4/27/2007

TORRE


Ainda estávamos começando a perceber da importância que era o desenvolvimento dos anos cinquenta. Floriano respirava ar puro e a produção escoava diuturnamente.

A imponência da torre exaltando uma certa magia, uma poesia flutuante. Deveria ser numa bela manhã, quando seus trabalhadores, felizes e dispostos, arregaçavam as mangas para mais um dia de trabalho.

Hoje, observamos um corre - corre mais forte, burocrático e nítido. A pureza, agora, é outra; não mais poesia: apenas o pôr do sol esfriando o rio, dizendo que ainda há um fiapo de luz para o o nosso desenvolvimento.

Precisamos acreditar nisso.

4/26/2007

DIA PRIMEIRO DE MAIO


Estamos próximo do dia primeiro de maio, festa do trabalhador e das comemorações do cinquentenário de nosso tradicional Ginásio Primeiro de Maio.

Lembramos com saudades dos tempos de outrora, quando a festa do pau de sebo alegrava muita gente e as barraquinhas oferecendo suas comidas típicas.

Hoje, as coisas mudaram, mas ainda sentimos a presença de uma certa magia durante essas comemorações.

Esperamos que este ano haja alguma inovação e mais festa para a comunidade. Precisamos relembrar os bons tempos que ficaram em nossa memória.

4/25/2007

CRUZEIRO - 1971




RELIQUIA DO PASSADO

Em pé, da esquerda para a direita, temos os piolhos de bola Zé Baixinho, Hélio, Raimundo, o famoso Pompéia ( in memorian ), Cesar de Antonio Sobrinho ( cracasso ) e Carlos Alberto de Honorato padeiro.
Agachados, observamos o ataque com Raimundinho, Chinês (tinha o jeito de jogar de Garrincha), João de Filó, Neguinho e Quinto.

Essa era a formação do Cruzeiro do futebol amador de Floriano de 1971, campeão de um torneio daquela temporada, jogando no estádio José Meireles, o Ferroviário ( hoje, surrupiado pela especulação imobiliária, lamentavelmente ).

Os garotinhos abaixo são os filhos de Pompéia.

4/23/2007

CENTRO


Esse é o movimentado painel central de Floriano, dia de semana, quando a avenida Getúlio Vargas é invadida por uma multidão de veículos e pessoas em mais um dia de rotina.

Floriano continua crescendo, assustadoramente, mas precisa de novas lideranças, atuação política firme, para que o nosso produto interno bruto possa gerar mais emprego e renda para a população.

Não podemos ficar atrás. Precisamos crescer ainda mais na educação, esporte e na parte de turismo. Floriano tem potencial. Precisamos de parcerias e acreditar no nosso futuro.

É agora ou nunca!

CARNAVAL - 2007



Concentração do domingo de carnaval do bloco - OS INGRATOS, reunindo foliões e a velha guarda dos carnavais de outrora.

Por lá avistamos o Cesar ( florianoemdia ), Puluca, Zé Uilson, Antonio de Pádua ( o cachimbo ), Zezeca, Manin, Marlenildes, Zé Bruno, esquentando os tamborins.

Logo o arrastão formou-se e a multidão desceu a avenida numa exaltação épica aos velhos carnavais que os anos não trazem mais.

Este é o carnaval da princesa. Próximo ano teremos, com certeza, mais alegria e a volta de nossos tradicionais foliões.

CARNAVAL - 2007



Visão noturna do nosso carnaval - 2007, ali no cais do porto no tradicional bar e restaurante do Raimundão.

A movimentação do frevo atualmente é forte. A concentração dos blocos termina por lá. Reencontramos diversos foliões do passado.

Na foto o primo de Protásio, o Carlos, que estudou com a gente no Estadual nos anos setenta.

Presenças marcantes de Paulo Rios, o Marconi, Pedim Santos ( servidor da Cemar em São Luís ), Zé Uilson, Puluca, Zé Alberto e Chico Borges ( da rua do Amarante ), que lavavam a alma no ronco da cuíca.

Momentos que ficaram marcados e que só o crnaval de Floriano pode proporcionar.

FLAGRANTE


Vista da rua João Dantas com a João Chico, extraída da calçada da casa de Teodorinho Sobral. Tudo muito diferente, mas percebemos que há uma certa magia com a presença dos arvoredos.

O tempo chuvoso exalta poesia e sentimentalismo. Eu estava dando umas voltas, revisitando alguns lugares e becos.

Floriano está mudando, mas ainda há muita coisa para fazer. A cúpula política local precisa respirar novas idéias e proporcionar para a Princesa do Sul um rumo novo que possa melhorar a auto-estima de seu povo.

Não podemos fraquejar. É preciso superação diante das dificuldades que todos atravessamos.

AINDA NO CARNAVAL


O nosso carnaval é bom porque sempre nos reserva esses reencontros épicos, tipo que mexem com o brio de nossas emoções.

De repente, quem chega em Floriano, o nosso grande amigo Chico Borges, dez anos depois de ter voltado à velha Floriano.

No Flutuante ( foto ), fizemos a base; mais tarde, fomos subir a beerre para o arrastão do prefeito. No hotel do Jorge Batista, reencontramos outros velhos amigos.

Precisamos desses momentos importantes, para que possamos recarregar nossas baterias, para guentar o tranco depois. O perfil de nosso carnaval mudou, tudo bem, mas temos que dar graças a Deus em nos proporcionar esses momentos inesquecíveis.

4/21/2007

ANTIGO FERROVIARIO




Foto atual tirada no último carnaval, ali, no cruzamento das ruas João Chico com a João Dantas; observamos, portanto, a esquina do antigo estádio José Meireles ( o campo do Ferroviário ), hoje, totalmente diferente dos velhos tempos.

As mudanças e as atitudes foram bastante radicais no tratamento harmônico para com o nosso patrimônio arquitetônico.

Não havia, certamente, à época, fóruns ou debates ou algum tipo de discussão para melhor projetar a harmonia de nossos prédios e se posicionar sobre essas mudanças que aconteciam.

Ficamos nessa época órfãos e à mercê do desenrolar político ingênuo de nossos dirigentes.

Os tempos mudaram e chegou a hora, portanto, de se recuperar o tempo perdido. Floriano precisa reverter esse quadro e voltar a crescer naturalmente.

4/20/2007

TRIO ROMANTICO


O período carnavalesco florianense sempre nos reserva encontros memoráveis e esses registros são sempre interessantes, dentro do contexto da história de nosso futebol.

Pois bem. Estávamos passando por ali perto do antigo Ferroviário, na rua João Chico, quando resolvemos parar na casa de Luiz Orlando.

De repente, lá estavam o ex - goleiro da seleção florianense João Martins, Zé Uilson ( tinha visão de jogo ) e o seu irmão Sebastião ( foto ), que atuaram no futebol de poeira do passado.

Fizemos um apanhado de histórias da época romântica. Hoje, lamentavelmente, estamos atravessando uma fase difícil, principalmente no profissional.

Precisamos mudar radicalmente essa realidade. Floriano precisa retomar sua auto - estima e o esporte é uma das saídas. Precisamos voltar a incentivar essa rapaziada nova que quer chegar junto e que tem vontade de crescer na vida.

4/18/2007

EDUCANDARIO SANTA JOANA DARC


Com uma fachada, hoje, super moderna, o nosso tradicional Educandário Santa Joana Darc ainda promove e desenvolve uma excelente filosofia de ensino, proprocionando aos nosso jovens florianenses bons caminhos para o seu futuro.

Recentemente, no dia primeiro de março, esse Educadário comemorou 56 anos de bons serviços prestados à comunidade florianense.

Fundado em 01 de março de 1951 pelo dinâmico Padre Pedro de Oliveira ( in memorian ), um ícone da educação na cidade Floriano.

A primeira turma da escola fora formada, portanto, no ano de 1951, dando o passo inicial importante para formar muitas gerações.

4/14/2007

PELADEIROS



Vejam essas duas feras das peladas da Normal e do Campo dos Artistas ainda nos anos setenta. No caso, eles já estavam se aquecendo para os embates.

