2/08/2008

RESENHAS DE CARNAVAIS



Por: Pedro Gaudêncio de Castro

Prezado Janclerques

Estávamos em São Luis ( MA ), onde passávamos uns dois dias, para em seguida viajarmos para Paraibano, São João dos Patos e Floriano, onde iríamos visitar Filadelfo Castro e amigos dessa simpática e hospitaleira cidade e certamente participar do animadissimo carnaval florianense no Comércio Esporte Clube, abrindo esta sua coluna, onde você pergunta em que ano fui Presidente do Floriano Clube ( foto ) e se possível lembrar um fato ou caso ou se tinha alguma foto que lembrasse aquela época; na realidade, vou procurar, quando chegar no Recife, mas, apenas para recordar como a Diretoria do Floriano Clube era intransigente para aceitar uma proposta de sócio, seu comportamento nos eventos do Clube e até administrando os "serenos" dos bailes.

Numa certa reunião da Diretoria, por exemplo, no momento da aceitação de alguns sócios - três deles não foram aprovados: - um político, um comerciante e um profissional. Esse fato gerou um grande mal estar com a reação normal por parte dessas pessoas, inclusive uma delas veio a mim e perguntou o porquê dessa negativa.

Naturalmente, procurando manter a privacidade da decisão dos administradores, apenas disse - o Presidente somente vota para desempatar e isso não ocorreu. Ficaram zangados, mas, posteriormente, foram aprovados por outra Diretoria, mesmo porque tratava-se de pessoas que mereciam estar naquele ambiente.

Meu pai era um animado frequentador do Clube e adorava dançar uma VALSA; e, num sábado de carnaval, papai chegou para mim e disse: - Pedro, mande tocar uma Valsa...; então, eu disse: - pai, é impossível uma valsa em pleno carnaval...; e ele então retrucou: - mas, rapaz, é só uma valsa carnavalesca...; e como naturalmente não foi atendido, ele saiu da festa zangado.

Noutro evento, uma dama da sociedade e muito nossa amiga, estava no "Sereno" assistindo a uma festa animada por uma orquestra de fora e quiz entrar, estando de sandália; ai o porteiro não deixou e eu fui até lá para acomodar a situação, quando ela me disse: - Pedro, essa minha sandália vale muito mais do que os sapatos das que ai estão aí no salão. Pedi desculpas mas mantive a decisão do porteiro.

Um jovem bancário gostava de se exibir no salão, apertando demasiado a companheira, quando um dos nossos diretores chamou-o de lado e lhe disse: - amigo, desse jeito você não dança aqui no Clube.Foi um vexame, pois a moça e seus familiares não gostaram.

Falando em CARNAVAL, o que se fazia naquela época eram os ensaios, onde Defala e Pedro Attem levavam as letras das músicas carnavalescas daquele ano, acompanhados da orquestra, com Mestre Eugenio, Celestino e outros profissionais que iriam tocar. Eram muito animados esses ensaios, onde os carnavalescos aprendiam as belas e animadas musicas daquele tempo e ainda começavam os namoros para o carnaval.

Na realidade, eu não me lembro precisamente do ano em que fui Presidente, mas deve ter sido entre 1950 a 1955. Lembro apenas quando fui pela primeira vez diretor do Clube, com ainda 18 anos de idade, duas sinucas novinhas compradas pela Diretoria, onde muita gente aprendeu a jogar.

Uma das coisas que mais lamento é de no passado não ter tirado fotografias da minha vida em Floriano e fiquei até com inveja, quando nos 110 anos de Floriano, fui à Exposição do Theodoro Sobral e apesar de procurar, não ter encontrado nenhuma foto nossa, nem em 1966, quando fui candidato a Prefeitura de Floriano contra Tibério Nunes, momento histórico da vida política da nossa cidade.

Bem amigo - eu acompanho com o maior interesse as coisas de Floriano e através de sua coluna e de outras figuras florianenses que também procuram reviver momentos inesquecíveis da nossa cidade.

RETIFICANDO - DEVE TER SIDO ENTRE 1962 A 1968, POIS JÁ ERA CASADO, COMO DISSE A MARIA JULIA.

Nenhum comentário: