7/11/2007

MATRIZ




Belas foram e serão sempre as tomadas extraídas da inspiração de vários fotógrafos, poetas e amadores de nossa bela catedral São Pedro de Alcântara. Cada uma mais bonita que a outra. Muitas cores e o cenário de seus arredores em constante mudanças.

Mas a fase áurea que lembra muita magia e poesia foi aquele período dos anos sessenta e setenta, com o coreto, os belos bambuais, aqueles bancos lá da praça e aquela fonte luminosa; a sertã e o vai-e-vem de jovens enamorados.

No momento, há uma nova paisagem, que estamos adotando, moderna e que chegou para o futuro. Acreditamos que poderemos nos acostumar com essa idéia, mas nunca esquecer daqueles anos dourados, que os anos não trazem mais:

"Tuas arestas não não se curvaram ao tempo; onde estão as tuas andorinhas e os teus meninos errantes? Teus sinos ressoam - sopros de sonhos".

Nenhum comentário: