando no sul do País, quando o futebol passava por um período de transição, entre o romântico e o moderno.

Hoje, morando em Taguatinga, Amaral ainda arrisca um futebol de fim de tarde com os amigos, ainda dando show de bola. Casado, dois filhos, trabalha como autônomo e nos disse que logo estará ( re ) visitando a velha Floriano.

12/06/2008

CARNAVAL - 2009


Aproxima-se o próximo carnaval e já há uma expectativa de lotação hoteleria total em toda a cidade. O clima começa a chegar em ritmo de chuva e alegria.

Floriano tem mudado bastante nos últimos tempos, as coisas já não são mais como antigamente. Temos que acordar para o futuro e seguir em frente.

Por outro lado, não custa nada lembrar, que no passado tivemos os melhores carnavais, nos anos cinquenta, sessenta e setenta; e o bloco Bota Para Quebrar ( foto ) foi um dos precursores desses novos tempos em que estamos vivendo.

12/05/2008

FESTIVAL DE CULTURA DE OEIRAS



Festival Cultural de Oeiras acontece neste fim de semana

A Capital da Fé vai ficar em clima de festa. Oeiras é uma das cidades mais religiosas do Estado, onde ocorre uma densa manifestação religiosa e será palco para o Festival de Cultura de Oeiras.

Em sua quinta edição, o Festival terá início neste sábado, 06, com oficinas, shows musicais, lançamento de livros e passeios turísticos. O evento será realizado na Praça da Vitória e termina na segunda-feira, 08. Neste ano, o Festival vai reunir artistas e intelectuais de referencia local e nacional.Além das conferências, oficinas e apresentações culturais piauienses como: Bandolins de Oeiras, Grupo Afro Cultural Coisa de Nêgo e Congos de Oeiras e ainda shows musicais com Dandinha e Vavá Ribeiro, este ano o evento vai ter exposição de artesanato.

O Festival é realizado pelo Governo do Estado, através da Fundação Cultural do Estado do Piauí – Fundac e do Sebrae. Oeiras é um ponto de peregrinação de fiéis em diversas datas religiosas e a programação do Festival Cultural de Oeiras acontece no período dos Festejos Nossa Senhora da Conceição que atrai pessoas de várias regiões do Piauí, provendo um espetáculo ímpar de fé e religiosidade popular. Sem contar na Expressões Culturais de seu Folclore e Cultura, destando-se os Congos do Rosário, tido como uma das mais belas expressões Afro-Brasileiras.

Umas das apresentações de destaque é o cantor carioca Leo Gandelman que possui uma sólida carreira carreira como saxofonista, arranjador e produtor, tendo participado em mais de 800 gravações. O trabalho de Leo Gandelman também foi lançado com grande sucesso nos Estados Unidos e já gravou dez discos ao longo de sua carreira solo, tendo vendido mais de 500.000 cópias. Nos últimos anos tem realizado workshops e participado de diversos Festivais em todo país. Atualmente, Leo Gandelman divulga o novo CD "Radamés e o Sax", com composições de Radamés Gnattali homenageando o centenário de nascimento do grande maestro. O disco é produzido pelo selo do próprio artista - Saxsamba – e foi vencedor do premio TIM 2007 como “Melhor Disco Instrumental“ e “Melhor produtor”.

Foto: www.ferias.tur.br

12/03/2008

CAMPO DOS ARTISTAS


Vejam a paisagem de hoje do velho Campo dos Artistas, onde os piolhos de bola disputavam os torneios do futebol amador no passado.

Pomposo, ainda, observamos o velho cajueiro, que servia de bastidores e das discussões nos fins de jogos decisivos. O bate boca era acirrado e o foco era as decisões de campeonatos.

Quanto ao campo, a especulação imobiliária já torrou tudo e, atualmente, já foram construídos enormes casarões residenciais.

O nosso sonho seria que nossas autoridades, à época, construissem uma pequena arena esportiva para a prática de de esportes em geral. Lamentavelmente, os nossos campinhos foram e estão indo por água abaixo.