7/30/2007

DE VOLTAS ÀS MATINÊS


Fazia sucesso nos anos cinqüenta o nosso tradicional – CINE TEATRO ITAPOÃ, onde funcionou no período de 1954 a 1965, localizado na cruzamento das ruas Fernando Drumond e São Pedro. Era de propriedade do senhor Adala Attem.

O prédio é bonito e, hoje, apesar das novas cores, mantém suas características externas originais. Tempos depois, passava para as atividades do – CINE GLÓRIA, tendo como proprietário o senhor Camilo Ferreira, funcionando no período de 1968 a 1974, fazendo a alegria dos piolhos de filmes.

Atualmente, Floriano encontra-se carente com relação a manter um cinema. Com o progresso, as vídeo-locadoras tomaram de conta do mercado com filmes comerciais em sua maioria.

7/28/2007

CARNAVAL - 2007


Voltando, ainda, ao melhor do carnaval florianense deste ano, temos que incentivar a presença de nossos amigos, que puderam, de alguma forma, contribuir para a promoção e divulgação de nossa festa.

Ao lado ( foto ), por exemplo, estávamos no Comércio Esporte Clube, resgatando os bons tempos, quando flagramos a elite de nossa sociedade.

Trata-se de nossos amigos Jorge Filho, Paulo Carvalho ( Paleca ), Nilson Coelho, Marcelo Guimarães e Demetrius na melhor descontração da festa de momo. O melhor da festa, foi quando o arrastão tomou conta do povão, do hotel até o cais do porto na beira do Parnaiba.

foto: http://www.noticiasdefloriano.com.br/

7/26/2007

AVENIDA GETULIO VARGAS


Vejam só, ao que parece, um belo domingo de sol na avenida Getúlio Vargas ( antiga Álvaro Mendes ) nos anos cinquenta, quando ainda havia serestas e poesia. A cidade já dava sinal de grande progresso e a empolgação era geral.

Todos imbuídos de bons ideais e a política em seu grande apogeu.As mudanças, de repente, foram acontecendo e, hoje, há uma correria sem fim em luta pela sobrevivência.

O nosso contexto político atual, agora, é irreversível. Não temos mais a filosofia de vida de outrora.Mas ainda acreditamos numa reviravolta. As mudanças são necessárias, mas precisamos adotar comandos que possam levantar a auto - estima do povo florianense e, nesse contexto, ( re ) viver aqueles bons momentos do passado que nos deram grandes alegrias.

7/24/2007

VELHA SERTA


O tempo passa, mas quando nos deparamos com algumas imagens dessas ( foto ), vem aquela saudade gostosa dos tempos de outrora. Essa tomada ao lado da velha SERTÃ do ano de 1966, exalta a nossa época da jovem guarda.

Lembro-me bem, quando corríamos por ali em época de carnaval, naquele sobe – desce e tomando uma mirinda. De repente, já estamos vivendo um novo tempo, com a meninada estourando nos games.

Se pudéssemos voltar no tempo, brincaríamos mais vezes por entre esses arredores; procuraríamos sair de casa escondido para subir no coreto e ver a fonte luminosa nas noites lá da praça, mesmo sabendo que poderíamos pegar uma sova por chegar tarde em casa.

7/21/2007

FUTEBOL DE SALAO


Estamos disputando neste final das férias de julho, nas quadras da Associação Atlética Banco do Brasil - AABB, o tradicional torneio de futebol de salão férias de verão, evento organizado atualmente pelos desporstistas florianenses Roberto Holanda, Darlan Portela e Mocó.

Trata-se de um importante resgate de nosso futebol. Relembra, por exemplo, os velhos torneios que eram disputados no antigo Comércio Esporte Clube nos anos setenta.

Na foto acima, estamos observamos o time de Teodoro Sobral, quando disputava o torneio do ano de 1972, conseguindo boa colocação. Da esquerda para a direita, em pé, os piolhos de bola Henrique Nunes, José Maria, José Afonso Kalume, Teodoro e Lourival. Agachados, temos o Ivan Demes, Paulo Afonso Kalume e Beja Kalume.

7/19/2007

TRAVESSIAS


Lembro-me, perfeitamente, daquelas famosas travessias e descidas que fazíamos no rio Parnaíba. Muitas vezes, lá do Pateta até chegarmos ao cais do porto. Época romântica. Claro, que não sabíamos do risco que corríamos, mas éramos felizes, literalmente.

Certa vez, eu, Fernando de Né Santo, Chico Lista, Paulo Babá, Pateta, Alvinho, Kebinha, Deda, nego Dunga, Luiz Banana, Chico Pipira, Laurismar, Seudu, Leomar, Cebola, Chiquinho de Turene, um verdadeiro time de futebol -, apanhamos umas bananeiras e zarpamos do posto do professor Ribamar Leal, ali, próximo ao antigo Buraco da Malária. O mês de julho era de um sol extremamente escaldante. O nosso amigo Zé Rubal era só o breu em suas famosas pescarias.

Quando aportamos nas imediações do cais do porto, nas proximidades do remanso, começamos a dar braçadas fortes para sairmos daquele sufoco. Queríamos atingir as coroas, aquelas belas praias do Barão, para jogarmos um futebolzinho de primeira.

Deixa, porém, que seu Cícero Pintor fora avisado de que seu filho Chico Lista estava participando daquela nossa travessia, estava no meio da curriola e ficara escondido em volta do pontão de Pedro Caetano, esperando o traquinas voltar com um pedaço de corda de seden enrolada na mão, para dar uma sova daquelas, vocês sabem.

No entanto, Chico Lista, arguto que só, percebendo o perigo que corria e o que iria acontecer, deu um drible no velho Pintor e correra feito um doido no rumo de sua casa e fora esconder-se no fundo do quintal e só saiu de lá quando as lamparinas de dona Hilda já estavam acesas para dormir.

7/18/2007

VELHA SERTA


A velha sertã ainda nos transporta para os bons tempos. Na sua inauguração, durante a gestão do Prefeito Chico Reis, no final dos anos cinqüenta, diversos artistas e cantores populares participaram da festa de sua inauguração.

Esses traços antigos ( da foto ) nos trás muitas saudades: os seus arvoredos, o sobrado, a fonte e os contornos, lembrando até dos velhos carnavais que brincávamos nos anos sessenta.

Seria de suma importância, hoje, transformar esse nosso tradicional espaço numa galeria de artes, um barzinho típico e com muita folia cultural. Daria um certo prazer, para nós, da velha guarda, resgatarmos essas nossas lembranças, que os anos não trazem mais.

7/17/2007

PRAÇA


Hoje, a praça doutor Sebastião Martins tem uma nova paisagem, totalmente diferente dos tempos de outrora. Quiseram dar uma idéia moderna, uma arquitetura compatível com a realidade de Floriano.

No entanto, temos saudade daqueles bambuais que faziam sombra, do sobe-desce da Sertã, da fonte luminosa, do coreto e dos bancos lá da praça. Não temos mais os corre-corre de meninos brincando de esconde-esconde ou de quemente.

O visual, agora, é outro e as canções que se escutam são os axés e os forrós tecno-bregas; há um certo vazio, não ouvimos mais o Roberto Carlos, a Vanderléa e o Érasmo Carlos. Os tempos voaram e não sabemos para onde vamos ( ? ).

Mas há sempre uma expectativa nova, há um sentimento lírico que nos deixam esperançosos. Se não temos mais os bares Carnaúba e nem o bar São Pedro de velhos carnavais, pelo menos temos uma sensação constante de emoções fortes dos tempos de outrora, que buscamos na simples vaidade de encontrar novas manhãs.

ROSA DE OURO - 1964


Antes de você correr para as matinês do velho Cine Natal, você teria que dar uma passada, necessariamente, na tradicional Rosa de Ouro, para fazer um lanche ou comprar as revistas do Fantasma, Cavaleiro Negro, Mandrake, Tarzan e outros gibis da época.

Esse prédio, hoje, encontra-se de certa forma desfigurado, mas mantendo algumas de suas principais características e nos causa, ainda, uma sensação de nostalgia, quando caminhamos pelos seus arredores.

Construída na década de sessenta pelo seu Camilo, dono do Cine Glória, a Rosa de Ouro atualmente precisa ser restaurada e melhor aproveitada. Seus proprietários atuais deviam receber os incentivos necessários para dar uma dinâmica ao ambiente, como por exemplo, incentivar a criação de um clube do vinil, um sebo ou uma seresta da saudade com músicas de época.

É extremamente vital, a cidade voltar a resgatar seus antigos momentos; reencontrar a velha guarda, dar uma movimentação a mais ao lugar. Floriano é uma cidade linda e que merece de todos nós uma atenção especial e que isso possa provocar grandes emoções.

FERIAS DE JULHO


O mês de julho geralmente é um período confortável, dinâmico e estratégico para quem quer se divertir e sentir-se bem em Floriano. Diversas atividades e movimentos são inseridos nas programações culturais locais para atrair a velha guarda e as novas gerações.

Temos a bela paisagem de nossa matriz ( foto ) e tivemos, por exemplo, recentemente, o 1º Reencontro de Florianenses, que foi um sucesso; a festa do futebol de salão, organizada pelos piolhos de bola Darlan Portela, Roberto Holanda e Mocó; as atividades do aniversário de Floriano, organizada pela Prefeitura; o Cais do Porto ( fundamental ); e a Florifolia para a juventude.

É dentro desse contexto que Floriano desponta para uma nova era, transição essa que fatalmente vai melhorar a nossa condição turística. Precisamos, apenas, do incentivo das autoridades e dos agitadores culturais para movimentar mais a cidade.

7/13/2007

PÔR DA SAUDADE



Estamos sempre procurando resgatar momentos inesquecíveis. O pôr-do-sol do cais do porto, este nos deixa de alma lavada. Contemplar esses momentos épicos nos faz transmitir um sentimento lírico, que agrada o ego.

A época romântica passou e, de repente, nos deparamos com uma nova realidade de consumo: a postura, agora, é outra; de qualquer forma, precisamos sempre acreditar no futuro. Floriano poderá ainda reinar bons momentos.

As autoridades competentes precisam movimentar-se mais, proporcionar aos visitantes e ao nosso povo uma Floriano bem mais limpa, movimentar a cultura e o esporte. As escolas precisam de mais educação esportiva.

Precisamos voltar a saber a matar uma bola no peito e fazer os gols de placa, que fazíamos no campo dos artistas!

7/12/2007

BAU



Dos arquivos de dona Umbelina, conseguimos resgatar esta maravilha da sociedade florianense dos anos sessenta, quando ainda se brincava e se divertia de forma tranquila e absoluta.

Observamos figuras ilústres e gente finíssima que fazia sucesso naqueles tempos maravilhosos. Em pé, o Phillipe Salha, o Renê, Adelmar Rosado, Zé Wilson Pereira e o Zé Wilson Carneiro.

Agachados, temos os irmãos Dimas e Fabio, João Carlos Ribeiro Gonçalves, o Vitor, Dalton, dentre outros, fazendo o registro dos velhos tempos da jovem guarda de Floriano.

7/11/2007

SHOW VISAGEM



Já passaram-se vinte e oito anos, quando o grupo VIAZUL ( foto ) se apresentou no Salão Paroquial com o show – VISAGEM -, evento realizado nas férias de julho do ano de 1979, lotando praticamente todo o teatro local.

O Viazul foi um momento cultural revolucionário na cidade, digamos assim, dentro do contexto social local e congregava a juventude a se identificar com o processo criativo da música florianense nos anos setenta e oitenta.

Na foto, a cantora Célia Reis, José Demes, Adelmar Neiva e Nilson Coelho, dando um banho de interpretação.

Ainda faziam parte da composição da banda o produtor Ricardo Xavier, responsável por letras, cenários e produção.

Devemos esclarecer que conseguimos gravar, à época, em fita cassete, quase todos os shows do grupo e que hoje dispomos em CD-r.

MATRIZ




Belas foram e serão sempre as tomadas extraídas da inspiração de vários fotógrafos, poetas e amadores de nossa bela catedral São Pedro de Alcântara. Cada uma mais bonita que a outra. Muitas cores e o cenário de seus arredores em constante mudanças.

Mas a fase áurea que lembra muita magia e poesia foi aquele período dos anos sessenta e setenta, com o coreto, os belos bambuais, aqueles bancos lá da praça e aquela fonte luminosa; a sertã e o vai-e-vem de jovens enamorados.

No momento, há uma nova paisagem, que estamos adotando, moderna e que chegou para o futuro. Acreditamos que poderemos nos acostumar com essa idéia, mas nunca esquecer daqueles anos dourados, que os anos não trazem mais:

"Tuas arestas não não se curvaram ao tempo; onde estão as tuas andorinhas e os teus meninos errantes? Teus sinos ressoam - sopros de sonhos".

TORRE



Vai-te, poeta, embora, sentir as tuas dores de amores; entrega-te aos teus dissabores; mas não esquece da tua Princesa e das tuas torres. Exalta, fortemente, esses teus amores noturnos.

Pelas ruas e becos, soturno, ultrapassa os entulhos e derrama tuas lágrimas no Parnaiba caudaloso, que sofre de muitas sedes nas ribeiras; aproveita, a propósito, as águas do rio e enche os teus potes, ainda que tarde.