Trata-se de Pauloinho ( irmão da professora Nitinha ) e Ciço Filho ( irmão de Chico Lista ), procurando reunir a turma na rua José Coriolanon próximo ao Cruzeiro.

Podemos observar que a adrenalina e a rotina contagiavam essa rapaziada para a confraternização no contexto das partidas.

Ainda existia muita confiança, emoções para a prática do futebol de poeira. Esses piolhos, hoje, brilham em outras plagas do Brasil.

4/13/2007

BOCA DE SINO


Quem não se lembra dos tempos da moda da calça boca de sino nos anos setenta. O nosso amigo Carneirinho ( foto ) que o diga: estva impecável, só o talo ( hoje, tá gordo que só ), mas à época estava no auge.

Carneirinho, atualmente, é professor de matemática em Teresina e sente muitas saudades dos tempos que estudou no nosso saudoso Odorico Castelo Branco, lá perto da antiga quinta da Maria Prisulina.

A foto aí foi tirada ali na praça da Liberdade pelo famoso fotógrafo Leuter Epaminondas ( in memorian ), que não perdia tempo: registrava tudo.

A propósito, o seu acervo fotográfico precisa ser preservado. Acreditamos que há muitos registros dignos de serem resgatados. Seus familiares precisam, se possível, editar uma exposição fotográfica para visitas populares.

E quem tiver uma fotografia boa, basta nos enviar, que editaremos com muito prazer.


CASA INGLESA



O prédio ( foto - prédio branco ) onde está instalada a farmácia Santa Adelaide e outras lojas, era de propriedade dos Estabelecimentos James Frederick Clark S.A., fundada em Parnaíba, salvo engano, em 1949 e aqui mantinha uma filial com o título de fantasia de - CASA INGLESA -, em homenagem aos seus fundadores oriundos da terra da rainha Elizabeth.

Mantinha filiais também em Teresina, Campo maior, Piripiri, São Luis, Belém, além a daqui. Como a Roland Jacob, era as duas maiores empresas do nosso Estado, onde sempre foram destaque.

A Casa Inglesa explorava um diversidade enorme de produtos, como tecidos, motores, conjunto de geradores, atendendo a todo o sul do Piauí, Maranhão e o Norte de Goiás, pela filial daqui.

Era representante exclusiva dos produtos Caterpilar, fabricante de tratores, motoniveladoras, escavadeira e outros produtos destinados a construção de estradas. Era também revendedora exclusiva da willys, Overland do Brasil, fabricante do Jeep, rural e Pick-Up, veículos muito em voga na nossa região pela sua robustez no enfrentamento das precárias estadas daquele tempo.
Foi o único revendedor da Fábrica Nacional de Motores, fabricante dos caminhões F.N.M, o alfa Romeo. Dentre os muitos funcionários daquela empresa, lembramo-nos, dentre outros, que graças a Deus estão vivos e gozando de saúde, os prezados amigos Raimundo Marreiros da Costa e Silva, Sátiro de Castro Ferraz, Adelmar Rosado, Nelson Oliveira e Silva (o criador deste importante documentário), Edison Lobão (o Senador pelo Maranhão), José Ambrósio Rodrigues, Juracy de Souza, Manoel Raimundo Feitosa, Antonio de Melo Sobrinho e Antonio Alves de Brito.


A Casa Inglesa era, com a Roland Jacob, os grandes exportadores da nossa cera de carnaúba do nosso Estado.

Pesquisa: Nelson Oliveira / Fonte: www.florianoemdia.com

4/12/2007

CAMPO DOS ARTISTAS



Ainda me povoam a retentiva aquelas saudosas peladas do campo dos artistas, onde vivíamos sorrindo e jogando um futebol arte.

Podia fazer sol ou cair uma bela chuva: lá estávamos jogando a nossa bolinha - Flamengo de Tiberinho, Bortafogo de Gusto, São Paulo de Carlos Sá, Santos de Cuia, América de Bezerra, Fluminense de Fabrício disputando os torneios dos anos dourados.

O negócio é que hoje os campos estão vazios, cheios de mato ou capim. Precisamos voltar a ter alma e seguir atacando pelo meio de campo e voltar a fazer os gols que fazíamos com a vibração romântica com o grito de gol na garganta.

