2/27/2007

CARNAVAL - 2007



Eu e o nosso amigo Puluca, estávamos cumprindo uma agenda fotográfica, dentro do contexto sócio-cultural de Floriano.

Eis que de repente, encontramos a simpática figura de nossa amiga Maria do Socorro Pereira ( foto ), mais conhecida como a famosa Pereirona.

Segunda ela, - "as dificuldades atualmente são muitas, não tive filhos, mas criei vários sobrinhos e, no momento, venho sentindo problemas nas pernas..."

Ela disse, ainda, que estava sendo homenageada pela Escola de Samba Estrela Cadente e que ia desfilar no carnaval de qualquer jeito.

Depois de um bom papo, ela deu uma bela olhada em nosso rumo e puxou pela memória:

- Eu ainda acho que conheço vocês de algum lugar... Estou certa?

Duvidamos, se muitos de nossos leitores não reconheçam dona Socorro, essa grande figura dos tempos românticos, que os anos não trazem mais.

MUSEU



Estávamos no sábado de carnaval com a curiosidade aguçada, visitando o espaço cultural de nosso amigo Teodorinho Sobral.

De repente, encontramos o nosso amigo Carlos Sá, um amigo e o seu sobrinho, onde pudemos recordar os velhos tempos.

Segundo nos passou o Teodoro, a intenção é oficializar a abertura do museu para o público, brevemente e, no meio do ano, em julho, será realizado, dentro da programação de aniversário de Floriano, O RETORNO AO CENTENÁRIO - 10 anos depois.

A intenção é reunir o pessoal da cultura e a comunidade local para participar de uma vasta programação festiva e sócio-cultural.

2/26/2007

AVENIDA DA FOLIA


Queríamos, mesmo, era botar o nosso bloco na rua com a turma dos arratões da Prefeitura, Ingratos e Tradição.

Já estava chegando a tardinha, quando flagramos a nossa bela avenida Getúlio Vargas aguardando os foliões de domingo.

Tudo mudado, mas em compensação podemos encontrar ainda detalhes importantes, como a garra de nossos antigos carnavalescos se misturando aos novos rítmos.

As mudanças estão acontecendo, de forma que para os próximos carnavais a COC possa inovar e resgatar a nossa folia. Acreditamos que ainda cabe um baile ou uma matinê no saudoso Floriano Clube.

Vamos aguardar a iniciativa de nossos carnavalescos.

2/23/2007

CARNAVAL - 2007


Apanhei esse flagrante no domingo de carnaval na esquina das antigas Casas Pernambucanas. O nosso amigo Pechincha ( que jogou no Ferroviário e o no Palmeiras de Bucar), junto com o famoso carnavalesco Clovis Ramos, preparando-se já para pular o carnaval.

São dois foliões conhecidíssimos no circuito carnavalesco florianense, que no passado faziam a diferença.

Sabemos que as coisas estão mudando, mas essa turma sempre se faz presente na folia de momo em Floriano. Seria de suma importância homenagear a velha guarda dos carnavais de outrora.

No entanto, a COC precisa rever seu plenejamento e proporcionar emoções diferentes para os próximos carnavais.

Fica aí a sugestão. Precisamos resgatar a cultura do carnaval florianense, dentro desse contexto romântico, que os anos não trazem mais.

RETRATOS


Esse time aí é dos tempos em que não havia televisão em Floriano no ano de 1964.

A família dos Melo, na expressão do nosso amigo Leuter Epaminondas, retrata seus queridos pimpolhos no caramanchão dos engraxates.

Estão reunidos neste belo cenário o Tibério ( hoje no Rio ), Danúnzio ( in memorian ), Ubaldo ( piolho de bola ), Lenka ( contadora ), Janclerques ( poeta ), Eulálio ( formação em turismo ), Uiara ( morando hoje em Brasília ), Merilan nos braços de dona Lourdes e seu Melo da antiga Casa Inglesa.

Retratos que nos trazem boas lembranças de um tempo em que a vida era vivida intensamente com muita poesia.

2/22/2007

ENCHENTE DANADA


O Parnaiba começa a receber novas águas. O volume aumenta e a ribeira começa a viver de novo o grande mutirão das enchentes. As chuvas desaguam no sertão com a sua pureza divina .

As nossas famílias amigas, agora, terão que retirar-se das ribeirinhas. A natureza precisa restaurar-se por conta própria. Precisamos respirar no futuro.

A prefeitura precisa inteirar-se mais desses problemas e de outros que atormentam a população. De fato, temos problemas terríveis para serem resolvidos.

