9/30/2008

MOCÓ - ANTES E DEPOIS


Rilmar Barbosa, mais conhecido como o grande jogador Mocó, que começou, timidamente, a engatinhar para o futebol florianense no início dos anos setenta.

Esse rapaz era bom de bola, tanto que com o tempo foi jogar em Teresina, depois no Pará. Era estilista, rápido e de dribles desconcertantes, que deixava os adversários totalmente apavorados.

Começara no futebol de salão, ganhando vários torneios em Floriano; passou a jogar no Grêmio de Galdino e, assim, Mocó foi ganhando fama e prestígio.

À época, se houvessem os incentivos necessários, a esta altura, com certeza, ele estaria na seleção brasileira, mas, lamentavelmente, os nossos dirigentes não souberam tanto seguir os rumos do futebol moderno.

Hoje, Mocó é funcionário da Agespisa em Floriano, mas ainda arrisca algumas peladas no final de semana, abafando junto à velha guarda de nosso futebol.

9/29/2008

Florianense é destaque no programa Caldeirão do Huck



O programa Caldeirão do Huck, da Rede Globo, apresentou dia 27 último no quadro Lata Velha, a C-10 do sorveteiro Raimundo Pereira dos Santos, residente em Floriano no Piauí.

Luciano chegou à casa de Seu Raimundo, em Floriano, dentro de um carro cenográfico. Ele e a produção estavam fantasiados de personagens do teatro Mágico de OZ!

Para participar do quadro, deve-se escrever uma carta ao programa contando sua história e ter um carro antigo que seja um ? xodó?. No caso de Raimundo, a carta foi escrita por uma vizinha que contou a sua história e como a C-10 do sorveteiro é antiga e também faz parte de sua vida.

O carro é o meio de vida de Raimundo e sua esposa Isabel, os dois são casados há 36 anos.

No quadro Lata Velha, o contemplado ganha uma reforma no carro velho, mas antes tem q aceitar e cumprir algum desafio. Para o Raimundo Sorveteiro, o desafio foi aprender a ler e descer de um ponto alto da cidade do Rio de Janeiro, em uma asa delta.

O sorveteiro relatou no programa que quando chegou a Floriano, em 1968, sem família, tinha que dar um jeito de se sustentar e foi logo se virando para arrumar trabalhos. De lá para cá nunca deu muita importância para os estudos, e a única coisa que aprendeu foi assinar o seu nome.

"Geralmente a gente faz apenas um desafio, mas como Seu Raimundo não sabe ler, essa vai ser mais uma ajuda do programa", disse Luciano.

Raimundo afirmou que a sua preocupação na hora de voar de asa delta era com a sua chapa. "Meu medo é de dar um sorriso lá de cima e ela cair", disse ele aos risos.

Depois de cumprir os desafios, o sorveteiro pode conferir seu carro completamente reformado e com uma sorveteria ambulante na carroceria.

O carro ganhou pintura nova, novo motor e novo equipamento de trabalho. Muito emocionada, a esposa Isabel o acompanhou o tempo todo.

O sorveteiro, muito humilde se comportou de forma super despojada durante as gravações do programa, conquistando a admiração do apresentador.


Fonte: portaldaclube.globo.com

9/26/2008

SESC - A MAIS BELA COMERCIÁRIA



Comerciários organizam uma festa para a escolha da mais bela comerciaria. De acordo com Josélia Miranda, diretora do Sesc/Senac em Floriano cada candidata que participar irá representar uma determinada empresa, porém segundo ela muitas empresas não querem arcar em produzir as participantes para o concurso.

“Estamos trabalhando na organização da festa da escolha da mais bela comerciaria, uma festa que servirá para a confraternização junto com toda a comunidade florianense, porém existem empresas que não querem patrocinar a produção das garotas. O empresário tem que ver que é o nome da empresa que está em jogo, é o nome da empresa que aparece, as candidatas representam as empresas.”

A festa será realizada dia 27 de setembro, próximo sábado, no clube da Associação Atlética Banco do Brasil ( AABB ) a partir das 23:00, a entrada é 1 kg de alimento ao perecível, com direito a mesa.

Fonte: www.piauinoticias.com

9/25/2008

RETRATOS


Ruazinha que dá acesso à avenida Getúlio Vargas na altura do Laboratório Sobral e que cruza também com a rua José Guimarães.

Pelas zonas do meretrício e pelos batuques no rumo da Ibiapaba, era comum se passar nessa travessa para as festas e para as antigas tertúlias.

Naquele tempo não havia tanto perigo andar de noite por aí, mas com o desenvolvimento da cidade, o aumento da população, as coisas foram mudando e, hoje, precisamos ficar mais alertas.

9/24/2008

TEMPORAL FORTE EM FLORIANO


Um temporal com chuva forte, ventos e até granizo caiu por cerca de 15 minutos na tarde de ontem em Floriano, deixando muitos danos. Os trovôes minutos antes já anunciavam a tragédia.

Muita gente que estava nas ruas procuravam meios de se proteger do temporal, que derrubou árvores, alagou ruas e quebrou fios de iluminação da Cepisa.

O estrago maior aconteceu no bairro Sambaíba, quando um moto - taxista foi surpreendido por um fio de baixa tensão, caindo exatamente quando esse se dirigia para a sua casa durante pé d´água, vindo a falecer no local.

Esse fenômeno já acontecera outras vezes no passado, mas sem essa intensidade. As autoridades competentes já estão tomando as providências cabíveis, no sentido corrigir os estragos causados pela tempestade.

Fonte: www.piauinoticias.com

9/23/2008

RETRATOS



Vemos, portanto, mais um cenário típico das ruas de Floriano, que mesmo pavimentadas, carecem de uma revitalização importante.

No caso, essa é a rua José Guimarães, que desce rumo à beira do rio Parnaiba na altura da antiga zona do meretrício e no cruzamento com a rua Coelho Rodrigues.

O aspescto arquitetônico de Floriano em seu contexto geral vai se tornando cada vez mais diferente, criativo e interessante, mas é preciso que se cuide bem da higiene e da limpeza e com a participação de todos.

9/18/2008

FESTA DE ARROMBA



Será realizada neste sábado, nos salões do Comércio Esporte Clube, a tradicional festa da Jovem Guarda, resgatando a boa música dos anos sessenta e setenta.

O evento já está na sua quinta edição e tem a organização do nosso amigo Ozires, da Marron Glacê e disse que pretende reunir, neste sábado, cerca de mil pessoas.

Floriano deverá ( re ) viver os bons tempos do passado e acreditamos que essa festa de arromba trará mais adesões para os próximos anos.

Parabéns aos seus organizadores, que têm demonstrado muita criatividade para a realização desses eventos para a felicidade de todos.

Fonte: http://www.piauinoticias.com/

REENCONTRO



O tempo vai passando, mas uma vez ou outra, esses reencontros sempre acontecem dos craques que jogaram no passado.

Aí, no caso, falamos dos ex-expoentes do futebol romântico de Floriano: Puluca ( meio de campo ) e Ubaldo ( o rasga milho ) jogando seu futebol arte.

Lembro-me que os campos lotavam: estádio Mário Bezerra, josé Meireles, Taboca, meladão, Vereda, Manguinha, Bosque e outros.

Hoje, Ubaldo recupera-se de uma lesão na perna e Puluca ainda arrisca boas peladas no campo da Caixa Econômica em Teresina.

É bom voltar sempre ao passado.

9/17/2008

ZÉ FEÍNHO


Essa é a grande figura do nosso amigo José Reis Costa, florianense, mais conhecido como - ZÉ FEÍNHO, que no passado militou como dono do time do São José Operário Futebol Clube.

Na época, mesmo não fazendo campanhas brilhantes, valia a iniciativa, mas o São José participava dos torneios e campeonatos de amadores de Floriano.

Jogaram no São José, à época, jogadores como o próprio Zé Feínho, Bibil, Antonio Luiz do Cansanção, João Luiz ( da Sambaíba ), Newton, Firmino no meio de campo, Caraolho, Peito de Vaca ( também da Sambaíba ) e outros piolhos.

