8/31/2007

TORÓ NA PRINCESA


Chovia torrencialmente na Princesa em plena festa de momo numa tarde de muita ternura e poesia, quando eu estava completamente grogue de saudosismo e de inquietações.

Do bar que é hoje o antigo Cine Natal, eu observava a movimentação da Getúlio Vargas em dia de muita festa e folia.

Sentia-me sozinho, inerte em pensamentos e emoções; soturno, captava cada detalhe daquele momento; o aguaceiro parecia, até, um riacho caudaloso levando os barquinhos de papel que não mais existem.

Pára a chuva e volto a sentir-me incauto quando escuto a batucada do samba. Esperava os Ingratos para descer à beira do rio para ver se me acalmava; de repente, chega o nosso amigo Zé Uilson para jogar conversa fora e relembrar tempos d´outrora.

CAMPO DOS ARTISTAS


Vejam só como a especulação imobiliária tomou de conta de nossas antigas praças esportivas; necessariamente, isso um dia teria que acontecer, lamentavelmente. Fazer o quê?

Olha só o que sobrou do velho campo dos artistas: só há uma esquina sobrando, onde se vê, ainda, o velho cajueiro imponente, que está conseguindo se segurar e ficar de pé. Até quando?

Lembramos, então, dos antigos torneios de amadores que se disputavam aí e dos circos de arena que se instalavam nos anos sessenta; dos folguedos de primeiro de maio e dos gols que fazíamos por lá.

Seria de suma importância, a propósito, a revitalização desses arredores, na construção de áreas esportivas e culturais para a juventude local. É o que deve fazer a sociedade com a formação de parcerias e ou outras iniciativas. Temos que dar o exemplonovamente como demos no passado, certo?

Foto: Agamenon Pedrosa

8/30/2007

MAÇONARIA


Figuras ilústres das mais representativas da Loja Maçônica Igualdade Florianense nos anos cinqüenta, que deixaram marcados os seus serviços prestados voltados para a nossa comunidade.

Na escalação, da direita para a esquerda, em pé, temos o Raimundo Araújo, Onildo, Ferrer, Teodoro Reis, Genésio Nunes, Antonio Anísio Ribeiro Gonçalves, José Vieira da Rocha, Leto Leitão, Alcebíades Morais e Né Camarço.

Sentados, na mesmaordem, observamos o João Barbeiro, Alderico Guimarães, Amílcar Sobral, Gervário Medeiros, Francisco Borges ( da rua do Amarante ), Turene Martins ( da rua do Cruzeiro ), João Nunes, Antonio e Pedro da Fonseca Rocha.

Esperamos que as atividades da nossa Maçonaria continue revolucionando e tentando melhorar cada vez mais o seu trabalho junto à comunidade local.

Fonte: Flagrantes de uma cidade

RAIMUNDO FLORIANO


RAIMUNDO FLORIANO DE ALBUQUERQUE E SILVA, 2º Tenente QOA R / 2, aluno nº 658 da Companhia de Petrechos Pesados da Arma de Infantaria.

UNIDADES ONDE SERVIU:

25º BC – Teresina / PI; ESA – Três Corações / MG; 12º RI – Belo Horizonte – MG; Cia Pol Ex / 11ª RM e BPEB – Brasília – DF.

MARANHENSE – BALSENSE

Amigo do Rio das Balsas

Amanuense, Cinesíforo, Alectoromaquista, Melômano, Rapsodo, Revascularizado, Almocreve, Diascevasta, Fescenino, Cruciverbista, Matinador, Parafrasta, Calemburista, Abencerragem, Toma-largura, Filatelista, Lusófono, Decifrador, Mestre da Banda da Capital Federal.

DISCÓFILO ESPECIALIZADO EM CARNAVAL E MPB DA VELHA GUARDA

CONTATO:

SQS 215 – BLOCO D – APTº 408, BRASÍLIA – DF, CEP 70294-040; TELEFONE: (61).33467713, E-MAIL: raimundofloriano@brturbo.com

8/29/2007

MATRIZ


Não é um retorno ao passado, mas trata-se de uma bela tomada dos dias de hoje do alvorecer de nossa monumental matriz São Pedro de Alcântara, extraída da inspiração do poeta Agamenon Pedrosa.

Um instante lírico, mágico e místico, que nos reporta a várias épocas. Certo que o progresso nos tirou o brilho de alguns arvoredos e de outros contornos da praça, mas ainda podemos prestigiar essa maravilha de Floriano.

As cores, hoje, são novas e reais e exaltam, mexem com a inspiração de todos. Precisamos renovar, sim, o nosso dia a dia; no entanto, vamos continuar trabalhando para o resgate de nossos belos prédios e da sua manutenção.

Vamos ficar de olho, certo?

Foto: Agamenon Pedrosa

CRUZEIRO


Estamos na altura do antigo beco das almas, ali, próximo ao Cruzeiro, mais especificamente apanhando a rua José Coriolano. Nesse exato cruzamento havia, também, um campinho de pelada nos anos sessenta, onde eram disputados vários torneios entre ruas.

Nessa esquina aí tinha um antigo oitizeiro, que dava sombra ao descanso dos peladeiros. A rua do Fogo e o time de Silva de dona Julita fizeram belas partidas e bastante acirradas. Lembramos de Tifi, Aerton, Jotinha, Leal, Valtinho, Ribinha, Cazuza, Dácio, Bá, Josair ( filho de seu Zé Bem ), Chiquinho de Turene, Danúnzio, Neguinho de dona Inésia, Adroaldo.

Essas lembranças nos vêm à tona de maneira nostálgica, porque aquela infância que tivemos fora revolucionária e havia uma empatia, um intercâmbio cultural fundamental para o desenvolvimento nosso no tocante ao aprendizado da vida.

8/28/2007

BLOCO DAS PRESIDIÁRIAS



Momento crucial e contagiante do carnaval da Princesa do Sul do ano de 1964, quando a sociedade florianense desfilava nos salões do Floriano Clube e Comércio Esporte Clube com galhardia, tendo em vista o sentimento lírico que despertava grandes emoções em nossos foliões.

As meninas em destaque na foto na cobertura do saudoso Leuter Epaminondas é o bloco d´As Presidiárias, grupo bem animado e que foi até premiado como o mais original. Essa formação, da esquerda para a direita, o bloco está representado por Geisa Kalume, Luiza, Lourdes Neiva, Rosália Carvalho, Violeta Martins, Maria de Jesus, Rosilma Matos e Teresa Attem.

Como bem disse o professor Luiz Paulo, em seus belos Flagrantes de uma cidade, esse carnaval de sessenta e quatro foi um dos mais espetaculares, com a juventude local se esbaldando de alegria e formosura e que deixou uma imensa saudade.

CONSTRUÇAO


Foto dos arquivos da Prefeitura da administração do prefeito Chico Reis, nos anos cinqüenta, quando o caminhão do senhor Tunga despejava material para a construção da ponte dos correios no riacho da Onça.

Floriano estava atravessando um momento decisivo, dentro do contexto político, social e desenvolvimentista. Havia otimismo, idealismo e muita vontade de crescer. A auto-estima de nosso povo era contagiante.

Mas o futuro chegou e as coisas começaram a tomar outro rumo. Floriano entrou em decadência, mas aos poucos voltou a crescer e há uma expectativa de novas mudanças. O contexto político no momento atual se verifica uma nova ordem.

Se for para o bem do povo, vamos ter que aplaudir.

CAMPO


Esse é o nosso antigo campinho de pelada da quinta de Joãozinho Guarda, localizado no cruzamento das ruas João Chico e José Coriolano. Na época romântica, ainda não havia calçamento, mas essa cerca aí permanece como arquivo vivo daqueles tempos.

Foram disputados vários campeonatos nesse saudoso areião que havia, inclusive torneios de voleibol. Os irmãos Zé de Sousa e Raimundo Carvalho vinham de férias de Brasília e traziam um gravador para narrar as partidas. Ainda hoje há uma fita guardada com essas locuções. Uma loucura.

Temos saudades daquela época dos anos setenta. Aquela turma, hoje, está espalhada pelo Brasil a fora, onde foram buscar novos caminhos na vida; de qualquer forma, fica o registro daquela época maravilhosos que o tempo nos levou.

8/27/2007

QUARTETO FANTÁSTICO


Voltando a relembrar do futebol amador florianense, da fase romântica, eis que nos deparamos com essas quatro figuras ( foto ), quarteto fantásico, que jogava bola no passado e fizeram grande sucesso.

Pela ordem, os irmãos Gerardinho, Puluca, Nonatinho e Janjão, que moraram, ali, na rua Defala Attem, foram jogadores que disputavam tudo no campo dos artistas, no Ferroviário, no Mário Bezerra e nas quadras de futebol de salão, tornando-se campões em quase todas as competições de que se disputavam à época.

Hoje, eles estão aí na luta, mas participando, também, do seu lazer turístico, que ninguém é de ferro, visitando as belas cidades do interior do estado do Goiás. É a velha guarda de nosso futebol buscando novos horizontes.

CASARAO


Construído no final dos anos trinta, esse lindo palacete, de propriedade da família do casal Orfila Leão e Iles Leão, já falecidos, é um dos painéis arquitetônicos que mais embelezam a cidade.

“Telhado bem movimentado e bastante inclinado, de telhas francesas e com beiral coberto por tábuas de empena. Tem a parte de cima ( dormitórios, sacada, sala ) e a parte social. Ingressa-se nele através de um arco pleno, emoldurado e sobre ele um vão aberto com guarda-corpo em alvenaria vazada. Todo o conjunto forma uma edificação eclética e extremamente simpática” – descreve o professor Luiz Paulo em seu Flagrantes de uma cidade.

Atualmente, foi reformado, juntando o antigo com o moderno, exaltando novas e belas formas arquitetônicas. Funciona, ali, uma pizzaria com muita movimentação. Precisamos preservar e restaurar nossos velhos monumentos casários.


8/25/2007

POR ONDE ANDA


JOLIMAR

Ainda na fase romântica, nos antigos torneios de amadores, campeonatos disputados em nosso tradicional campo dos artistas, o atacante Jolimar ( na foto ao lado jogava de goleiro no São Paulo de Carlos Sá ) começa a despontar como revelação, tendo se destacado decisivamente nos times em que jogou.

Com o tempo, tornou-se um excelente atacante do futebol florianense, destacando, inclusive, na seleção de Floriano, fazendo muitos gols ao lado de seu companheiro de ataque Cléber Ramos.

Depois de seu apogeu, desapareceu de Floriano. Muitos se perguntam: por onde anda aquele cracasso de bola, que deitava e rolava pelos campos de Floriano? Quem tiver ou puder comentar o seu sumiço, pode postar ou comentar.

Os fãs de nosso futebol agradecem.

8/24/2007

RESENHA DE CHICO CANGURY


Sempre em nossas aventuras, o meu primo Francisco José Amorim, hoje Agente Fiscal da Receita Estadual em Floriano, acompanhava-nos, não era bom nadador, mas tinha sempre a companhia de uma câmara de ar para ajudá-lo a atravessar o Rio e tirava de letra, chegando na frente de todos.

Certo dia, porém, ao atravessar o Parnaiba, em um local de grande correnteza, a borracha que tampava o pito da câmara soltou-se e Chico José tampou com uma mão e, para poder manter o equilíbrio, segurava a câmara com a outra mão e não tinha como remar para chegar à outra margem, pois usava as mãos como remo e as pernas para equilibrar o bote.

Quando observei que ele estava com problemas, nadei apressadamente até onde estava, disse-lhe que ficasse tranqüilo e coloquei os dois pés dentro da câmara de ar, e saí puxando, utilizando o famoso nado de cachorro, que sempre usávamos quando estávamos cansados.

Foi um sufoco danado, para levá-lo até à margem, cheguei nas últimas, já sendo ajudado por Chicolé e outros companheiros. Graças a Deus chegamos em casa em Paz e hoje estou externando esta resenha e que pode ser confirmado pelo o ator maior e os coadjuvantes, como Chicolé, Firmino, Raimundo Bomfim, Antenor e outros.

E assim Floriano vai tornando-se Rainha e nós vamos envelhecendo-nos, mas revivendo sempre o seu passado e as nossas vidas cotidianas.

FERAS DAS REGATAS


Essa é uma das duplas famosas das antigas regatas de julho, que fazia sucesso no seu momento mais lírico nos anos sessenta. Essa competição despertava o interesse geral do público de Floriano. O cais do porto ficava contagiado, movimentado, voltado para o que desse e viesse. Época romântica.

Os amigos José Wilson Pereira e Pedro Attem ( foto de 1964 ) competiam com simpatia e determinação aquelas belas corridas de canoas. O parnaíba , ainda, era caudaloso e os seus remansos perigosos.

Temos saudades daquela época, que os anos não trazem mais; portanto, temos que relembrar, resgatar essas tradições que no passado faziam a diferença na Princesa do Sul. Seria importante termos de volta as nossas tradicionais regatas, mas alguém tem que tomar a iniciativa.

Estamos, aqui, torcendo pelo retorno das REGATAS DE JULHO!

8/23/2007

PRINCESA DO SUL


O time do PRINCESA DO SUL, que também disputará a segunda divisão do campeonato piauiense de futebol, também fez amistoso na cidade de Francisco Ayres, derrotando a seleção local pelo placar de quatro tentos a dois.

A sua estréia na segundona será contra o time do Flamengo de Teresina. Esperamos, também, que o Princesa faça um bom papel nessa difícil jornada, resgatando, assim, a hegemonia de nosso futebol.

Tem que haver seriedade e disciplina, sem conflitos e fofocas. Vamos promover a prata da casa e sair com resultados positivos.

Quem viver, verá!

Foto: www.noticiasdefloriano.com.br

A VOLTA DO CORI


O Cori – Sabbá estreou, nesta última quarta-feira, no estádio Tibério Nunes – o TIBERÃO, o seu novo time, que disputará a segunda divisão do campeonato piauiense de futebol. A partida foi contra a equipe dos Atletas do Futuro, vencendo pelo escore de dois a um.

Esperamos que, desta vez, o time do Cori venha surpreender e fazer bonito nessa nova empreitada, porque o vexame dos últimos campeonatos deixou a imagem de nosso esporte no fundo do poço.

Os novos dirigentes precisam incentivar a prata da casa, treinar bastante e ter o poder de superação para alavancar bons resultados.

Foto: www.noticiasdefloriano.com.br

MUSEU DO AUTOMOVEL


MUSEU DO AUTOMÓVEL

O Museu do Automóvel de Floriano, pertence a Teodoro Ferreira Sobral Neto, que é sócio do Clube de Veículos Antigos de Brasília – DF, vinculado ao Veteran Car Clube do Brasil.

Em um galpão com 288m² estão expostos diversos tipos de veículos antigos: automóveis, caminhões, pick-up e bicicletas.
Conta também com um acervo de fotos de veículos, revistas especializadas e acessórios diversos.
Os amantes do antigo automobilismo se deleitarão ao visitar este acervo, que conta com vários veículos, e está constantemente adquirido mais unidades.

A montagem do Museu do Automóvel de Floriano foi feita patrocinada pelo Laboratório Industrial Farmacêutico Sobral:

CURIOSIDADES

0s primeiros carros que chegaram em Floriano foi no ano de 1915 (antes de Teresina), eram de propriedade dos engenheiros da companhia de construção da estrada federal Floriano / Oeiras (a primeira estrada federal do Piauí) cuja sede era aqui. Os seus proprietários eram: João Luis Ferreira, Luis Mendes Ribeiro Gonçalves e Dr. Humberto.

Em 1920, Juca Carvalho chegou de Tauá - CE para Floriano trazendo um carro. Em seguida chegaram outros carros de propriedade dos Srs. Francisco Leão, José Fonseca, Major Carlino Nunes, José Guimarães, Artur Mousinho, Dr. Theodoro Sobral etc

O primeiro carro branco (todos eram pretos) de Floriano foi do Sr. José Nunes Loiola.
A primeira de habilitação de motorista em Floriano, foi do Sr. Antonio Rocha (com 84 anos) no ano de 1936.

Fonte: http://www.florianonet.com.br / Pesquisa: Umbelina Gadelha

CORI - SABBÁ


HISTÓRICO

Nasceu da junção de dois times: Corinthians e Posto Sabbá, resultando no singular nome de Corisabbá. Disputa o campeonato estadual desde 1991.
Fundação: 24 de Maio de 1973
Fundador: Carlos Augusto (Pompéia)
Uniforme: Camisa com estampa preto e branco, calção preto e meias brancas
Títulos: Campeão Piauiense 1995
Participações Nacionais: participou da Terceira Divisão 95, 96 e 98.
Foi campeão piauiense em 1995.
1996 - disputou da Copa do Brasil
Participações Estaduais:
Primeira Divisão: 1991 a 2003
2001- Nelson Mourão, de Niterói, Rio de Janeiro é o comando técnico do Corisabbá, de Floriano, para a disputa do título do Campeonato Estadual de 2001.
2003 - O Corisabbá não conseguiu dinheiro para montar um time competitivo.
Bitonho foi o autor do gol que deu a vitória de 1 x 0 ao Corisabbá contra o Botafogo do RJ, em 1996 pela Copa do Brasil.
Contato: rua Aluízio Ribeiro, 999 - CEP 64800-000 / Floriano/PI
Tel. (89) 3522-3073. Estádio: Tibério Barbosa Nunes, 8000 - Presidente 2004: Galdino dos Reis Oliveira

Fonte: http://www.acervo.floriano.pi.gov.br

8/22/2007

DIPLOMA


Modelo do diploma da antiga Escola Progresso de Dactilografia, de propriedade do senhor Antonio de Melo Sobrinho ( ex – funcionário da antiga Casa Inglesa em Floriano ). Essa escola era localizada na rua São João na altura da TELEPISA.

À época, fazia-se necessário ter-se o curso de dactilografia em currículo e quem dispunha desse treinamento estava praticamente garantido no emprego. Nos concursos em que havia, naquele tempo, a prova de dactilografia era eliminatória: quem fosse mais rápido na construção do texto, passava direto. A concorrência era terrível.

Hoje, com a informática, tudo mudou; mas a escola do senhor Melo deixou um legado diferenciado na revolução romântica daqueles bons tempos. Era tão grande a importância desses certificados ( foto ), que quase todo mundo colocava seus diplomas em quadros e afixavam nas paredes de suas casas para enfeitar e orgulhar-se do curso.

8/21/2007

RETORNO AO PASSADO


Estamos voltando ao tempo, em 1948, exaltando a nossa bela matriz, mais provavelmente numa tarde quente na Princesa do Sul se preparando, talvez, para uma chuva de verão. Vê-se, à direita, o casarão dos Demes e os primeiros arvores se erguendo na praça e em torno da antiga avenida Álvaro Mendes.

A praça já estava bem delineada e aquela calmaria expressava bem a jovem e romântica Floriano, já com os seus quarenta e nove anos de existência à época.

Hoje, completamente mudada, essas lembranças nos envaidecem bastante e nos trazem muitas saudades dos tempos de outrora, que os anos não trazem mais. Precisamos mais vezes amar essa nossa bela terra, exaltá-la, promovê-la ao bem estar de nossa população.

Fonte: Flagrantes de uma cidade / Professor Luiz Paulo Lopes

DO OUTRO LADO DO RIO


Costumávamos tomar banho no outro lado do rio, naquelas praínhas que se formavam no meio do rio. O mês de julho nos proporcionava essa alegria toda e, muitas vezes, atravessávamos o rio a nado, de câmara de ar ou de bananeira, para poder chegar àquelas belas praias da Barão. Época romântica.

O tempo foi passando e as coisas foram mudando. Hoje, o contexto é outro: há muita folia, barraquinhas e muito som. As peladas não mais existem, mas o relax com um bom churrasco e mais uma geladinha do lado é chamativo. Além desse aperitivo, ainda há as belas morenas do lugar.

Só precisam as autoridades competentes, dos dois municípios, proporcionar ou incentivar o turismo naquela área, tornar dinâmica, efetiva e mais conhecida para turistas ou visitantes e com o item segurança sendo fundamental. E o resto é correr para o abraço

Foto: Agamenon Pedrosa

8/20/2007

POR ONDE ANDA ?


CABEÇAO

Outro grande jogador de bola que fez fama na época romântica de nosso futebol foi o atacante Cristóvão do Ferroviário de Floriano, mais conhecido como Cabeção, contratado pela diretoria comandada pelo senhor Deusdete Macarrão nos anos sessenta, vindo mais precisamente do estado do Ceará.

Cabeção se tornou conhecido e famoso por aqui, participando de várias competições pelo Ferrim, inclusive pelo campeonato piauiense ( como na foto ). Ele é o segundo agachado da esquerda para a direita. Junto com outros cobras de nosso esporte bretão, o Ferroviário se sobressaiu bem na epopéia lírica de nosso futebol.

Na escalação da foto, observamos o time do Ferrim, quando disputava o campeonato de sessenta e seis em jogo realizado em Teresina: Valdevino, Sostenes, Zequinha, Pequi, Pompéia, ____, Júlio Silva ( técnico ) em pé; Carrinho, Cabeção, Lino, Vicentinho e Valdemiro, agachados.

8/18/2007

GINASIO PRIMEIRO DE MAIO


Bela tomada extraída da inspiração do fotógrafo Agamenon Pedrosa do nosso tradicional Ginásio Primeiro de Maio. Conservando, ainda, suas características originais, esse bonito edifício nos reporta aos tempos românticos.

Hoje, com a cidade enfrentando o novo progresso, sentimos a falta de arvoredos por entre os seus arredores. Não há mais os oitizeiros e as sombras de antigamente. O asfalto tomou de conta das avenidas de Floriano.

Os prédios estão ficando com mais novos coloridos; no entanto, precisamos ficar atentos com relação ao nosso patrimônio arquitetônico: fazer um alerta às autoridades competentes, no sentido de se evitar futuros abusos.

Floriano merece continuar bela como sempre.

Foto: Agamenon Pedrosa

8/17/2007

FLUTUANDO


Estamos observando uma tomada bastante saudosista da década de sessenta. O local aí é o nosso tradicional Flutuante em 1964, apresentando figuras ilustres da política e da construção da Barragem de Boa Esperança, que estava no auge.

Numa boa descontração, tomando um três quinas, o José Fontes, o engenheiro Canabrava ( chefe das obras de Boa Esperança ), Licinio Martins, Pedro Atemal, Luiz Campelo, Tibério Nunes ( óculos escuros ) e o piloto da Mendes Júnior, Geraldo Borges.

A Construtora Mendes Júnior foi a companhia que construiu a Boa Esperança e, segundo o professor Luiz Paulo, em seu livro Flagrantes de uma cidade, lançado no centenário de Floriano, em 1997, são momentos que nos trazem bastante saudades.

8/16/2007

CASARAO II


Residência assobradada, estilo europeu, construída no final dos anos trinta por Afonso Nogueira para o seu filho Ataliba Nogueira, que estava prestes a se casar, segundo nos conta o professor Luiz Paulo em seu livro. Localizada na rua padre Uchoa, esse casarão nos causa, realmente, um sentimento lírico e nos reporta aos tempos de outrora.

Naqueles tempos havia, nessa robusta mansão, jantares, saraus, aniversários e toda uma poesia de costumes. A sociedade local marcava presença, sob os auspícios de dona Apolônia, a anfitriã da casa.

Hoje, totalmente restaurada, essa bonita residência, construída pelo empresário Afonso Nogueira, é algo, assim, místico e um marco arquitetônico fantástico que a cidade tem e que, pela lente magnífica e inspiradora de Agamenon pedrosa, podemos prestigiar essa bela tomada.

Foto: Agamenon Pedrosa

8/15/2007

CASARAO


Traços fotográficos da mansão residencial do senhor Hermando Brandão, figura ilustre da política e da vida social de Floriano.

Esse casarão foi construído na década de vinte e havia constantemente saraus poéticos, musicais e reuniões políticas, onde se decidia assuntos ligados ao desenvolvimento da cidade.

Dona Sinhá, a anfitriã da mansão, era quem administrava as festividades que aconteciam por lá. Gente finíssima da sociedade local à época.

No entanto, na cheia do ano de 1926, a mansão foi destruída pela força das águas do Parnaíba, vindo os seus proprietários a mudarem da residência famosa.

FLAGRANTES DO PASSADO


O registro mostra as CASAS PERNAMBUCANAS na década de cinqüenta. Observe-se a construção, os ornatos da platibanda e a calma de um dia qualquer. Outrora aí funcionou a famosa CASA LU de Luiz Ribeiro Gonçalves.

Do lado de cá da rua a MASCOTE e, depois do canteiro, a ROSA DE OURO, onde se vendia revistas e gibis.

Na rua, passantes, e a vida ainda pacata da Floriano de outrora. Reviver flagrantes, como esse, onde recuamos no tempo, não deixa de ser bastante telúrico, não ?

Fonte: Flagrantes de uma cidade / Professor Luiz Paulo Lopes

POR ONDE ANDA ?


GUINÉ

Por onde será que anda o nosso amigo Reinaldo, mais conhecido como Guiné, que jogava no gol de vários times locais, inclusive na seleção de Floriano, disputando campeonatos importantes, como o intermunicipal.

Guiné era um excelente goleiro e abafava, defendendo chutes diversos de vários craques nas disputas dos torneios e campeonatos amadores locais. Foi um dos melhores goleiros que passaram pelo futebol da Princesa do Sul. Residia, ali, no rumo da rua Castro Alves, perto da antiga cadeia pública.

Quando jogava pelo Clube de Regatas Brasil de Almeida ( foto ), Guiné fora absoluto no gol no início dos anos setenta, sendo campeão várias vezes.

Quem souber do paradeiro de Guiné, se quiser postar uma matéria, podem ficar à vontade. Vamos nos unir para resgatar a época de ouro de nosso futebol, que os anos não trazem mais.

( RE ) ENCONTRO


Como esse mundo é pequeno; não, grandes são os nossos passos... Pois foi o que aconteceu, num desses ( re ) encontros maravilhosos da vida, que causam grandes emoções e muita felicidade.

Depois de vários anos, eis que se encontram, no Rio de Janeiro, nada mais, nada menos do que os amigos de infância Carlos Pechincha, filho de seu João Guerra e que jogou no Palmeiras de Bucar e o Tibério, filho de seu Melo da Escola Progresso de Dactilografia e que trabalhou na Rádio Difusora de Floriano e nas lojas de seu Chico Reis.

Botaram o papo em dia, relembrando os bons tempos de Floriano. Dois grandes vencedores, que deram o seu exemplo de luta e bravura diante das dificuldades impostas pela vida.

Precisamos nós todos espelharmos nesses bons exemplos, ainda que tarde, porque sempre há barreiras a serem enfrentadas. São experiências que ao longo da vida conquistaremos, para o bem de nossas famílias.

8/14/2007

CASARAO


Esse é o belo casarão da família Calisto Lobo Matos, um dos prédios mais importantes de Floriano dos anos cinqüenta ( foto ), ainda conservando suas características originais. Fabuloso casarão de famosos saraus poéticos.

Localizado numa das esquinas da mais famosa avenida da cidade, a Getúlio Vargas, o casarão dos Lobo se tornava imponente naqueles tempos românticos, bem visto e fabuloso. Causava emoções e ponto para belas fotografias.

Achamos, apenas, que esse edifício, hoje, precisa ser tombado e recuperado, para que a nossa Princesa do Sul possa tornar-se cada vez mais bela.

8/13/2007

ALFAIATARIA CASTRO


Fotografia da tradicional – ALFAIATARIA CASTRO, de propriedade do avô do Comandante Raimundinho Caboré, nos anos vinte, quando Floriano começava um grande processo de desenvolvimento sócio-econômico. Havia, ainda, muita fartura e a auto-estima do povo era latente.

“A jovem ao centro da foto da esquerda para a direita de quem olha é Josina Castro, mãe do comandante Raimundinho, podem acreditar. Essa informação foi-me passada por minha bisavó quando eu morava ainda em Floriano e éramos vizinhos de Dona Josina Castro” – disse rsaferreira à nossa pesquisa.

Acreditamos, que apesar de muitas dificuldades que atravessamos no atual momento, Floriano ainda pode retomar o seu processo de desenvolvimento, que certamente trará dividendos para a vida cotidiana da cidade.

Para isso, precisamos fazer um pacto de união, parcerias com toda a sociedade local envolvida para essa transição. Poderemos, com isso, até surpreender no futuro. Precisamos tomar alguma iniciativa.