Com boa vontade e simplicidade, podemos mudar o curso da história. Fazer a diferença com a participação de todos. A realidade é essa, de forma que precisamos tratar Floriano como uma cidade que precisa crescer na constância de seus dias.

Ainda há tempo de fazer-se algo pelo nosso futuro! Precisamos acreditar nas mudanças.

TIBERINHO


Tibério Barbosa Nunes Filho, o famoso Tiberinho, se vivo fosse, segundo o nosso amigo Teodoro Sobral, estaria completando cinquenta e seis anos de idadade no último dia 18 de fevereiro em plena folia do carnaval florianense.

Falecera jovem, ainda, com trinta e nove anos, antes do combinado, de forma que a gente fica sentindo uma certa saudade.

Tiberinho deixara um legado especial, dentro do contexto romântico de nosso futebol. Esse time dele - o FLAMENGUINHO ( foto ) - fizera grande sucesso na epopéia lírica do desporto florianense dos anos sessenta.

Certa vez, num jogo entre a seleção florianense e uma seleção vizinha, no estádio que tem o nome de seu pai, Tiberinho entrara dentro de campo para protestar contra a arbritagem e com o dedo em riste. Tinha moral e categoria.

Era o grande amor que sentia pelas causas do esporte florianense. Tiberinho era fiel, amigo, exigente e não poupava esforços para galgar mais degraus em prol da cultura de Floriano.

Na foto, Tibério Filho é o terceiro em pé e o dono do time.

FINAL FELIZ


Estava chegando a hora e o dia já vinha raiando. Tivemos de nos despedir de mais uma folia de momo na bela Princesa.

A expectativa nossa é a de que possamos retornar, com certeza, para os próximos encontros e desencontros com a velha guarda, junto com os Ingratos e o novo Tradição ( foto ), a grande novidade de nosso carnaval e que também brilhou este ano.

Encontramos grandes figuras como Zé Wilson (irmão de Luiz Orlando), Puluca, João Martins, Neto, Jeremias, Padeco, Pedim, Iran, Paleca, Nilsinho, Jorge Filho, Chico Borges da rua do Amarante, Cachimbo, César, Jairo, Phillipe, Ceiça, Fatinha, Zé Bruno, Junim, Carlito, Antonio Reis, Hagamenon, Tim, o poeta Élio Ferreira, Astrobaldo, Joâo Vicente, Zé Filho, Dedé, Zeca Futuca, Pechincha, Clovis Ramos, Demerval, Carlos Sá, Teodoro, Gonzaga, Paulo Rios, Pinheiro, Eloneide, Edilson, Belo, Bega, Pedro Guida numa confraternização hilária.

Só o carnaval de Floriano para proporcionar essas emoções. Seria importante criarmos um intercâmbio para promover a volta de outros velhos foliões.

Foto:
www.noticiasdefloriano.com.br

2/19/2007

REVIVAL



Estávamos em plena adrenalina na concentração dos blocos - Ingratos e Tradição ( depois da dissidência ) no domingo de carnaval. Muita expectativa e nem mais uma polêmica: o bicho pegou.

O ronco da cuíca começara com gosto de gás e o triângulo de Jeremias ( foto ) fazia grande ritmo rumo à avenida do samba. Os instrumentos de sopro, então, nos levavam aos anos dourados de nosso carnaval e ao delírio ( foto ), de forma que ninguém conseguia ficar parado.

Precisamos manter esse padrão. Se não temos mais os carnavais de outrora, pelo menos ganhamos um revival autêntico pra ninguém por defeito.

Vamos segurar a peteca, certo ?

Foto:
www.noticiasdefloriano.com.br

CARNAVAL COLORIDO


Certamente que os carnavais de agora são outros, mas o de Floriano há, ainda, momentos épicos, grande reencontros, revival, uma mistura ululante, exaltando seu colorido ímpar. Vejam a multidão na tradicional Getúlio Vargas ( foto ). Esse é o grande momento onde a vida é vivida.

Chegando na beira do rio, no restaurante do Raimundão ( in memorian ), encontramos o Zé Wilson ( irmão de Luiz Orlando ), Tim do Bruno, Gervásio ( irmão de Protásio ), Paulo Rios, Zé Filho, Apolinário, Gilson, Pedim ( filho de seu Lourenço e hoje morando em São Luís ), onde podemos resgatar bons momentos.

Precisamos dar continuidade e melhorar a infra-estrutura de nosso carnaval. A COC precisa buscar novas alternativas, incrementar e reabrir algumas portas que hoje ainda permanecem fechadas.

2/18/2007

DE VOLTA ÀS MATINÊS

Estivemos fazendo uma visita ao velho Cine Natal. Hoje é um bar, administrado pelo nosso amigo Ribamar. É, também, um point aconchegante para reencontrar vellhos companheiros de luta.

Decidimos, desta forma, reviver as matinês: entramos e sentamos para tomar uns drinques para driblar a saudade.

O prédio, atualmente, está totalmente colorido, moderno e bem incrementado. Reencontramos, ali,velhos amigos, do tipo, Carlos Sá ( filho de Geraldo Teles ), Carlos Pechincha ( grande carnavalesco ), Clovis Ramos ( grande porta estandarte dos antigos Malandros ), Guilherme do Narcisão, Waldemir ( ex - projecionista do cinema ). O carnaval começa por aí neste domingo chuvoso.

A expectativa, agora, é aguardar o arrastão dos Ingratos, o bloco das velhas marchinhas. Grandes figuras do passado estarão lá se confraternizando, com certeza.

A foto acima é da década de cinquenta do acervo de Teodorinho Sobral.

2/17/2007

REENCONTRO


Estivemos cumprindo um roteiro significativo, agora, no carnaval florianense de dois mil e sete. Eu e o meu amigo Puluca ( grande craque do passado do futebol florianense ), fomos visitar o museu de Teodorinho Sobral.

De repente, encontramos a grande figura do nosso amigo Carlos Sá, filho de Geraldo Teles e piolho de bola.

Carlos Sá comandava, junto com Gusto, as famosas jornadas esportivas do famoso campo dos artistas nos anos sessenta, como se vê na foto o time do São Paulo. Carlos Sá é o quarto em pé e Puluca é o ponta de lança, agachado.

Revivemos bons momentos, observando as fotografias e todo o acervo do museu. Há uma expectativa de sua abertura oficial. Acreditamos que essa proposta seria de suma importância para quem quer reviverr e conhecer a história da bela Princesa do Sul de outras auroras.


2/16/2007

ARROCHA UM APERTA OUTRO

ESCOLA DE SAMBA - ARROCHA UM APERTA OUTRO

RESUMO DA HISTÓRIA

Segundo o nosso amigo Philippe Salha, dentro do contexto do romântico de nosso carnaval, para resgatar a memória e fazer justiça a quem de direito – “quero externar a verdadeira história da criação do Bloco ARROCHA UM APERTA OUTRO. A idéia da criação de nosso bloco surgiu durante as férias de janeiro de 1983. Eu e a Vera de Bruno combinamos de criar um bloco para resgatar o movimento que havia parado depois dos "Os Malandros", "Os Pilantras" e do "Bota Prá Quebrar"; então, nos reunimos na beira do rio, para criar um nome. A minha sugestão era “Balança nós no cais”, mas fui voto vencido. A primeira camiseta do Arrocha foi criação de Cosme Rocha, filho de Rafael Rocha, o mesmo havia sido o criador do desenho que ilustra a capa da nossa Constituição Cidadã...” – afirmou Phillipe.

Componentes do Arrocha:

Philippe Salha, Vera Bruno, Fefê, Roberto Tenório, Antonio Brandão...

Foto: Floriano Nigth / Fonte: www.florianoemdia.com

2/15/2007

BLOCOS ALTERNATIVOS


O AMANTE DAS ARTES, ÁGUIAS, BAIANAS E BAMBAS DA FOLIA

Em meados dos anos 30, possivelmente em 1935, surgiu um bloco de rua famoso - O AMANTE DAS ARTES, criado por inspiração de José Dutra, grande incentivador da arte musical em Floriano e por ele dirigido. Desfilou por dois anos consecutivos, percorrendo as residências mais importantes da cidade, brincando com muita harmonia e animação. Durante a sua trajetória usou fantasias de PIERROT, calças e blusas vermelhas no primeiro ano e calças brancas e blusas pretas no ano seguinte.

A porta-estandarte era a jovem Tintô Paixão. Para registro, citamos aqui os nomes dos demais integrantes do bloco e os instrumentos musicais que tocavam.José Dutra, flautas; João Dantas, violino; Arudá Bucar ( grande comerciante ), flauta; Maestro EuGênio Pereira, trombone; Nestor Coelho, saxofone; Sebastião Araújo, contrabaixo; *João de Deus Alves, piston; Zezinho Rocha, saxofone; Francisco Paixão ( pai da Tinto ), violão; José Cairara, banjo; Otacílio Paixão, violão; Antonio de Passos Freitas, cavaquinho; Odali Paixão, cavaquinho; Genésio, cavaquinho; Michel Demes, maracá; Olívio Paixão, pandeiro; Francisco Dantas, pandeiro.

Com a fundação do Floriano Clube, o carnaval passou a se restringir mais a ele, o da elite, pois o dos operários, continuou na União Artística. Todavia, blocos de rua ainda marcavam sua presença na cidade.Rafael Rocha, em sua crônica – Reminiscência, publicada no Jornal de Floriano, n.º 367, fala do “Águias” das “Baianas” do Arudá Bucar. E Luiz Pinto de Oliveira, memória viva da cidade, fizeram-nos recordar do “Bambas da Folia” que ele e outros elementos da União fizeram por muitos anos.

A foto acima é o Clube do Rum - um dos blocos mais criativos que surgiu nos carnavais da princesa / Fonte:
www.florianoemdia.com

2/14/2007

DEMERVAL NEIVA


DEMERVAL NEIVA - "Seu Dema" - O MAIOR FOLIÃO DE TODOS OS TEMPOS!

Resgate do carnaval da Princesa!

Demerval Neiva de Sousa ( In Memorian ), filho de Antonio Neiva de Souza e de Maria Mendes Soares, nasceu em Nova Iorque-MA, em 17 de abril de 1914. Naquela época a navegação fluvial era o único meio de transporte. Aos 11 anos de idade deixou sua terra natal e veio residir em Floriano com a finalidade estudar e trabalhar.

Desde criança / adolescente já evidenciava o guerreiro lutador e ousado que veria ser no futuro. No ano de 1938 encontrou a jovem bonita, Luiza Siqueira ( Beijinha ) com quem casou-se. Foi uma união de muitos anos de felicidade.

Do enlace tiveram 6 filhos: Antonio Neiva, Lélia, Carlota, Maria, Luiza Maria, Robson e Demerval Filho. Os filhos lhe deram 19 netos e 13 bisnetos. Deixou uma família unida ao longos dos seus 86 anos.Considerou a cidade de Floriano, a sua terra natal, nela conquistou grandes amizades, fazendo parte da grande sociedade florianense. Sempre foi uma pessoa alegre e comunicativa.

VEREADOR POR TRÊS MANDATOS

Como político, foi eleito para 3 mandatos de vereador, nas gestões dos prefeitos: Dr. Sebastião Martins e Tibério Barbosa Nunes(duas vezes). Atuou na área do comércio, chegou a ser presidente da Associação Comercial Sul do Piauí – 1937 a 1938.

CARNAVAL UMA PAIXÃO!

O carnaval para Demerval Neiva, era considerado a diversão de sua preferência. Desde jovem até a idade adulta participava de forma ativa, sendo considerado pelos florianenses um carnavalesco animadíssimo e muito feliz.

FOLIÃO DE RUA E DE SALÃO

Participou dos blocos de rua e de salão no Floriano Clube e Comércio Esporte Clube com a mesma desenvoltura e resistência invejável, com um detalhe se tivesse bloco ele brincava e sem bloco também, um fenômeno da animação, por isso tinha o eterno título de “O FOLIÃO Nº 1”. Um espetáculo à parte!

LATINHA DE CERVEJA E UM PAUZINHO – SUA MARCA REGISTRADA!

Usava uma lata de cerveja (vazia) na qual batia um pauzinho. Esse era o seu instrumento. Batia na lata e cantava a música “A Capital do Equador é Sempre Quito”.

UNIFORME PREDILETO

Outra marca registrada dele era o sapato preto e as meias que usava no meio da canela e o apelido que todos adoravam pronunciar: "SEU DEMA" Colaboração: Sgtº HÉLIO

SEU ÚLTIMO CARNAVAL!

No último carnaval que brincou, no ano de 1998, usou uma camisa com o slogan “ADEUS CARNAVAL”. Essa camisa foi idealizada e pintada por sua querida filha Lélia Neiva, que continua, no carnaval, sambando, vibrando substituindo o seu pai, o velho guerreiro!
Colaboração:

Jany Neiva – ( nora Demerval Neiva ) e esposa de Antonio Neiva Lélia Neiva – Filha de Demerval Neiva; Demerval Neiva Neto – “Beterraba” – Neto de Demerval Neiva; Francisco Neiva - "XICO PIPIRA" - Neto de Demerval Neiva.

Fonte:
www.florianoemdia.com


2/12/2007

CORSO CARNAVALESCO


Uma das tradições mais esquecidas da cidade é o Corso de Carnaval. Consistia em um desfile de grupos de foliões "uniformizados" em carros conversíveis pelas ruas mais importantes de Floriano e era aguardado com entusiasmo pela população.

