10/30/2007

RETRATOS



Esse antigo retrato ( foto ) foi um evento comemorativo às festividades da Semana do Exército Nacional, quando de um concurso de redação em homenagem a Duque de Caxias, patrono do Exército Brasileiro, em Floriano, no início dos anos oitenta. Diversas autoridades e empresários florianenses estavam colaborando com essa manifestação.

Observamos, então, alguns companheiros presentes, o Janclerques e o Nilson Leite ( vencedores do concurso ), Adeval Pereira, Michel Demes, Arudá Bucar, Abílio Cavalcante Coelho, dona Bisa, Nilton Araújo e esposa, Pedro Atemal, e outros que não conseguimos identificar.

Esse coquetel foi realizado na antiga BR e marcou um período bastante significativo no tocante aos acontecimentos sócio-culturais da cidade, que caminhava para grandes mudanças na política e na educação.

10/26/2007

CAIS DO PORTO


Mesmo em preto e branco, conseguimos identificar a beleza do nosso cais do porto nos anos dourados.

A calmaria e a poesia que vivíamos nos deixavam vaidosos, completamente felizes nesse vai e vem e dentro de um contexto glamoroso da época.

O Flutuante, ali, um tanto diferente; as canoas em suas travessias e um sol a exaltar um certo brilho; muita magia e uma vida descontraída, como observamos o passeio de Beatriz Fontes e Osmar Amaral em trajes supimpa.

Sabemos, agora, que os tempos são outros, mas é sempre bom rever os lugares de antigamente, através dos retratos de um passado revolucionário e mágico que vivíamos. Continuemos buscando essa paz, para que possamos viver segurando a saudade.
...
Foto: flagrantes de uma cidade

10/25/2007

AVENIDA


Trecho que nos permite ter uma visão romântica da antiga avenida Álvaro Mendes, hoje batizada com o nome de Getúlio Vargas.

Havia, certamente, uma movimentação diversa naqueles anos de trinta e os arvoredos davam uma conotação poética que não se vê mais atualmente.

Aí nessa esquina, nos conta o professor Luiz Paulo, funcionou a antiga Sapataria Lima e que depois passaria a ter um prédio novo e moderno com as instalações da Distribuidora Floriano Ltda do empresário Jorge Batista.

O meu pai lembra, que quando trabalhava na Sapataria Lima, passava o dia escutando a locução da amplificadora Florianense na voz de Defala Attem e decorava textos importantes e quase todas as propagandas veiculados pelo radialista.

10/23/2007

SAUDADE



Como temos saudades daqueles tempos de outrora, das tardinhas quentes da praça ou do sopro do vento a embalar os seus arvoredos; das lindas canções do Roberto a expressar as nossas paixões.

Quem não se lembra, por exemplo, do bar Carnaúba e do bar São Pedro, do coreto e dos antigos carnavais; do corre – corre e do sobe-desce da velha Sertã, quando os meninos brincavam do pega; dos quessucos e dos pudins do quiosque da tia Inhá.

Havia, realmente, um certo brilho, uma forte vontade de crescer por entre esses arredores que não mais existem como antigamente; os contornos novos nos causam espanto e uma outra sensação, que deveremos saber controlar para não chorarmos com a saudade.

10/18/2007

FANFARRA


O Tibério, neto de Roberto Corró, conta que, certa vez, quando estudava no Estadual de Floriano, com o Chico Amorim Sobrinho, participavam da banda de fanfarra para as marchas das passeatas de 7 de Setembro.

O nosso amigo Chico sempre sempre foi muito disciplinado, tanto que um dia a turma da banda não acertava sob a responsabilidade do professor Duzito; então, o Chico, aos berros, gritava:

- Esses caras só fazem isto porque o doutor Braulino não está aqui...

E quem estava atrás dele? O próprio doutor Braulino ( que foi diretor do Estadual ), que ficava inchado de orgulho, naturalmente.

...

O CHICO NA FOTO É O QUE TÁ DE ÓCULOS ESCUROS

10/13/2007

CARNAVAL - 2007


Tratava-se de um momento lírico, diferente em pleno movimento carnavalesco do carnaval da Princesa. O bar do nosso saudoso Raimundão lotado de foliões e a velha guarda, também, se fazendo presente, revendo e resgatando aqueles bons momentos que viveram no passado.

O encontro foi inevitável – o poeta Elio Ferreira, o grande craque Puluca e esse editor, reencontrando-se numa noite de grande festa. O assunto foi essa maravilha que foi e que ainda é -, o carnaval florianense.

Comentávamos, de certo, que ainda se pode fazer mais, buscando promover a reabertura do Floriano Clube, por exemplo e, certamente, editando novas formações dos antigos blocos carnavalescos que fizeram sucesso no período romântico, tipo: Os Malandros, o Bota pra Quebrar , Os Piratas e Os Pilantras.

De qualquer forma, o resultado fora positivo, muitas emoções, reencontros e um bate papo interessante, para podermos recarregar as baterias, no sentido de irmos vencendo as adversidades que atual momento da vida moderna nos impõe.



10/10/2007

INAUGURAÇÃO DO ALBERTÃO


Observamos na foto a abertura do campeonato brasileiro de 1973 em Teresina, quando o famoso Tiradentes inaugurava o estádio Albertão, jogando contra o Fluminense do Rio de Janeiro.

Naquele tempo o Tigrão arrebentava e era respeitado em todo o Brasil, desenvolvendo boas campanhas no brasileirão. Hoje, precisamos ter a presença do futebol do Barras, na série C, para fazer bonito. River e Flamengo, os tradicionais times de nosso Estado, estão caindo aos pedaços.

Apesar da tragédia que houve na festa de inauguração do Albertão, onde morreram alguns torcedores, o Tiradentes desfilava com Toinho no gol, Marinho, Ivan Limeira, Murilo, Mimi, Tinteiro, Sima, Paraná, dentre outros cobras.

O Fluminense, esse jogava com Felix, Oliveira, Galhardo, Assis, Marco Antonio, Carlos Alberto Pintinho, Dionísio e Cafuringa, só feras.

Jogo duro e o resultado de zero a zero deixara os torcedores maravilhados, felizes e voltados para o que desse e viesse.

CARNAVAL - 2008



O carnaval de Floriano de 2008 terá como tema – O CARNAVAL DA FELICIDADE. Segundo o presidente da COC, Honorato Drumond, há uma expectativa favorável para o dar continuidade ao trabalho de resgate da nossa festa de momo.

Sugestões estão sendo discutidas pela COC, no sentido de revitalizar e promover o carnaval moderno da cidade. No passado, o carnaval florianense sempre foi imbatível e precisamos manter esse padrão, salientou o presidente da COC.

A propósito, a época romântica passou, mas permanecem as lembranças de bons carnvais como esse da foto acima, observamos os Malandrinhos Zé Geraldo ( filho de Geraldo Teles ), Jorge Carcamano, Arnaldo Pé de Pão, Demes e, na frente, em pé, Pedro Attem, dentre outros.

10/06/2007

TERTULIA


Foi realizada no dia 22 de setembro próximo passado, nos salões do Comércio Esporte Clube, a famosa festa dos anos setenta, tocada pelo conjunto Os Brasinhas de Teresina. A organização foi do nosso promoter e amigo Ozires, que também realiza anualmente a abertura do carnaval florianense com a Banda Malandra.

Já é o segundo ano consecutivamente que essa tertúlia vem sendo organizada, lotando os salões do clube, resgatando, assim, o ( re ) encontro da velha guarda de Floriano, que vem matando a saudade dos bons tempos da jovem guarda e do rock and roll.

Seria de suma importância, entretanto, se o Ozires, juntamente com outros organizadores locais, promovesse essa bela festa no ano que vem, nos salões do Floriano Clube, através de parcerias. Resgataria, assim, o velho clube de saudosas tertúlias, festae e bailes.

Éramos uns garotos, que como nós, amávamos os Beatles e os Rollings Stones... Até mil e novecentos e setenta e nove, o mundo ainda era como nos tempos dos Beatles!

Hello! Crazy people... Aqui fala Big Boy… Apresentando - Os Brasinhas!

É isso aí, só a saudade para fazer a gente relembrar o passado daquelas tardes de domingo, que os anos não trazem mais!

10/05/2007

A PRIMEIRA NOITE DE TRANQUILIDADE



Estávamos retornando à Princesa, no período do último carnaval, quando fui visitar o meu amigo João Alves Nogueira Filho, o João Filho em sua residência na rua São João. Quando criança, arrastava-se, mal conseguindo andar por problemas de paralisia.

Com o tempo, fez o tratamento e foi superando as adversidades. Hoje, fazendo faculdade, casado e já com um filho, João reúne boas amizades e tem projetos para o seu futuro, principalmente na área de cultura.

Certa vez, porém, nos anos setenta, época romântica, os nossos amigos pegaram João Filho e levaram ele lá nos quebras, para experimentar pela primeira vez as volúpias do amor. Nervoso, no entanto, ele disse que não era ainda o tempo certo: “deixa para depois, gente, pelo amor de Deus...” Uma loucura! E logo percebeu que já não podia fazer mais nada, tinha de ir mesmo para ao ninho de amor.

Jogaram o João Filho num quarto lá da Coelho Rodrigues, logo na cama de quem ( ? ) da nossa querida amiga Verona e tome “vara”. Muito tempo depois, percebendo que João Filho não queria mais sair do quarto, Luiz Banana foi dar uma olhada pelo buraco da fechadura e gritou:

- Vambora, João, que já é tarde, cara! Tu já terminou?

João Filho, de alma lavada e se sentido o cara mais feliz do mundo, não se fez de rogado e retrucou bem alto, emocionado, de tanta felicidade:

- CAAAAALMA, RAPAZ!

RETRATOS



Essa é tia Inhá ( in memorian ), esposa de tio Walter, lembram ( ? ). Tio Walter tinha uma oficina de bicicleta detrás da igreja matriz e foi maquinista no cais do porto nos anos cinqüenta.

Na foto, a nossa tia aparece na praça doutor Sebastião Martins, segurando seus dois filhos mais velhos, o Djalma e o Divaldo, época em que os retratos exaltavam ternura e poesia. Precisamos sempre relembrar esses bons tempos.

A família de tio Walter foi fixar moradia em São Luís do Maranhão, depois de passar uma temporada em Boa Esperança em Guadalupe nos anos sessenta. Lá em São Luís todos se formaram e constituíram famílias, aprendendo a superar as adversidades da vida.

10/02/2007

PRAÇA


Essa é uma tomada da antiga praça João Pessoa, a nossa principal praça nos anos cinqüenta. Idealizada na gestão do prefeito doutor Sebastião Martins de Araújo Costa, através de um projeto do engenheiro Luiz Ribeiro Gonçalves, a praça depois recebeu o nome do prefeito Sebastião Martins.

Os arvoredos começavam a dar uma dinâmica em sua arborização. Ainda vê-se a antiga Farmácia Coelho, a Casa São Luiz, a Farmácia Rocha e uma loja da família Neiva. Época romântica, que nos proporcionou grandes emoções.

Hoje, temos aí um monumento arquitetônico moderno, sem os antigos arvoredos, mas que representa a nossa realidade atual. Mas é bom sempre estarmos de olho nas mudanças que poderão ocorrer, no sentido de evitarmos a ruína de nossas tradições.

Fonte: FLAGRANTES DE UMA CIDADE, Luiz Paulo Lopes

10/01/2007

UM PÉ DE CARNAÚBA


Eu já tinha visto vários carnaubais, mas nunca tinha visto um pé de carnúba na altura desses nossos campos formosos de Floriano.

Essa imagem, essa paisagem é estupenda, uma extração lírica, dinâmica e de uma pureza imensamente libertária.

A foto ao lado fica no bairro São Cristóvão e o nosso amigo Agamenon Pedrosa sabe como fazer o registro, que de repente logo estará iluminando as nossas páginas.

Pois é, eu nunca tinha visto, realmente, um pé de carnaúba; só carnaubais e, agora, temos à vista e de graça a beleza espontânea de nossos arvoredos.