Andas pelas tuas ribanceiras e sobe rumo ao Pateta pelas pescarias do rio afora, que ainda resta um pouco de sol para matar as tuas vontades de ver a cor do verde das tuas matas. Aproveita os últimos lençóis d´água e cobre-te com a tua Princesa e suga o mel de tua musa verdadeira.

Foto: Agamenon Pedrosa

7/10/2007

FLAMENGO DE TIBERINHO



ANO - 1964.

LOCAL - ESTADIO JOSE MEIRELES ( campo do Ferroviário ).

EM PÉ - PULUCA ( jogando pelo Botafogo de Gusto ), PEDRINHO TABOQUEIRO ( in memorian ), LUIZ BOGÓ ( primo de Janjão ), GERÔNCIO, LUIS PARNAIBA ( que morva na Taboca e fundador do Santos ), TIBERINHO ( in memorian ), LUIZ ORLANDO ( in memorian ) E PINGUIM.

AGACHADOS - RAIMUNDINHO, MIGUEL DE DONA BELA E SIQUEIRA.

AS CAMISAS FORAM COMPRADAS NA TRADICIONAL CASA DAS ROUPAS ( localizada na praça Coronel Borges ).

AINDA SÃO CONHECIDOS, DENTRE OUTROS, O NOSSO AMIGO DEDÉ CARVALHO ( irmão de Paleca ), NONATINHO ( Irmão de Puluca ), SOLETA, PEDIM ( irmão de Da Cruz ), DANUNZIO e SEBASTIAO ( irmão de Luiz Orlando ), todos esperando o jogo começar.

ANTIGA PREFEITURA



Ainda permanecendo intacto, o prédio ( foto ) onde acomodava a administração geral da prefeitura de Floriano na Fernando Marques contagia pela sua bela arquitetura. Um casarão antigo, mas já com uma certa modernidade.

A construção desse calçadão, no entanto, tirou o brilho dessas ruas e becos, que precisam de um reparo urbanístico urgente. Floriano precisa restaurar seus belos casarões antigos e outras ruas.

O tempo vai passando, mas precisamos resgatar nossos valores históricos. Os investimentos e as verbas destinadas para tal precisam ser bem aplicadas, para o bem de nosso futuro.

Floriano ainda é bela, mas precisa, urgente, de um retoque, de uma pintura nova, certo?

7/09/2007

AVENIDA CENTRAL



Ah, que saudades que eu tenho da avenida Getúlio Vargas dos carnavais de outrora, das charretes e dos jipes, dos desfiles de sete de setembro e das maratonas da semana do esporte, que os anos não trazem mais.

Hoje, há só o asfalto puro e o progresso comendo solto, com tantos carros e motos desgovernados; não há mais aquela poesia de outras auroras. A velocidade é quem manda. A pressa das pessoas em busca do futuro é um processo doloroso, que nós nem nos damos conta.

A Getúlio ( foto ) numa descontraída manhã, quando ainda adormecem os seus usuários. O seu silêncio, nesse momento, exalta o canto de alguns poucos pássaros em vôos confusos, mas que mostram ainda uma certa harmonia.

Será que ainda teremos outros carnavais, outros corsos como os de antigamente?

Oxalá!

7/07/2007

POR DO SOL



Aquelas tardinhas românticas eram quentes e nos deixavam vaidosos, quando caía o pôr – do – sol. O sorriso nosso expressava poesia, pureza e grandes emoções.

O cais do porto tem esse cenário todo para buscarmos a paz e a tranquilidade. A lentidão do rio expressando bem essa magia, que nos transforma e nos transporta para a beira das paixões.

O mês de julho mostra bem essa paisagem mística, misteriosa dali. Em cada detalhe e em cada canto encontramos os encantos líricos, que nos distraem a melancolia. Saborosos são esses momentos que guardamos e eternizamos suavemente em nossos corações.

O tempo passa, mas permanecem essas lembranças fortes que carregamos vida a fora. A canoa ainda não virou e os barcos, em seu sobe – desce, em transe com os remansos e com as ventanias relicárias que o tempo não apaga.


Foto: Agamenon Pedrosa

7/06/2007

( RE ) ENCONTRO



Foi aberto, ontem, o - PRIMEIRO ENCONTRO DE FLORIANENSES 10 ANOS DO CENTENARIO, com diversas atividades. Até domingo Floriano será palco de encontros entre várias correntes e gerações de pessoas, fazendo, desta forma, um resgate importante para o contexto cultural local.

Essa idéia partiu da iniciativa de Teodoro Sobra e Cristóvão Augusto, com o apoio de outros seguimentos de Floriano. Até domingo, dia 08, aniversário da Princesa, teremos várias festividades.