Lá pelo início dos anos 1960, os Corsos foram perdendo espaço para os desfiles e os bailes em clubes até acabarem nos anos setenta.

Hoje, há outras folias, arrastões, axés e bandas eletrônicas tocando forrós e músicas baianas. Até o frevo saiu de moda. Mesmo assim, com os Ingratos e o novo bloco Tradição podemos manter de certa forma o resgate de nossos velhos carnavais, das marchinhas e dos bailes de outrora.

Foto: Floriano de ontem e de hoje / Teodoro Sobral

2/10/2007

CARNAVAL - 2007



Hoje, dia 10 de fevereiro, tem início a abertura do carnaval florianense – 2007, com a famosa Banda Malandra. A expectativa é receber milhares de foliões de diversos lugares e a presença, também, da velha guarda, que vem disposta a reviver os bons tempos de nosso carnaval.

Esses novos tempos de carnaval em Floriano foram inseridos nos anos oitenta com o bloco OS TIETES, dando uma nova característica para a festa de momo na bela Princesa. Surgiram, depois, os Ingratos e, agora, o Tradição – a nova mania.

Vamos aguardar os acontecimentos e o desenrolar dessa festa. Esperamos que todos brinquem com tranqüilidade e sejam providenciais na bebida. Floriano merece o título de melhor carnaval do Piauí.

Foto: ( Bloco Os malandros ) - www.florianoemdia.com

RESSACA DE CARNAVAL


Depois de um carnaval inspirado em Floriano, estamos respirando uma ressaca no velho cais do porto, já tendo que suportar a distância e a saudade da Princesa.

Não consigo mais viver sem ti, Princesa; a saudade mata-me de ternura por ti; como fazer para voltar ao teu berço e viver as emoções dos teus ares?

Como renascer das cinzas e voltar para a minha terra? Como seremos de novo caminhando pelos teus lugares que não vejo ( sempre ) mais?

Essa empatia por ti dói o peito; o coração pula a mil por hora; não te vejo, agora, mas precisamos sonhar sempre nos amanheceres e diante dos dissabores que a vida pregou-me nessa caminhada soturna mas emocionante de um novo amanhã.

2/09/2007

DESTAQUE


Mais um jogador florianense está sendo destaque no estado de Pernambuco, jogando pelo Porto de Caruaru.

Trata-se do atacante Joelson, extraído da escolinha de base de futebol da Associação Atletas do Futuro de Floriano.

O desportista florianense Tony Ferreira está a frente da formação desses craques florianenses, que estão tendo a chance de vencer no futebol.

Recentemente, um outro atleta foi enviado para Recife. Juliano de dezesseis anos, que também fará sua estréia no time do Náutico.

O outro destaque é o jogador Heldinho, que atualmente disputará o campeonato cearense pelo famoso Ceará Sporting Club. Heldinho já fez testes na academia do Palmeiras de São Paulo.

Essas parcerias estão sendo significativas e, segundo Tony Ferreira, "a idéia é continuar com esse trabalho de valorização e resgate de nosso futebol".

Foto:
www.noticiasdefloriano.com.br

A ARTE DE SERVIR


Danúnzio, ex – centroavante do Flamengo de Tiberinho nos anos sessenta ( na foto é o terceiro agachado em 1964, no campo dos artistas, quando jogava pelo São Paulo de Carlos Sá ), gostava de brincar, assim como todos nós na bela infância.

Deixa que o nosso tio Benedito não gostava de travessuras de meninos e se danava quando estava jogando baralho se algum traquina chegasse fazendo zoada. Era um Deus nos acuda.

- Vão brincar pra lá, trancas! – gritava tio Benedito.

O negócio é que, certo dia, houvera um incêndio no fundo do quintal da casa de tio Benedito. A essa altura, Danúnzio, feito doido, saiu em desabalada carreira para avisar o pessoal.

- Chega, tá pegando fogo no quintal! – gritara Danúnzio, tentando chamar a atenção de todos que ali jogavam o seu três setes.

Quando estes perceberam de que se tratava, realmente, de uma grande fogueira, correram todos para apagar as chamas. Finalmente, mais tarde, comentando o fato aos seus amigos, tio Benedito fizera a sua correção hilária:

- É, às vez, minino sirvi!

COLEGIO INDUSTRIAL


Em Floriano, o Colégio Industrial São Francisco de Assis, é uma referência em se tratando de educação. Frei Antonio Curcio, o diretor dessa instituição, acredita que somente atrvés de uma boa educação familiar e escolar é possível transformar os destinos da sociedade.

Fundado em 1969, formando cidadãos de bem, o Industrial hoje conta a sua história através do sucesso de centenas de jovens que por ali passaram. São médicos, odontólogos, advogados, engenheiros, enfermeiros, biólogos etc que trabalham e servem á comunidade com espírito fraterno e com muita responsabilidade.

Seria de suma importância, também, que essa famosa instituição pudesse engajar-se com outros seguimentos da educação local, no sentido de buscar caminhos alternativos para o atendimento a comunidades carentes da região.

A propósito, a participação de antigos alunos que galgaram o sucesso, seria, a nosso ver, outra idéia para buscar soluções práticas para a construção de um novo modelo de atendimento sócio-educacional na cidade.

Na foto (
www.noticiasdefloriano.com.br ), a educadora Rubenita trabalhando com os seus atuais comandados

2/08/2007

CORI - SABBA



Esta é uma das formações do nosso famoso Cori - Sabbá ( foto ) dos anos oitenta, quando ganhava todos os títulos da época dentro da trajetória de nosso futebol.

Estamos conhecendo na imagem o Buema ( seguro na zaga ), Leomar ( jogava duro ), Cicero de Sousa ( Boião ) o supervisor da equipe Tony Ferreira em dia de decisão e casa cheia no estádio Mário Bezerra.

Havia, ainda, interesse na articulação de nosso futebol. As polêmicas existiam, mas a dinâmica e a qualidade eram preservadas.

Hoje, o que se vê são discussões banais e um futuro desconhecido para os novos rumos de nosso futebol. Se não houver uma certa harmonia, não sei, não, teremos que enfrentar grandes dificuldades.

Saudades do Pompéia!

2/07/2007

RESGATE


Travessa da Padre Uchoa com a Eurípedes de Aguiar, sendo surrupiada pelo tempo. O asfalto nos tirando o brilho e a poesia, que outrora era pura fantasia.

As novas tonalidades de cores, a harmonia de prédios novos unindo-se casarões com a moderna arquitetura nos enchem de expectativas.

Floriano parece que renasce a cada dia, exaltando uma paisagem sadia para concretizarmos as mudanças e a necessidade de construir um futuro melhor para todos nós.

Saibamos conduzir, seduzir e exaltar amores pela terra que amamos. Floriano precisa recuperar-se das garras do ócio.

BANDA MALANDRA - 2007


O bar do nosso amigo Ozires - o famoso MARRON GLACÊ - sede de nossa tradicional Banda Malandra já deu início aos preparativos para a abertura de nosso carnaval.

Mais uma vez uma multidão de foliões farão o arrastão desse ano, que promete muita folia.

De repente, o nosso carnaval volta a brilhar com essa iniciativa. Juntando com o novato Tradição, os Ingratos e outros blocos alternativos, esperamos que daqui pra frente possamos reunir cada vez mais foliões e, necessariamente, o retorno da velha guarda.

Foto: www.noticiasdefloriano.com.br

CARNAVAL - 2007


A nossa poderosa avenida Getúlio Vargas já está praticamente decorada para a grande arrancada do carnaval - 2007.

Depois dos velhos tempos e dos carnavais de outrora, essa passarela ainda nos contagia, de forma que a velha guarda e os foliões tradicionais poderão fazer a diferença, relambrando as saudosas marchinhas.

No entanto, não há mais o corso, os pós e nem mais as chiringas de antigamente. Temos que segurar a peteca com esses arrastões atuais. Ainda bem que temos novidades: os tradicionais Ingratos e a estréia de um novo bloco para alegrar os foliões da Princesa: o grande Tradição ( uma dissidência dos Ingratos ).

Foto:
www.noticiasdefloriano.com.br

2/06/2007

AVENIDA


Estamos observando ao lado uma bela imagem da avenida Bucar Neto extraída na altura do riacho da Onça. À esquerda temos as lojas do grupo Jorge Batista e, lá na frente, o mercado central.

Essa famosa avenida, que antigamente tinha o título de José messias, hoje asfaltada, expõe uma boa parte do escoamento da produção local e o vai-e-vem de várias atividades mercantís.

Só que tem que haver mais sensibilidade com relação à sua preservação, uma atitude mais evidente com relação à higiene do local. O órgão competente para esse trabalho tem que fazer as vistorias necessárias para que os nossos visitantes tenham uma nova visão daquela via pública.

