6/27/2008

INTERMUNICIPAL DE 1975



Estamos pesquisando detalhes do torneio do intermunicipal de 1975, tipo: jogos, fotos, textos, classificação e outras informações que possam resgatar a historia da grande decisão entre as cidades de Floriano e Pipiri, onde conseguimos obter o vice campeonato.

Quem puder nos ajudar com outras informações, podem enviar fotos, textos ou alguma outra resenha que possam contar essa famosa passagem de nosso desporto.


A nossa intenção é proporcionar a revitalização de nosso futebol, contando fatos e resenhas para manter o brilho de nossas tradições esportivas ao longo de sua história.
...
Foto: Ferroviário de 1979, com Marquinhos, Teodoro, Zé Ulisses, Carlos Alberto, Dedé, Zé Brunho, Paulinho e Cícero.


6/26/2008

FLAGRANTE


Flagrante extraído da nossa querida rua José Coriolano na altura da rua João Chico, na subida do Cruzeiro, mas ainda conservando antigos arvoredos.

Com o tempo, essas ruas por aí foram sendo pavimentadas e tomando uma outra forma. Muitos casarões permancecem conservando suas antigas características, nos deixando bem contentes.

Flagramos, por outro lado, figuras ilústres, como o senhor Luiz Barreto em conversa descontraída com o seu Melo, ambos já curtindo a sua melhor idade. Por isso, registramos esses momentos fascinantes da vida.

6/25/2008

RETRATOS



O velho cais do porto a nos surpreender constantemente; as enchentes pararam e o rio volta à sua tranqüilidade, mas nos apresentando o resultado do triste fim do velho Naval.

Agora, seguiremos o seu curso normal. As férias chegando e a expectativa são as regatas de julho, o aniversário da cidade e a movimentação das férias.

No esporte, aguardamos com grande expectativa o torneio férias de verão na AABB, evento organizado pelos piolhos de bola Mocó, Eloneide e Roberto Holanda.

Floriano respira felicidades nesse período. É só correr para o abraço.

Foto: Agamenon Pedrosa

6/20/2008

ANIVERSÁRIO


Dia 24 de junho vindouro estará completando 96 anos de vida a dona Joana Reis Silva, filha de José Camilo dos Reis e de Rosalina Borges dos Reis, então proprietários da Fazenda Veredas, hoje pertencente a outra pessoa.

A dona Joaninha casou-se com o senhor Benedito Alves da Silva, filho de Luís Alves da Silva e de Rosa Alves de Barros, então proprietários das Fazendas Angelim, Várzea Alegre e Malhada do Meio, ainda hoje pertencentes a pessoas da família.

A dona Joaninha e o senhor Benedito Silva ( in memorian ), pessoas muito conhecidas em toda a Princesa do Sul, tiveram um casamento sólido de quase 60 anos, com 10 filhos, 29 netos e 11 bisnetos.

Dos 10 filhos, em Floriano só moram atualmente as professoras Raimunda Silva Soares, Socorro Silva Ribeiro e o professor, ex – vereador e político Sérgio Silva.

Os demais estão espalhados pelo Brasil a fora.

A dona Joaninha é uma pessoa de muita vitalidade, dispõe de uma saúde invejável, é católica praticante e freqüentadora assídua da Paróquia da Ibiapaba.

Nossos parabéns a dona Joaninha e que esta data se prolongue por muito tempo e que seja comemorada por muitas outras, juntamente com os seus familiares e amigos.

6/19/2008

INCENTIVO À CULTURA



Lei incentiva produção cultural na cidade de FLORIANO.