Agora!

PESCARIAS


Temos bastante saudades dos tempos de nossas pescarias. Naquele tempo havia muita movimentação, mas hoje as canoas estão vazias.
Por onde andam os nossos pescadores?

É, os tempos se passaram e temos que admitir essa dura realidade. A expectativa, agora, é outra. Não há mais os tempos de outrora.

No entanto, precisamos seguir em frente. O rio continua lento, preguiçoso e calmo; mas temos que avançar mais rio acima, para buscar novos horizontes.

Precisamos remar e levantar novamente as velas.

Foto: Agamenon Pedrosa

8/11/2007

DE VOLTA PARA A SAUDADE


Esse é o novo visual de quem retorna a Floriano, a avenida Getúlio Vargas repleta de acontecimentos novos.

Estivemos no último carnaval e conseguimos, de dentro do nosso veículo, editar essa imagem impressionante dos dias de hoje, quando estávamos chegando para a festa de momo.

Temos saudades daqueles tempos maravilhosos, que os anos não trazem mais; no entanto, temos que admitir essa nova revolução.

Esperamos, no entanto, que essa nova esperança possa renovar os nossos ideais e acreditarmos num futuro melhor.

8/10/2007

NILO E SEU CONJUNTO


Dos arquivos do nosso amigo Teodoro Sobral, aí está, do fundo do baú, uma bela relíquia do passado musical florianense – o NILO E SEU CONJUNTO, tocando no tradicional Floriano clube no início dos anos setenta.

Tradicionalmente, havia os bailes e aquelas tertúlias que faziam grande sucesso. A entrada dos clubes ficavam disputadíssimas, começava cedo e terminava cedo, também, por volta da meia noite.

Época romântica, que os anos não trazem mais. Na foto, temos o Nilo, o Edivaldo, o Moura do Cavaquinho, o Raimundo José, o José Franco e o Raimundo, tocando as grandes canções de sucesso da época.

8/08/2007

NOITE DO PRAZER


Assustado, permaneço, ali, inquieto nos deslizes da noite. O Flutuante, soturno, recebendo seus poetas e itinerantes, mergulhados na solidão noturna do cais do porto. A lua brilha e ilumina a beira do rio serenamente. Os ventos sopram o som dos tambores das macumbas distantes.

Olho ligeiramente para o contorno da noite. O som delirante dos carros de som, espalhando os axés ensurdecedores. Não há como reverter mais, voltar ao que era dantes. Os seresteiros estão mortos.

Mas a noite ainda vive os carnavais em seus arrastões populares e o povão delira nas madrugadas dos prazeres do cais do porto. As danças e a sensualidade das noites espantaram os forrobodós e o colorido se espalha no corrimão dos trios elétricos comandando a nova folia dos reis.

BEIRA DO CAIS


Aquelas nossas travessias, certamente, que davam pé; o Parnaíba nos proporcionando um sol magnífico, algo lírico, para atravessarmos bem os remansos perigosos e chegarmos às areias das praias de julho. Do outro lado, a paisagem exuberante das ribeiras, exaltando suas lavadeiras.

Aqueles tempos maravilhosos nos envaideciam, sorrateiramente. Os assobios nossos ecoavam com o vento forte, quando tirávamos os pulos mortais e as tainhas compenetrados.

“ O pique-nique foi bom, mas a volta é que foi tão triste”. A bela canção do Wanderley Cardoso guardando na memória esses momentos saudosos e eternos que passamos e que certamente estarão gravados para sempre em nossos corações.

Foto: Agamenon Pedrosa

8/07/2007

POR ONDE ANDA


CAÇULA

Por onde será que anda o piolho de bola Caçula, filho de dona Tintô. Morava, ali, perto da oficina de João Veleiro. Disputara vários campeonatos na época dos torneios amadores do campo dos artistas.

Nesse tempo ( foto ) em 1964, quando jogava pelo São Paulo de Carlos sá, Caçula ( terceiro em pé da esquerda para a direita ) jogava no meio de campo, distribuindo bem as jogadas.

Algumas vezes, atuava como juiz naqueles torneios dos anos sessenta e, em certa ocasião, numa tarde disputadíssima no campo dos artistas, Caçula, na moral, marcara um pênalti decisivo mas polêmico entre Botafogo de Gusto e Santos de Cuia; de repente, a turma corre pro rumo do árbitro, dizendo que iria pegá-lo lá fora.

No entanto, preocupado, finalzinho de partida, Caçula, esperto, correra feito doido para o rumo do muro ( é o besta ), assoprou o apito agitando os braços e finalizara a partida, saltando o muro e se mandando na tubada.

RETRATOS


SENTADOS NA CALÇADA

Antigamente, ainda se podia sentar nas calçadas de nossas casas para jogar conversa fora. A meninada, esperta, brincando de roda e os nossos pais se articulando para com o nosso futuro.