Ainda há tempo!

NO CARNAVAL DA PRINCESA


Sempre me vem à tona essa saudade, que me aperta, lentamente, realçando minha solidão soturna; talvez, tornei-me escravo disso, dessa dor, desse sentimento, desse sofrimento estampado e o coração despedaçado ao encontrar-te; nas águas oceânicas, que inundam a minha vida, por ti chorarei sempre, olhando esse rio, que carregam minhas lágrimas, ternamente; amordaçando essas emoções que sinto, sigo secando o meu pranto, abafando a dor, andando pelas ruas à tua procura, cruzando os becos da cidade; ficarei escalando os montes, sempre; atravessarei o Parnaiba a tua procura; andarei por caminhos pedregosos, largos, estreitos; baterei de porta em porta, entoando canções com teu nome; pedirei ao tempo guarida; deitar-me-ei no colo da esperança, na certeza de um dia encontrar-te novamente, PRINCESA!

CARNAVAL - 2007



O arrastão dos blocos os Ingratos e Tradição, no domingo de carnaval florianense – 2007 proporcionou o reencontro de vários craques do passado do futebol florianense.

Vejam aí ( foto ) a descontração dos ex - jogadores Gildécio ( ponteiro esquerdo ) e Puluca ( meio de campo ), na praça doutor Sebastião Martins, que fizeram também a diferença na fase romântica.

Tanto no futebol de poeira como no futebol de salão, a vontade era a mesma: promover o futebol arte que, à epoca, Floriano não ficava devendo pra ninguém.

Precisamos reeditar aqueles grandes momentos, se houver a união de todos em progresso de nosso esporte, certo?

4/11/2007

CARNAVAL - 2007


Ainda durante o último carnaval, num flagrante espetacular e de extrema inspiração, foram apanhados, de surpresa, os velhos foliões e amigos de infância Chico Borges Filho e o famoso Zé de Tila ( que jogou no Palmeiras de Bucar ).

Era de noite e o Flutuante recebia seus tradicionais carnavalescos para registrarmos esses momentos de pura coincidência.

O negócio é que a idade vai chegando e, se não tomarmos as devidas precauções, a coisa pode tomar outro rumo.

Mas esses meninos sabem o que fazem. Estão sempre brilhando e revolucionando o carnaval da Princesa.

4/10/2007

TME DO PRIMEIRO DE MAIO - 1975



No período da tradicional Semana do Esporte de Floriano, nos anos setenta, diversas agremiações escolares destacavam-se pela espírito competitivo e romântico em que vivíamos.

No caso ( foto ), este é o time de futebol de salão do Ginásio Primeiro de Maio, onde brilharam os mucurebas:

Em pé - Anselmo ( o Motinha, filho de Agusto Mota ), Jorge Paqueroti ( famoso Barata ) e Eduardo Camarço ( o Filho e irmão do treinador Neto Camarço ).

Agachados - Zilton Lages ( irmão do Procurador Kelton Lages ), Fábio Jerumenha e Firmino, tentando se amostrar na calçada daquela conceituada escola.

De qualquer forma, fora uma fase romântica, que os anos não trazem mais. Precisamos, daqui pra frente, incentivar mais o nosso esporte, de forma que possamos revitalizar e mudar essa trajetória negativa que vivemos no momento.

PRIMEIRO DE MAIO - 1976


Essa foto é do time do Colégio Primeiro de Maio, por volta de - 1976, que disputava, à época, a tradicional Semana do Esporte, evento que movimentava a juventude estudantil local.

Tomada extraída durante a disputa dos jogos realizados no nosso tradicional estádio Mário Bezerra, pousando para a lente do fotógrafo Zé Maria, nada mais nada menos do que os piolhos de bola:

Em pé - Alberto, Armando, o zagueiraço Dias ( em começo de carreira ), Edson, Jorge Paqueroti ( Barata ) e Eduardo Carmarço ( Filho, hoje morando em Fortaleza ).

Agachados - o saudoso Rossano ( olha o tamanho da figura ), Carlito, Fernando de Né Santo ( não abria nem pro trem no meio de campo ), Firmino e Benito.

Devia-se retivalizar a Semana do Esporte de Floriano, tendo em vista que a cidade dispõe de uma demanda espontânea bastante forte. Resta, aos nossos dirigentes escolares, a devida iniciativa para uma nova arrancada.

FESTA NA BR - 1975


Esta relíquia de fotografia é de uma festa na antiga BR, por volta do ano de 1975, quando a juventude florianense reunia-se quase que diariamente naquela casa de eventos.

Muita gente conhecida e que agitava a efervescência da fase romântica, como o Issa Mazuad ( in memorian ), Zé Alberto Demes, Rubens Demes, Zé Alberto Borges ( Dito ), Roberto Pernambucano, Eloneide, Firmino, o Nonato da Rosa de Ouro, Carlito do Bruno, Agamenon, o Ricardo Cunha, o Jorge Paqueroti, Fernando de Né Santo, Barbosinha, Rossano, Cinthia, Ondina, Nelson, Genisson, Xuruta, Zé Filho, Zé Valentinho e outras figuras que agitavam nas festas de fim de semana em Floriano.

Tempos que não voltam mais, mas que precisamos reviver através de nossas recordações, que os anos não trazem mais.

4/09/2007

CINE NATAL


Essa é uma visão interna do antigo Cine Natal nos dias de hoje, onde atualmente é um restaurante.

Era nesse local que ficávamos curtindo a telena do velho cinema, fechado no final dos anos oitenta.

Lamentavelmente, a mudança que a vida nos proporcionou ao longo desses últimos anos levou diversos seguimentos importantes da Princesa do Sul a encerrar suas atividades.

A vida cultural hoje precisa ser retomada. O pessoal que cuida atualmente do desenvolvimento sócio - recreativo local precisa buscar alternativas para inserir a Princesa num novo contexto cultural, exalando renovação e criatividade.

4/04/2007

CAMPO DOS ARTISTAS



O CAMPO DOS ARTISTAS era, evidentemente, o grande palco das movimentadas tardes esportivas e, também, das famosas noites artísticas, com os tradicionais circos de arena, mas o futebol amador fazendo o auê principal dos piolhos de bola que freqüentavam aquele areão de saudosas histórias.

Lembramos dos torneios do tempo de Gusto ( dono do Botafogo ) e do time do São Paulo de Carlos Sá ( foto ) fazendo a diferença e a elegria dos torcedores que marcavam a sua presença quase que diariamente.

Certa vez, essa foi verdade, Chico Lista, filho do senhor Cícero Pintor ( in memorian ), estava doido para assistir ao circo, de noite, mas estava sem dinheiro. No entanto, inteligentemente, decidira pegar suas parcas economias e comprara umas duas laranjas da banca de dona Lia. Imediatamente, se meteu no meio da fila do Gran Bartolo Circos.

O porteiro logo o abordara, perguntando pelo ingresso. No entanto, Chico Lista, astuto, se articulando todo, fazendo cara de sério, foi categórico:

- O quê? Eu saí nesse momento pra comprar essas laranjas, tá vendo, não? Num foi, não, Ivan?

Dessa vez o nosso amigo Chico Lista escapou, teve sorte, fora esperto e entrara sorrateiramente sem precisar varar naquela noite ao grande espetáculo circense que fazia grande sucesso nos saudosos anos sessenta, que os anos não trazem mais.

4/02/2007

CORI - SABBA


Enquanto o time atual do Cori - Sabbá dá vexame no campeonato piauiense, temos que admitir a dura realidade de ter que voltar no tempo.

Esse da foto é dos anos oitenta do período amador que, à época, era comandado pelos desportistas Pompéia ( in memeorian ) e Tony Ferreira.

Vejam só a postura e a garra desses atletas, que realmente sabiam suar a camisa e mostrar superação e serviço.

Nada mais nada menos do que os excelentes zagueiros Leomar, Raimundo Galeria e Buema, para dar moral ao ataque. Ainda contava com a experiência de Juvenal no meio de campo.

Tempos que não voltam mais, mas que precisamos sempre alertar: o esporte é fundamental para o crescimento de nosso futebol. Temos que acreditar.

Vamos dar panelada para esse pessoal correr, certo?