Zé Feínho, atualmente, é funcionário da prefeitura de Teresina e cantor popular de forró, onde já lançou um cedê e já está preparando o segundo para lançar em Floriano.

9/15/2008

RETRATOS



Ah, que saudades que tenho das esquinas de Floriano, da Mascote e da Rosa de Ouro, onde corríamos por ali sem nenhuma preocupação com tempo.

As Casas Pernambucanas eram uma das lojas mais procuradas e a vida transcorria simplesmente em suas lambretas e em suas bicicletas de marca guliver.

Fotografias que nos transportam para um tempo bom, que outrora a vida era mais romântica; os vícios eram outros: cinema, tertúlias, futebol de primeira no campo do Ferroviário.

Delícias, que hoje vamos relembrando, mas tentando suportar e segurar as novas ondas, as novas esquinas e os novos carnavais em seus sons ensurdecedores, no seu consumo de suas novas atitudes mais libertárias.

LEVANTAMENTO ARBÓREO DO BAIRRO MANGUINHA


( Foto ao lado da rua João Chico na altura do antigo campo do Ferroviário )

O presente trabalho teve com base o (inventario) quantitativo da arborização do bairro manguinha. Este trabalho foi feito “in loco” percorrendo todo bairro nos períodos de abril a marco de 2008 na cidade de Floriano-PI. Os critérios adotados foram estimativa quantitativa das árvores e a classificação das espécies. Foram inventariadas todas as espécies existente no bairro visitado ,com registro fotográfico de algumas espécies e revisão bibliográfica das plantas encontradas relacionando , famílias , classificação botânica .Os locas percorridos foram , Rua: Antonino Freire, Gabriel Ferreira, Elias Oka, Delson Fonseca, João Chico, Félix Pacheco, Antônio Freire, Francisco Castro.

I – CARACTERIZAÇÃO DO BAIRRO MANGUINHAO

município de Floriano está localizado na Microrregião do Sul do Piauí, em uma área conhecida como Chapada e Chapadões do Meio Norte, e é banhada pelo Rio Parnaíba. Suas coordenadas geográficas são 60º46’24’’ de latitude sul e 43º00’43’’ de longitude oeste em relação a Greenwich. O município está a cento e quarenta metros de altitude e caracteriza-se por um clima tropical e semi-árido cuja temperatura média anual é de 27º C. O mesmo limita-se ao norte com Amarante e o Estado do Maranhão, ao sul, com Flores do Piauí e Itaueira, a leste, com Francisco Ayres, Nazaré do Piauí e São José do Peixe, e a oeste, com Jerumenha e o Estado do Maranhão.

Na zona sul dessa cidade está situado o Bairro Manguinha com aproximadamente três mil e cinqüenta e quatro habitantes (dados da Associação de Moradores, julho de 2006). O nome do bairro originou-se da grande quantidade de árvores frutíferas da espécie Mangifera indica que predominavam na área. O bairro citado teve como primeiros moradores os zinidores, povos de descendência africana, que, com a chegada de novos povos, não se instalaram mudando-se para outro bairro da cidade. Naquela época o local não era pavimentado e dispunha de muitas áreas onde predominavam as árvores. A água que abastecia as pessoas era de um chafariz que atualmente se encarrega apenas da irrigação da Praça Idelfonso Ramos.

O bairro Manguinha dispõe de vários serviços públicos que incluem a coleta de lixo, limpeza e conservação da praça e das ruas (quase todas já pavimentadas), abastecimento de água tratada. Mas, como qualquer outra localidade, apresentam também alguns problemas como alagamentos em algumas partes após as chuvas e a falta de praças, uma vez que só dispõe da Praça Idelfonso Ramos, fundada em trinta e um de julho de mil novecentos e setenta e oito.

Atualmente é o bairro que mais atende a população florianense, de Barão de Grajaú (cidade vizinha) e, também, outras localidades no setor da saúde, pois lá estão situados o Hospital Regional Tibério Nunes, o Hemocentro Regional, o IAPEP, a Fundação SESP, o Hospital do Coração Dr. Alves Pereira, o Laboratório Cace, o Posto de Saúde Helvídio de Holanda Barros e algumas farmácias.

Além de ser bem servido no setor da saúde o bairro possuem também várias outras construções, públicas e privadas, que atendem algumas necessidades da população. Entre as quais podemos citar: Escola Municipal José Francisco Dutra, Unidade Escolar Paulo Ferraz, FAESF, Escola Mirim, Escola Infância Moderna, Escola Tia Rubenita, Praça Idelfonso Ramos, Clube Maçônico, Loja Maçônica, Vila Vicentina, Cartório Eleitoral, Cemitério, Funerária, Juizado Civil e Criminal, Bares e lanchonetes, Restaurantes, Associação de bairro, Escola de Samba Mangueira, Empresas, Posto de gasolina, Farmácias, Açougues, Mercearias, Salões de beleza etc.

As pessoas do bairro são, na sua maioria, acolhedoras, festeiras, residem em meio a casas de estilo antigo e moderno e utilizam meios de locomoção particulares, uma vez que a cidade não dispõe de sistema de transportes.

II-ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS

Fixo ( Mycteroperca bonaci ) – 06; Algodão-bravo ( Ipomoea cornea Jacq ) – 01; Castanhola ( Terminalia catappa ) – 07; Mangueira ( Mangifera indica ) – 02; Brasileirinho ( Erythrina indica picta ) – 11; Oiti ( Moquilea tomentosa ) – 02; Figueira ( Fícus macraphyla ) – 01; Faveira de bolota ( Parkia pendula benth ) – 01; Cajá ( Spondias mombir ) – 01; Pau-brasil ( Caesalpina indica ) – 01; Ipê branco ( Tabebuia roseo-alba ) – 02; Ipê amarelo ( Tabebuia serratifolia ) -02; Algaroba ( Prosopis juliflora ) – 01; Jambo ( Syzygium malcasense ) – 02.

A área estudada do Bairro Manguinha dispõe de uma arborização insatisfatória em relação à sua extensa área. Nas ruas observadas, pudemos nos deparar com a presença de pouquíssimas árvores ou, até mesmo, trechos onde não há nenhum vegetal. Mas, em contrapartida, visualizamos uma diversidade vegetal onde, entre as quarenta árvores observadas, encontramos catorze espécies diferentes.

Dentre estas espécies visualizadas, algumas demonstram um mínimo cuidado, levando-nos à impressão de que elas estão deixadas ao acaso. (Mas, por outro lado, há outras com um razoável desenvolvimento), demonstrando-nos a beleza e importância dos vegetais na nossa área de convivência.

Na Praça Idelfonso Ramos, a situação não é muito diferente: há poucas árvores considerando sua área de 2 417 m2 ). Além do mais, as árvores existentes não são podadas adequadamente e não recebem cuidados específicos para se desenvolverem de forma satisfatória.

III-CONCLUSÃO

Diante de que foi exposto, podemos comentar:

• O inventario constatou que, 29 são nativas e 18 são exóticas;

• Também foi constado, que as espécies exóticas estão sendo introduzidas com maior facilidade;

• Conclui-se que a falta de políticas ambientais, aliada ao desconhecimento técnicas pelo poder publico municipal e falta de um plano de manejo de arborização urbana, contribui para o aumento de espécies exóticas e um déficit nas espécies nativas.

Pedro Henrique ( Biólogo. Esp.Administração Ambiental Municipal Presidente do Instituto Caipora de Ecologia ).

Fonte: www.piauinoticias.com

9/13/2008

RETRATOS



Cena típica dos Cais do Porto de Floriano em época de férias do mês de julho, quando da ocasião das Regatas.

O tempo vai passando, mas ainda precisamos fazer esses registros, través desses retratos maravilhosos que encontramos no garimpo de nossas emoções.

Seria interessante se pudéssemos resgatar esses eventos de Floriano, que no passado fizeram a alegria do povão.

Foto: Umbelarte

9/11/2008

NO TEMPO DOS BEATLES


Até mil, novecentos e setenta e nove, o mundo ainda era como no tempo dos Beatles “ – já dizia um poeta piauiense.

É o que observamos na foto, extraída num reveillon dos anos setenta no Comércio Esporte Clube. Naquele tempo era difícil se conseguir ter acesso àquele clube social de grande fama.

No entanto, de cima para baixo, temos aí os piolhos de bola Ubaldo, Eloneide, Carlito de Bruno, Lauro Cronemberger e o nosso amigo Roberto Holanda, vestindo suas melhores becas ( algumas, emprestadas, é claro! ).

Época romântico, onde havia toda um afobamento lírico, adrenalínico, de soberbas impressões visionárias. Havia, antes, o baile, a tertúlia e, logo após à meia noite, começava o frevo e o toque das marchas carnavalescas.

O clube, à época, ficava lotado e, do lado de fora, era um Deus nos acuda, gente querendo entrar de qualquer forma: eu sou filho de fulano e beltrano... Até para varar era difícil, mas alguns tinham sorte, entrava fácil, mas tudo dentro de um contexto saudável que ou dentro, ou fora, todos brincavam sem nenhum vício que pudesse atrapalhar aquelas saudosas festas, que os anos não trazem mais.

DE VOLTA PARA O FUTURO



O pôr do sol, é lá no cais; eu vejo a lua, surgindo atrás da torre... do cais “. Esse é o trecho inicial da linda canção do grupo musical Viazul, que fez sucesso na década de setenta, mas que traduz bem a beleza e a poesia da beira do rio, o ponto de encontro mais aconchegante da cidade.

O Flutuante em sua mansidão de sempre, mantendo a tradição; o Parnaíba, caudaloso, inspirando os poetas e itinerantes; vejo, à noite, reluzente, a bela Barão, espelhada nas águas do rio; mas já não existem mais as regatas de julho e as lavadeiras.

O tempo vai passando, lentamente e o futuro surge sorrateiramente; mas não se houve mais os borás; a tecnobregacia surge com novos sons de consumo em nossos carnavais; os foliões, agora, são sultra abadanos e as nossas marchinhas se perderam no tempo; o cais absorve outras naves e concorrentes. A poesia mudou e a burguesia sumiu.

Saudoso, chego, agora, de mansinho a sondar a nova paisagem que ficou. Soturno, ando em passos lentos e solitários à procura de um tempo em que não volta mais; no entanto, o conforto da minha presença aqui satisfaz o meu ego; e os tambores que escuto na madrugada lenta e fria, são meus únicos companheiros, que trafegam por aqui, ecoando noite a dentro a compartilhar os meus pensamentos em busca de um nova onda.

9/10/2008

REENCONTRO


Estávamos, por acaso, dando um giro pelo carnaval de Floriano de 2007, revendo lugares e matando a saudade, quando nos deparamos com os amigos de outrora.

Foi no Hotel do seu Jorge Batista, reencontramos aí os nossos amigos Puluca ( funcionário da Caixa Econômica ), o Zé Uilson ( engenheiro da Sabesp ) e o músico e arquiteto Nilson Coelho.

Num bate papo descontraído, resgatamos bons momentos do passado romântico de Floriano: futebol, política, arquitetura e vários assuntos, onde constatamos que a Princesa do Sul necessita de várias parcerias para avançar no seu desenvolvimento.

9/08/2008

DEPOIMENTO



FLORIANO – PRINCESA DO SUL

Por: Leyla Siqueira

Janclerques,

Com uma taça de vinho e a linda voz do Ney Matogrosso interpretando "Corra e olhe o céu" do Cartola, penso se sou capaz e merecedora de seu convite.

Logo eu que sou um tanto reservada e muito atrapalhada pra falar do que não seja técnico, mesmo assim com ressalvas, muitas ressalvas...

Porém,

"Linda, te sinto mais bela
Te fico na espera, me sinto tão só
Mas o tempo que passa, em dor maior, bem maior

Linda, no que se apresenta
O triste se ausenta
Faz-se a alegria
Corre e olha o céu
Que o sol vem trazer bom dia"

Ufa!! É melhor um novo gole que a noite tá fria e as minhas lembranças inexpressivas gritam com uma frágil voz.
Ei, você pode!! - Vamos lá

Como mesmo posso começar???

Era uma vez...não, não!!!

Existe um rio, um lindo rio a beijar uma pobre princesa e que tem um nome masculino. Epa, como assim!?
É a minha princesa, chama-se Floriano e tem um vizinho Barão.
Quanta nobreza, hein???
Mas nobre mesmo é sua gente, um povo culto, inteligente e elegante, humanamente elegante.

Quando eu vivia sobre seu calor, e que calor, não tinha quase nada na cabeça e no bolso... quase nada na vida.
Mas conhecia dos livros que tinhamos em casa, Fernando Pessoa, Machado de Assis, Jorge Amado, Camões, Érico Veríssimo, Otto Lara Resende e o melhor da nossa música.

Agora, vejo as janelas e portas abertas e sem grades da minha casa saindo som da velha vitrola de pés de palito. A incofundível Maysa. Eu não gostava. Relutava com tanta tristeza. Corria para o cais. Lá, sim, tudo acontecia. Encontrávamos os amigos, e como tínhamos amigos. Hoje, só colegas. Eram tantas as conversas, as novidades, tantos planos e mudanças desenhadas em palavras... jovens palavras.
E do que foi feito tudo isso?

Saí do teu calor, estudei, viajei por tantas terras, mares e outro amores.

Novas casas, novos livros e sons. Mas foi no Velho Mundo que me apaixonei pelo impressionismo e a maior incidência de luz que já vi foi nas suas margens e no seu crepúsculo.

Foi tão longe pra reconhecer que a paleta de Monet e Van Gogh estava lá entre julho e agosto derramando-se em tuas águas.
O cubismo ficava nas mãos das senhoras lavadeiras. Quantas cores a secar sobre seu cais.

"Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda peão.
O tempo chegou de repente
Nas asas do meu coração."

Termino aqui a minha tela.

Aonde mais poderiamos ter tudo isso?

"Vagalume é como orvalho
Diálogos que disfarçam conflitos por explodir
Ela pode ser venenosa como, às vezes, o cogumelo é."
Clarisse Lispector.

E, como na velha canção, fecho a cortina do tempo, fecho meu pano de confetes, mas em Floriano soube que nunca acabou o Carnaval. Que amores se renovam, amizades se reconhecem, o calor entorpece e a tarde cai lentamente sobre o copo dourado e gelado e lá sempre se tem um bom papo.

Como mãe, as ruas e vielas reconhecem os pés de seus filhos, mesmo daqueles que não voltam. Deus do céu!! Mais uma taça, foi-se a garrafa. A noite corre clara e linda no porte e na cor. E com as minhas pobres palavras esqueci o tempo. Como uma borboleta triunfante ao sair do seu casulo,vou ao seu encontro e estendendo um pouco mais o meu braço, toco nos teus cabelos de princesa. E os meus pés chegam ao teu chão.

Caro amigo Janclerques, posso assim chamá-lo?

Não estando certa de que isso valha para algo e sentada como uma menina em uma forquilha de uma mangueira, lhe digo: caso ache alguma ultilidade, aceita essas palavras de uma anafalbeta em emoções. Quanto a Maysa, hoje gosto bem mais.

Foto: florianonet

9/07/2008

7 DE SETEMBRO


Cena do desfile de sete de setembro, ainda nos anos sessenta, na altura do Ginásio Primeiro de Maio.

Havia uma postura mística e romântica nos desfiles do passado. Hoje, as alegorias e o visual moderno tomam de conta da avenida.

Quem suava bastante a camisa naquele tempo era o professor Ribamar Leal, conduzindo sua escola com muita tenacidade.

De qualquer forma, a tradição permance e, hoje, teremos mais um belo desfile na avenida Getúlio Vargas.

9/05/2008

RESGATE



Segundo se comenta, na cidade, há uma expectativa de se revitalizar o nosso abandonado Floriano Clube ( foto ) , que no passado realizava festas de carnavais, de debutantes e tertúlias.