2/05/2007

SELEÇÃO



Devemos lembrar, certamente, quando falamos dos torneios do futebol de salão de Floriano de craques como Gilberto Duarte, Chiquinho, João Maiô, Antonio José Caraôlho, Jolimar ( NA FOTO AO LADO, QUANDO JOGAVA DE GOLEIRO NOS TORNEIOS DO CAMPO DOS ARTISTAS ), Carlito, Clemilton, Paim, Zeca Futuca e o Grande Goleiro, que tinha uma visão espetacular de colocação no gol, o João Martins, que residia alí na Manguinha e foi do Ferroviário.

Esses verdadeiros craques do passado romântico de nosso futebol também passaram e brilharam pelo futsal e merecem um destaque no selecionado na decada de sessenta.

"Apesar de alguns terem sido destacados em algumas matérias, esse selecionado dos anos sessenta foi formidável" - fala o pesquisador e nosso amigo Chico Kanguri.

CLEBER X ZÉ BRUNO






"NEGO CLEBER" X ZÉ BRUNO


Esses torneios de férias de nosso futsal revelaram grandes disputas, principalmente na artilharia. Uma deliciosa disputa por títulos de artilheiro e de campeão acontecera no torneio férias de inverno de 1981.


Relembram Zé Bruno e o goleiraço Aluízio Procópio, num dos primeiros torneios férias na quadra da AABB, quadra lotadíssima, não cabia mais nem mosquito, de um lado o timaço do ACAUÃ, com Lelo no gol, Quinto, Serjão, Ieié e "Nego Cleber" e do outro lado, o timão da AABB com os piolhos Pompeu ( goleiro ), Gilson, Carlito de Bruno, Roberto Holanda e Zé Bruno.


Detalhes:


"Nego Cleber" tinha dois gols na artilharia à frente de Zé Bruno, mas quando começa o jogo, Zé Bruno emplaca o primeiro gol ( 0 X 1 ), "Nego Cleber" empata ( 1 X 1 ), Zé Bruno desempata ( 1 X 2 ), o time de "Nego Cleber" empata ( 2 X 2 ) e faz mais um e passa na frente do placar ( 3 X 2 ), Carlito do Bruno pega a bola, passa pelo zagueiro e o goleiro e, ao invés de fazer o gol, volta para Zé Bruno fazer mais um gol ( 3 X 3 ), Zé Bruno empata na artilharia com "Nego Cleber", o time de "Nego Cleber" faz mais um gol ( 4 X 3 ) e faz mais um ( 5 X 3 ) e nos minutos finais Zé Bruno faz o seu quarto gol ( 5 X 4 ), Zé Bruno ficou como artilheiro do torneio e "Nego Cleber" como Campeão do torneio.


Segundo Zé Bruno, mesmo sendo campeão, "Nego Cleber", que adorava ser artilheiro, saiu resmungando, queria fazer barba e bigode, ou seja, ser campeão e artilheiro!


Lembranças que valem ouro!


Zé Bruno lembra com entusiasmo, que fora campeão pelos seguintes times: Floriano Clube, três vezes; AABB, três vezes; Vende-Bem, três vezes; Caixa Econômica, duas vezes e pelo Laboflor mais três vezes e em mais da metade “fui artilheiro do torneio” – relembra o atacante.

Fonte: www.florianoemdia.com / Na foto acima Cléber é o terceiro agachado em 1971


FAÇANHAS DE MOCÓ



LAURO LEMBRA MAIS UMA FAÇANHA ESPETACULAR DE MOCÓ


Ainda no início dos anos setenta, Mocó surgiu com gosto de gás, jogava um bolão, chegando a ser vice-campeão paraense pelo Isabelense de Santa Isabel do Pará. Como o nosso amigo Lauro Cronemberger era esperto, mantinha sempre contato com o artilheiro Mocó e não deu outra.

No torneio de Férias de Verão de Julho de 1972, o craque Mocó com muita luta conseguiu uma semana de folga, chegando no meio do campeonato, reforçando o Floriano Clube. Lauro, como técnico do timaço, não titubeou e lançou Mocó no ataque do Floriano Clube. Foi um sucesso, pois além de ser o artilheiro do torneio numa final empolgante com a AABB, acontecera algo inusitado:


O Floriano Clube aplicou uma senhora goleada de sete a zero na poderosa AABB, sendo que os sete gols foram marcados por Mocó! Demais! Não é a toa que o craque Mocó é respeitado e querido por todos!

Lauro relembra com grande satisfação esses fatos importantes, que causaram grandes emoções dentro do contexto romântico de nosso futsal.

Fonte: www.florianoemdia.com / Na foto: www.noticiasdefloriano.com.br o artilheiro Mocó com Darlan Portela e Roberto Holanda

BICO INDEFENSÁVEL!



JOSÉ FILHO ( PAIM ) - BICO INDEFENSÁVEL! RASGOU MUITA REDE!