Na bela fotografia ao lado, dos anos cinqüenta, estamos vendo uma cena localizada na rua José Coriolano, ali, depois do Cruzeiro, nas calçadas da residência de mestre Valter, que tinha uma oficina de bicicleta detrás da igreja matriz.

Pela ordem, lembramos de dona Loudes e seu Melo e, logo abaixo, sentados, os meninos Ubaldo Dácio, Tibério, Divaldo, Djalma e a nossa bela tia Maria Serva de Melo, que trabalhou nas Casas Pernambucanas.

8/06/2007

POR ONDE ANDA


Por onde será que anda o nosso amigo Fábio de Jesus, que antigamente tocava no conjunto OS BRAVOS ( foto ), junto com baixista Irapuan Leal, o guitarrista solo Antonio Alberto Pimentão e com o baterista Raimundo Neiva ( o Neivinha ).

Quem souber do paradeiro dessas figuras, que no passado deram a sua contribuição em prol de nossa grandes festas do passado, não esquecer de postar o seu comentário, certo?

Vamos valorizar a nossa cultura.

MUSEU DE TEODORO


Fizemos uma visita esperta ao Centro Cultural Teodoro Sobral, quando estávamos aproveitando a festa de carnaval deste ano. Presença de figuras ilustres ( Carlos Sá, Puluca e Teodoro na foto ) fazendo suas anotações e revendo o passado de Floriano.

Inaugurado durante a realização do PRIMEIRO ENCONTRO DE FLORIANENSES 10 ANOS DO CENTENÁRIO, em julho último, o museu de nosso amigo Teodorinho tem dado grande contribuição aos pesquisadores e à turma da velha guarda, onde estão revivendo os bons momentos do período romântico da Princesa do sil.

Iniciativas como essas é que fazem Floriano continuar a dar bons frutos. As parcerias precisam vir à tona para procurarmos tornar dinâmica mais ainda a revolução de nossa cultura e de nossas tradições.

CARNAVAL - 2007


Dentro do contexto revolucionário do carnaval romântico de Floriano, o Comércio Esporte Clube reuniu a velha guarda da Princesa do Sul. Figuras ilustres dando um show na dança das marchinhas carnavalescas.

Nada mais nada menos do que os nossos amigos Zé Afonso Kalume, Selvu, Phillipe Salha, Antonio Filho e José Demes ( Ieié ), resgatando os bons tempos da festa de Momo.

O nosso carnaval a cada ano que passa, volta a brilhar. De qualquer forma, ainda precisamos melhorar mais. A COC precisa de mais parcerias para poder resgatar as nossas tradições.

8/04/2007

DE VOLTA PARA O FUTURO


Vejam só que bela paisagem dos tempos românticos, mais especificamente na década de setenta, quando aqueles antigos pontões transportavam e escoamento a nossa produção rumo à Amazônia.

O famoso pontão de Pedro Caetano ( foto ), o Estrela Dalva, em grande formosura. E, para não passar em branco, observamos a presença do professor Altino do Estadual, que andava tirando uns mergulhos nas águas do velho monge ao lado de seu filho Marlon.

A propósito, o professor Altino, hoje, mora na Capital piauiense, aposentado e de bem com a vida, que continua nos proporcionando emoções fortes.

8/03/2007

GALO MAGO - POR ONDE ANDA?



MEMÓRIA DO FUTEBOL FLORIANENSE, por onde anda o grande goleiro Galo Mago ( foto ), que jogou em vários times do futebol florianense? Quem arrisca a comentar o seu desaparecimento?

Comenta-se que, ainda nos anos setenta, esse famoso goleiro fora jogar no futebol de Imperatriz. De qualquer forma, estamos tentando resgatar, através deste quadro, figuras ilústres que brilharam ou que tiveram uma passsagem significativa no contexto do futebol local.

Galo Mago chegou a jogar no Ferroviário, Palmeiras de Bucar, Flamengo de Tiberinho e no Cruzeiro ( foto no estádio Mário Bezerra ), ganhando vários campeonatos. Quem, por acaso, souber do paradeiro ou descobrir alguma história de Galo Mago, pode postar um comentário aqui, certo?

8/01/2007

CAIS DO PORTO


Terminadas as férias de verão, o cais do porto volta à sua normalidade e vamos dar continuidade à luta por dias melhores. O sol escaldante nos deixa espertos para vencer a batalha do dia a dia.

Mesmo sem as regatas de julho, a nossa beira do rio revela sua imensidão e a paisagem ( foto ) nos transporta aos bons tempos. As algarobas sombreando os lugares dali nos dá uma sensação de alívio e poesia.

Os carros sonoros, com esses terríveis forrós tecno-bregas nos dão uma certa trégua, ninguém sabe até quando. Vamos aproveitar para escutar uma boa seresta e um som mais bossa, um blues ou umas músicas executadas pelo violonista Manoel Filho.

E vamos seguindo de mansinho