O que se sabe é que já há um projeto circulando que nos proporciona uma garantia de se resgatar o velho clube para eventos de um modo geral, tipo: congressos, reuniões, debates e festas em geral.

Finalmente, agora, podemos, quem sabe, ( re ) viver os bons tempos de outrora.

9/04/2008

FLORIANO - PRINCESA DO SUL


FLORIANO!

Leyla Siqueira

Floriano é a minha mais cara lembrança de um tempo bom. Lembro-me do mês de julho e, ao voltarmos para as férias, o melhor era o fim de tarde, o por-do-sol. A água do rio tem na minha mente um sabor, cor e gosto que eu já mais provei.

" você marcou em minha vida
viveu, morreu em minha história
chego a ter medo do futuro
da solidão que em minha porta, bate,
e eu, gostava tanto de você."

Esse era nosso som! Isso sem falar no Milton, Chico,Gal, Caetano, Beto Guedes, Lô Borges etc. Tudo era bom! O nosso tempo pra sonhar... Iluminava a cidade de gente bonita; e hoje vejo como éramos bem mais interessantes... Falávamos de política, cinema... e revitalização da Maria Bonita começou assim... de papos no velho cais, no Flutuante e no clube.

Hoje, os meus sonhos estão bem diluídos, comuns e solitários... Quero pagar menos impostos, terminar o doutorado, ver minha filha crescer em um país mais justo, seguro... feliz!!!!

9/02/2008

SAMBÓDROMO



Este é o cenário atual do que seria o nosso sambódromo para as festas de carnavais de Floriano, mais precisamente no bairro Bosque Santa Teresinha próximo ao cais do porto.

No entanto, face a vários fatores, não foi concluída essa obra de suma importância para atender ao turismo, ao povo e aos carnavalescos de hoje.

Portanto, ainda dependemos da beira rio para atender a demanda do carnaval da Princesa, que cresce a cada ano em contingente humano.

Precisamos refletir, fazer uma vistoria, uma previsão futura para evitarmos a perda de subsídios e/ou dividendos no crescimento turístico da cidade.

9/01/2008

CINE NATAL


Estamos observando ao lado duas fases do Cine Natal. A primeira, no final dos anos trinta e, a outra, na década de cinqüenta.

No meu tempo, nos anos sessenta, o nosso cine causava um frissom sensacional com as matinês. O troca – troca de gibis, os picolés do bar do Bento e as filas enormes disputando os melhores lugares.

O tempo passou, Floriano, agora, passando por uma transição sem igual e o Cine Natal se foi, não dava mais ibope. Hoje, só temos que recordar aqueles bons tempos.

Floriano, no entanto, atravessa uma fase nova, de esperança, mas é preciso estamos atentos a essas mudanças, sabermos fazer as cobranças e as autoridades mostrarem serviço, no sentido de melhorar e resgatar nossos valores em geral.

Morre Adelmazinho do Restaurante Flutuante



Morreu nesse sábado, 30, por volta das 3:00 horas da tarde em Floriano, aos 90 anos de idade, o seu Adelmar de Sousa Lima, conhecido por Adelmazinho, que por muito tempo comandou o restaurante Flutuante.

Depois que recebeu do genro José Garcia Maia, 68, um dos restaurantes mais bem visitados de Floriano, o Flutuante, que fica no Cais da Beira Rio, na década de 50, Adelmazinho como ficou conhecido, comandou o local por vários anos, onde fez e manteve muitas amizades que prevaleceram até hoje.

De acordo com informações de familiares, Adelmazinho, que morava na rua Sete de Setembro, faleceu vítima de falência multipla dos órgãos, após apresentar vários problemas de sáude.

Adelmazinho deixa a esposa Maria Estela Porto Lima, 82 anos, sete filhos, 15 netos, 7 bisnetos. O corpo foi velado no Memorial Floriano de onde saiu para sepultamento as 10:00 dessa manhã no cemitério São Pedro de Alcantara.

Fonte: piauinoticias.com