Além de tudo isso, teremos a inauguração do museu do Laboratório Sobral, localizado na avenida Getúlio Vargas, próximo ao antigo Cine Natal, onde são expostas várias peças do passado de Floriano.

Estão sendo esperados, neste final de semana, muitos florianenses da velha guarda de diversas partes do Brasil, onde farão uma confraternização geral.

7/05/2007

TIBERIO NUNES E AMIGOS


Dentro do contexto romântico da política florianense, conseguimos esta ( foto ) do fundo do baú, editada no livro de memórias de dona Yeda Nunes, com o nosso saudoso prefeito doutor Tibério Barbosa Nunes ao lado de correligionários.

Observamos, ainda, da esquerda para a direita, Francisco Borges ( da rua do Amarante ), os empresários Edmundo Gonçalves, Bonasser, Pedro Attem ( Atemal ) e o senhor Ramos num descontraído bate - papo no Floriano Clube.

Hoje, há uma certa escassez de líderes políticos em Floriano, mas ainda acreditamos numa reviravolta e, de repente, quem sabe, teremos de novo alguém aí se destacando para fazer a diferença.

Vamos ter que aguardar, por enquanto, por muito tempo ( ? ).

Quem viver, verá!

TIBERINHO


Aí está o nosso amigo Tiberinho ( in memorian ), florianenses da gema, que gostava de lutar pelas nossas causas esportivas e, evidentemente, pela nossa cultura.

Tiberinho precisa ser sempre lembrado, pois o amor que sentia por Floriano era extremamente vital. Na época dos torneios amadores de futebol, o seu Flamenguinho arrebentava, ganhava tudo ( até no time de botão ) e só tinha craques, tipo, Cléber, Danúnzio, Pedrinho Taboqueiro, Janjão, Pedro Hélio, Chiquinho, Quinto, Luiz Orlando, Boi Bufalo e o famoso Zeca Zinidor.

Época romântica, que os anos não trazem mais; de qualquer forma, fica aqui o registro desse legado diferenciado que Tiberinho nos deixou: uma conduta positiva em prol do desenvolvimento sócio - GUERREIRO da Princesa do Sul.

7/04/2007

PEDRINHO TABOQUEIRO



Faleceu, recentemente, em Floriano, o nosso amigo Pedrinho Taboqueiro, que no passado defendera vários times do futebol amador florianense, como Botafogo de Gusto, Flamengo de Tiberinho e o Reno de Zé Amâncio, atuando muito bem no meio de campo. Piolho de bola, não saía do campo dos artistas na fase dos torneios amadores. Saía escondido de casa para bater uma bola. Como todo craque daquele tempo, pegava algumas sovas da mãe, que brigava: "vai se assear, menino danado!"

Filho de seu Euzébio ( vaqueiro de Benedito Batista ), Pedrinho sempre foi um jogador clássico, de toque de bola, estilista, esforçado, distribuindo bem as jogadas no meio de campo e fora campeão de várias taças. Ausentou-se de Floriano por um bom período, pois teve que ir para São Paulo vencer na vida nos anos setenta.

Voltando à Princesa, Pedrinho ( ao lado de Cléber Ramos na foto acima ), ainda atuara em vários times e campeonatos amadores de Floriano, destacando-se pela sua moral e categoria.

Uma de suas últimas apresentações, jogando futebol de poeira, foi numa partida em comemoração ao centenário de Floriano ( foto ), junto com a velha guarda do futebol florianense, tipo Vicente Filho, Bigode, Castilho, Gilberto de Honorato, Gilberto Duarte, Geremias, Puluca, Eloneide, Janjão, Soleta, Selvu e Naldinho.

REGATAS DE JULHO



Era gostoso quando chegava o mês de julho. O cais do porto aos domingos era aquela folia. O Parnaiba nos proporcionando belas paisagens, o Flutuante exuberante e as Regatas de Julho exaltando grande movimentação de pessoas ( foto ).

O grande Cícero Damas ( in memorian ) foi um dos competidores que mais ganhou taças. E quem chegava em último lugar, ganhava um litro de uisque. A competição se completava no Clube de Regatas, com muita festa, forró, churrasco e alegria.

Com a retomada e do resgate de nossas tradições, através do encontro dos DEZ ANOS DO CENTENÁRIO, seria importante se tivéssemos este ano a realização deste saudoso evento. Floriano precisa deixar de vez essa coisa do "já teve" e partir para o futuro, certo?