26 projetos culturais concorrem a R$ 70 mil em prêmios através da Lei de Incentivo Cultural Professor Moreira

A Lei de Incentivo Cultural Professor Moreira foi criada em Floriano desde 1997, mas somente este ano no mês de maio é que começou a ser executada. Depois de Teresina, Floriano é a única cidade do Piauí a ter uma lei de incentivo à cultural.
Depois de 11 anos de criada a Lei Professor Moreira teve como ponto de partida o lançamento do edital de incentivo à produção cultural. Foram abertas inscrições para projetos nas áreas de musica e artes em geral; cinema e vídeo; folclore; literatura; pesquisa e documentação; patrimônio histórico e artístico.
Do total de inscritos, somente 26 foram classificados, mas destes, só a metade deve ser beneficiada com prêmios que somam R$ 70 mil. O recurso para os projetos virá de empresas interessadas em financiá-los e em troca terão isenção fiscal de igual valor garantida pela lei.
“Essa lei chegou em um momento certo, porque nós encontramos uma realidade de produção cultural na nossa cidade com um amadurecimento das pessoas que trabalham com arte e com a população melhor preparada para receber essa produção cultural” comentou o Presidente do Conselho Sidney Conrrado.
No momento, os projetos passam pela última etapa de avaliação que segue critérios bem definidos na análise dos conselheiros da Lei Professor Moreira. “Nós estamos trabalhando basicamente em cima da análise técnica, avaliando se o projeto é viável e se condiz com a realidade do nosso município” conclui Sidney Conrado.

Fonte: piauinoticias.com

6/18/2008

RETRATOS


Estávamos por aí, em São Luís, a Ilha do Amor, fazendo um passeio turístico e nos descontraindo um pouco.
São momentos que nos deixam mais suaves, encantados com a natureza das coisas. Esse Palácio dos Leões é uma loucura de monumento arquitetônico.

Dona Hercília Camarço foi quem, no passado, tocou umas operetas para o Governador Archer aí nessa nesse casarão em acontecimento social da época.

Precisamos cultivar esses bons momentos, porque o consumo brega continua nos perseguindo o tempo inteiro, inclusive nos toques dos celulares, uma idiotice sem fim, fora os carros de sons nos tirando a harmonia do som e dos tambores da madrugada.

6/15/2008

RETRATOS


Fotografia tirada na altura do balão do anel viário na avenida Santos Dumont próximo à AABB.

A cidade cresceu por aí, mudou, mas é preciso se construir um trabalho de manutenção, tipo: sinalização, limpeza e higienização.

Os turistas estão chegando e precisamos proporcionar aos nossos visitantes uma boa impressão. A população poderá, também, colaborar, procurando caprichar na limpeza de suas casas e passeios.

Precisamos deixar a preguiça de lado e fazermos um mutirão para a cidade ficar esbelta, sorridente e voltada para o futuro.

O custo é baixo e nos traz felicidade ver a Princesa bonita outra vez.

6/14/2008

BEIRA DO RIO


" Beira do rio um vento à toa sob o céu, entoa uma canção... " Trecho inicial da bela canção do Grupo Viazul de Floriano, exaltando nossas belezas.

De qualquer ponto, você pode cruzar com uma riqueza extraordinária, observando o rio e os arredores do cais do porto.

Finalmente, você pode relaxar com um bom papo no velho Flutuante, ou de cá, no famoso Restaurante do Raimundão ( in memorian ).

São momentos que precisamos eternizá-los, que fiquem registrados para o futuro e dizermos que estivemos aqui um dia para sermos felizes de alguma maneira, certo?

6/12/2008

MEMÓRIA DO FUTEBOL FLORIANENSE




PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DA CIDADE

" UMA CIDADE SEM MEMÓRIA É UM POVO SEM HISTÓRIA "

DOS ANOS QUARENTA AOS DIAS ATUAIS:

O FUTEBOL DA CIDADE

GRÊMIO – CAMPEÃO SENSACIONAL

Por – Carlos Augusto ( o Pompéia / in memorian )

Transcrito do JORNAL DE FLORIANO DE 23 A 29 / 12 / 1979

Grêmio e Ferroviário realizaram no último domingo, no estádio Mário Bezerra, uma das partidas mais bem disputadas e emocionantes dos últimos tempos em nosso futebol.

Uma partida que durante toda a semana movimentou todos os desportistas locais, os quais esperavam com muita ansiedade o momento da pugna. Foi grande o número de apostas na cidade, já que Grêmio e Ferroviário possuem, inegavelmente, as duas maiores torcidas da Princesa do Sul.

MOVIMENTO DO PLACAR

Sabendo que o Grêmio se constituía num sério e terrível adversário, a moçada do Ferroviário entrou em campo disposta a decidir o jogo logo nos primeiros minutos, aproveitando-se do melhor entrosamento. Zé Bruno fazia o primeiro gol do encontro, aproveitando-se de uma falha gritante do miolo da zaga gremista, após um escanteio, cruzamento de Dedé e deixada espetacular de Guilherme Júnior. Este gol, logo no início da partida, mexeu com os nervos dos atletas do Grêmio, que partiram direto ao ataque e tentativa do seu gol de empate, faziam desordenadamente e disso o Ferroviário soube tirar proveito, alterando o placar para dois a zero, com mais um gol sensacional de Zé Bruno, desta feita, contando com a com a colaboração do goleiro Arudá ( 1 ).

Com esta vantagem, o Ferroviário achou que já era o dono absoluto da situação e começou a rebolar; enquanto isso, o Grêmio procurava se reencontrar em campo a ponto de chegar ao seu primeiro gol aos trinta e sete minutos, por intermédio de Edmar, num lindo gol, sem a menor chance de defesa para o goleiro Marquinhos, que por sinal, voltou a ser o melhor homem em campo.

Era o começo da reação gremista; no entanto, o Ferroviário ainda voltaria a marcar, num gol surpreendente e de muita sorte de Guilherme Júnior, que tentou pegar a bola de primeira e essa resvalou, pegando no lado externo da perna direita, deslocando inteiramente o goleiro Arudá. Eram quarenta e quatro minutos e o primeiro tempo terminou com a vitória parcial do Ferroviário por três tentos a um.

Na segunda etapa o Grêmio voltou mais estruturado. Sabendo que só a vitória lhe interessava e, como Gonzaga e Aroldo não estavam bem na partida, o treinador os substituiu por Luiz Cláudio e Zé Ligeiro, fazendo entrar mais tarde Joaquim José ( 5 ) em lugar de Arudá e Geremias ( 6 ) no lugar de Gilete.

Com isso o Grêmio ficou mais agressivo e o Ferrim começou a perder terreno dentro do campo. Com muita inteligência, Galdino colocou Ribinha ( 7 ) mais a frente e recuou Luiz Cláudio para o meio de campo e foi exatamente Ribinha que se constituiu na figura do jogo, marcando dois gols no tempo normal. O primeiro aos treze minutos e o do empate aos quarenta e três.

VITÓRIA NA PRORROGAÇÃO

De acordo com o regulamento da competição, os dois quadros partiram para a decisão numa prorrogação de trinta minutos. A essas alturas o Ferroviário se mostrava um time totalmente acabado fisicamente. Somente Zé Bruno ( 8 ) lutava bravamente lá na frente, mas não conseguia furar o bloqueio da defesa gremista.

Mas estava escrito que Ribinha seria o pré – destinado a dar o título de campeão do turno ao Grêmio e, aos doze minutos da segunda fase da prorrogação, ele viria a marcar aquele que seria o gol do título e do desespero da torcida do Ferroviário.

Os jogadores Chagas Velho e Herbrand foram expulsos pelo árbitro da partida Gildavan Sales.

JUIZ, QUADROS E RENDA

O juiz do encontro foi o senhor Gildavan Sales, tendo realizado uma excelente arbitragem, comprovando que é, realmente, um senhor árbitro de futebol. Seus auxiliares foram o fotógrafo José Maria de Souza e o taxista Washington Macedo ( 9 ), todos com bom trabalho.

Os quadros formaram da seguinte maneira:

GRÊMIO – Arudá ( Joaquim José ), Edvar, Pedrão ( 10 ), Zuega ( 11 ) e Gilete ( Geremias ); Edmar, Fábio ( 12 ) e Ribinha; Aroldo ( Zé Ligeiro ) ( 13 ), Gonzaga ( Luiz Cláudio ) e Chagas Velho.

FERROVIÁRIO – Marquinhos ( 14 ), Geraldo ( Chiquinho ), Jerumenha ( 15 ), Café e Carlos Alberto ( 16 ), Amaral, Herbrand e Guilherme Júnior ( 17 ); Mineiro, Zé Bruno e Dedé ( Carlinhos Meota ).

A renda do espetáculo foi apenas de R$ 2.405 cruzeiros.

NOTAS EXPLICATIVAS COMPLEMENTARES

ARUDÁ, neto do senhor do mesmo nome, comerciante e político da cidade, filho do saudoso Bucar, grande desportista, organizador de vários times em Floriano, como o famoso Palmeiras, Bonsucesso e que como o filho, era goleiro que no “ seu dia “, tornava-se invulnerável. Graças a interferência dele, junto a seu pai, o senhor Arudá que, como grande amigo do senhor Mário Bezerra, chefe do DNOCS aqui, conseguiu, com o mesmo, o uso de um trator na terraplanagem do terreno de onde surgiu o estádio que leva o seu nome.

GUILHERME JÚNIOR, filho de Guilherme Ramalho, que apareceu como uma grande promessa e a medida que o tempo passava foi declinando junto com a decadência dos clubes da época. Ele também era bom no futebol de salão, onde seu pai se apresentava muito bem como goleiro.

ZÉ VILMAR, irmão de Marquinhos, Paulinho e Carlinhos Meota, todos filhos do senhor Nelson Oliveira.

GEREMIAS, sempre como salvador da pátria durante o tempo em que jogou.

RIBINHA, jogador de fôlego excepcional e muito veloz.

ZÉ BRUNO, embora não fosse um jogador altamente técnico, era muito valente e por isso marcava muitos gols.

WASHINGTON, o taxista do Posto Floriano, sempre colaborava com o futebol, mesmo porque morava próximo ao estádio.

PEDRÃO, bom zagueiro e que participou, também, de vários torneios intermunicipais, morreu deixando saudades.

ZUEGA, grande craque, que com a fragilidade do nosso futebol, procurou novo rumo e se estabeleceu em Teresina, no Flamengo, onde tornou-se astro de primeira grandeza e onde encerrou sua carreira.

FÁBIO, irmão do Jerumenha, do Ferroviário, filhos de Emanuel Fonseca, grande craque do passado, defendendo o Ríver Atlético Clube.

CARLOS ALBERTO, valente lateral esquerdo, filho do senhor Honorato Padeiro.

Ainda na mesma edição do JORNAL DE FLORIANO ( de 23 a 29 / 12 / 1979 ), o competente Carlos Augusto, o Pompéia ( falecido ano retrasado ), nos informava:

“ Está confirmada para o dia 28 de dezembro próximo, no estádio Mário Bezerra, a festa dos velhinhos da bola. Os desportistas florianenses vão ter a oportunidade de rever em campo ex – atletas que no passado deram muitas alegrias ao nosso torcedor, dentre eles se destacaram: Parnaibano, Antonio Luiz Bolo Doce ( já falecido ), Antonio Guarda e Bagana ( a dupla que arrochava e jogava duros ), Poncion ( falecido recentemente ), Chapéu, Nouzinho ( também já falecido ), Beto, Neco, Babau, Pompéia e João Carlos além de outros craques da bola. Será uma tarde inteira de atrações no Mário Bezerra e contará com a presença da Banda de Música do 3º Batalhão da Polícia Militar e da Escola de Samba Mangueira “.

6/11/2008

FAMILIA MELO


FAMÍLIA MELO - E ASSIM TUDO COMEÇOU

Pesquisa: Tibério Melo

Seu Roberto Batista, Corró, fazendeiro, comerciante e autoridade do lugar Veados, hoje Artur Passos, no sertão piauiense, às margens do médio Parnaíba tinha 3 filhas, Maria de Lourdes, Doralice e Maria do Carmo, do casamento com Margarida, de pequena estatura, distinta e elegante senhora, aos padrões da época.

Maria de Lourdes, a mais velha, precisando tratar dos dentes, eis que teve que se deslocar para a cidade de Floriano a montante do Rio Parnaiba. A partida foi um show no lugarejo quando a mocinha teve, aos 10 anos, que embarcar, num bote, com uma sombrinha de modo a se proteger dos raios do tórrido sol nordestino. Foi seu primeiro contato com aquela cidade que viria a ser o torrão de sua familia. Após o tratamento a garota retornou à casa dos pais com mil novidades para as suas irmãs Doralice e Docarmo, ainda de tenra idade, e amigas. Hospedara-se na casa do Sr. Vicente Roque, comerciante e grande amigo do Sr. Roberto Corró.

Aos 14 anos a pré-adolescente teve que voltar a Floriano, ainda com problemas dentários. Desta feita hospedara-se na casa da Sra. Constantina, filha do Sr. José Pacífico, esposo de D. Aurora, prima de D. Margarida. Próximo dalí morava um distinto rapaz que ao ver a donzela teve seu coração abalado por emoções até então desconhecidas.

Não conseguindo conter a agonia o jovem dirigiu-se à mocinha revelando as emoções que só ela podia conter. Ela disse que não sabia o que fazer mas que por pena tentaria algo que pudesse livrá-lo de tão angustiante emoção. E começaram a falar coisas de amor. Logo, logo, as palpitações foram abrandando e aí nasceu uma relação que já passou das bodas de diamante. Bravos!!!

Para a saudade dos dois, eis que a mocinha teve que retornar ao lugarejo Veados. Ao voltar, D. Margarida não demorou a desconfiar do comportamento da filha. Percebeu que a garota enjoara das bonecas e logo tratou de descobrir quem estava na linha de frente. A mocinha teve que se revelar sob as pressões da Matrona.

Aos 15 anos, não suportando a saudade, a moça disse que precisava fazer curso de corte e costura com uma costureira, famosa professora modista, D. Raimunda Pio. Lá que D. Margarida cedeu mas só porque hospedar-se-ia na casa de seu irmão, Benedito Batista, com mil recomendações. Cuidado com a moça. Desta vez Doralice, também, viera a Floriano e fora matriculada no Odorico às escondidas, mas Seu Roberto acabou se convencendo e resolveu montar uma residência na cidade de Floriano na Rua São João, hoje Defala Attem.

Antes desta mudança, o jovem apaixonado, Antonio Melo, teve que visitar os pais da moça em Veados. Até que foi bem recebido pelos futuros sogros mas as primas da moça não acharam nenhuma graça no rapaz pois não tinha, pelo menos, um dente de ouro. Ali mesmo o jovem pediu a mão da moça em casamento que veio a ocorrer em 08 de novembro de 1947.

RETRATOS


Essa é a famosa rua Marechal Pires Ferreira, a rua do Epaminondas ( in memorian ) tirada da esquina da praça doutor Sebastião Martins.

À esquerda, observamos o sobrado dos Demes, a antiga Farmácia Santa Inês e, à direita, a antiga Farmácia Carvalho.

São pequenas recordações que trazemos para resgatar os lugares por onde corríamos e brincávamos na epopéia de nossa infância querida.

6/06/2008

JOSE LUIZ ALBUQUERQUE NETO

Jose Luiz Albuquerque Neto

Por - Emília C. C. Ramos

Jose Luiz Albuquerque Neto foi um cidadão piauiense de Jaicós, muito digno, fez da cidade de Floriano o seu Torrão e morria de paixão por essa cidade, muito almejava fazer algo pelo seu progresso e o fez, pois Floriano só teve telefones naqueles dias, graças a ele, o primeiro tesoureiro da Companhia Telefônica de Floriano. Ele também foi presidente da Associação Comercial do Sul do Piaui por vários mandatos seguidos, até que insistiu em passar o cargo para outro. Ele foi uma pessoa ilustre, então, e certamente continua sendo para quem sabe dar valor à história de Floriano.

Foi do Rotary Clube sempre, desde a sua fundação em nossa cidade e foi condecorado várias vezes, por frequencia assídua, vez que também comparecia às reuniões em qualquer lugar do Brasil por onde passava, pois conduzia o seu guia do rotariano com todos os endereços do país e viajava bastante.

Ele foi um grande comerciante e exportador de couros, peles e crina, assim também foi industrial de cera de carnaúba, chegou a ter um projeto em mãos, para construir a sua fábrica. Era um senhor de respeito, que vivera à época da educação e da hombridade. Tinha também certa cultura, apesar de não ter escolaridade; chegou a ser advogado prático e hoje, quem se atreve a ser isso? Pois é, foi até delegado em Canto do Buriti quando era ainda solteiro. Isso é apenas um resumo da sua história, para qualquer pessoa ver que mesmo com toda modéstia, tem gente que não chega aos seus pés como diz o povo.

O povo e seus compadres que muito o admirava, como o Dr. Sebastião Martins, Dr. Rocha, Seu Andrade, Bernardino Viana, Seu Milad Kalume e outros inúmeros amigos que desfrutavam a reciprocidade da consideração e o conheciam a fundo, e sabiam que o homem, o cidadão, o pai de família Zé Luiz Neto deixou um legado diferenciado e especial para Floriano.

6/05/2008

RETRATOS


Era um domingo de muito sol, quando fazíamos um roteiro matinal pelos arredores do centro da cidade.

Observamos ao fundo, à esquerda, o casarão dos Demes e a fachada da antiga Casa Inglesa. Havia, certamente, no passado, mais poesia.

No entanto, tentamos mostrar os dias de hoje, todavia, com muita felicidade, quando a Princesa do Sul passa por um processo de transição e modernidade.

AGRONOMO PARENTES


O Grupo Escolar Agrônomo Parentes também participou, efetivamente, junto com outras escolas de Floriano, na construção de um trabalho voltado para a educação de base que existiu no passado.

Havia liberdade, sim, mas com responsabilidade. A preocupação maior, hoje, é com o consumo; é claro que não falta nada para esses novos alunos aprenderem com dignidade uma formação ideal, mas essa motivação de " base " é o que está faltando.

O aparelhamento moderno e a condição da nova tecnologia de hoje favorecem essa demanda, mas há que atuarem, enfim, na construção de uma nova ordem educacional, que possa vencer esses desafios de hoje.

6/04/2008

MASCOTE


Eu me lembro, ainda, de ter tomado umas mirindas e algumas esfirras no passado aí na Mascote, quando menino.

Temos saudades desses tempos: o seu Lourenço passava aí todo santo dia para apreciar um bom cafezinho e o aconchego de um bom bate papo sem pressa.

Era bom demais. É bom reviver essas coisas, mas temos que ir andando, observando e documentando essas passagens interessantes que acontecem na nossa bela Princesa do Sul.

6/02/2008

CAIS DO PORTO


Em nossa última visita a Floriano, registramos essa bela foto do Cais do Porto, um dos pontos mais aconchegantes da cidade.

Muita coisa foi mudando ao longo do tempo, a refomra da Maria Bonita e do Terminal Turístico e da própria avenida.

Achamos, porém, que ainda falta melhorar mais, a limpeza principalmente, a revitalização do cais em si e a arborização.

O nosso setor turístico tende a melhorar e a Princesa do Sul tem que mostrar que tem potencial.

6/01/2008

CAMPINHO DO ODORICO


Essa foto eu tirei de cima do muro, apanhando o antigo campinho interno do Grupo Escolar Odorico Castelo Branco, escola onde estudamos nos anos sessenta.

Atualmente, encontra-se desativado, mas a escola continua dando prosseguimento às suas atividades educacionais, proporcionando à gurizada um caminho novo para o futuro.

Mas é claro que temos saudades, quando nesse campinho aí costumávamos bater um futebolzinho de poeira de primeira linha. Era uma alegria, quando estufávamos as redes, fazendo os gols para o grito da galera.

Precisamos voltar a incentivar o esporte mais vezes e continuadamente nas escolas da cidade, proporcionar aos jovens um caminho esperto para o seu futuro, tá certo?

MATRIZ


Hoje, domingo, primeiro de junho, não podemos deixar de registrar a imagem de nossa bela Matriz São Pedro de Alcântara.

Sempre quando voltamos à velha Floriano, temos que registrar esse momento delicado, poético e sublime, pois a nossa inspiração nos leva a esse encanto.

Com os seus arredores ainda conservando um pouco de suas origens, podemos, enfim, matar a saudade, quando voltamos no tempo.