- "Paim", você como um dos atletas que mais atuou nos torneios de férias de Floriano, conte-nos um lance inesquecível!


- Com certeza, nós realmente participamos de quase todos torneios e posso lembrar de alguns lances inesquecíveis, como o que aconteceu na grande final do torneio de janeiro de 1979 na quadra do Comércio Esporte Clube.

O time da Caixa Econômica Federal, liderado pelo gerente Zé Maria, ganhara a taça enfrentando a famosa ROJAC por três tentos a dois, numa decisão espetacular.

Casa cheia. A Equipe da Caixa jogara com Lelo no gol, Zé Filho ( Paim ), Roberto Holanda ( terrível ), o tinhoso Fefê e Zé Bruno ( muito rápido no ataque ), vencendo a grande, poderosa e imbatívlel ROJAC, que jogara com Alderico da Taboca, Eloneide, Mocó, Herbran, Carlito e Zé Robim.

As zebras e as surpresas muitas vezes aconteciam nesses torneios, mas a cada jogo ou decisão a adrenalina subia e tudo era imprevisível, deixando o torcedor apaixonado, maravilhado, voltado para o que desse e viesse. Essa era a tônica e as emoções tomavam de conta de todos nessa grande epopéia de nosso futsal.

Fonte: www.florianoemdia.com / Fotos dos veteranos: www.noticiasdefloriano.com

URUÇUI TETRA CAMPEÃO



A poderosa equipe de Uruçuí, comanda pelo prefeito Chico Filho, mais uma vez foi a vencedora e tornou-se TETRA CAMPEÃO DO TORNEIO FÉRIAS DE INVERNO – AABB 2007.

Uma verdadeira seleção, uma máquina de jogar futsal, jogando com Xuxa no gol, Leno, Bruxinha, Nácio, Alexandre, Jorginho, Painho, Taylon, Eloneide, Júlio César e Salomão no ataque.

Certamente, esses novos torneios nos trazem boas lembranças, quando no passado outras poderosas equipes abafavam nas quadras do Comércio e da AABB e, certamente, temos a convicção de que poderemos, efetivamente, voltar a brilhar no cenário nacional exportando novos craques.

Foto: www.noticiasdefloriano.com.br

PALMEIRAS




Esse é a grandiosa academia da Sociedade Esportiva Palmeiras, que papava todos os títulos nos anos setenta. Essa formação ao lado fora campeã invicta do campeonato paulista de 1972, com Leão, Eurico, Luiz Pereira, Alfredo e Zeca; Dudu e Ademir da Guia; Edu, Leivinha, César e Nei.

Certa vez, perguntado sobre qual era o atacante brasileiro mais difícil de se marcar, o zagueirão Luiz pereira respondeu, literalmente:

- Com certeza, o Dario do atlético Mineiro, porque você não sabe no momento o que ele vai fazer com a bola! O peito de aço é imprevisível! Já o Zico, não, você tem uma idéia do que ele pretende executar com a bola e, assim, fica mais fácil.

Curiosidades do futebol brasileiro. A propósito, somos palmeirense!

ROBERTO HOLANDA



ROBERTO HOLANDA - GARRA, DETERMINAÇÃO, DESTEMIDO!


- Roberto Holanda, podemos chamá-lo de RH?

- Pode, sim. Só não pode me chamar Roberto, porque existem outros Robertos por aí, mas o Roberto Holanda é o único, tá certo?!


- Conte-nos, então, uma bela passagem do FUTSAL florianense?


- Foi importantíssima essa fase e o que aconteceu no torneio de Férias de Verão de Julho de 1974, o último campeonato realizado na quadra do Comércio Esporte Clube. O lance foi o seguinte: o torneio teve o seu início na quadra do Comércio e os jogos finais foram já realizados na quadra da AABB.


- E você lembra do jogo da final?


- Com certeza, meu amigo, como posso esquecer daquela grande decisão? O nosso time arrasou, vencendo o poderoso Comércio Esporte Cliube por seis a dois. A AABB jogava com Guilherme Ramalho, Ivinha, Roberto Holanda, José filho ( famoso Paim ), Zé Bruno e Luis Carlos Lobo. O Comércio Esporte Clube botou na quadra os piolhos Marquinhos, Mocó, Serjão, Ieié e Naldinho, dois timaços de fechar o tempo, que fizeram a diferença, mas nós conseguimos ser os campeões daquela temporada!


- Lembra de outros times que jogou?


- Joguei também no Vendebem de Pauliran em Janeiro de 1983 e o curioso é que foi o primeiro time a usar uniforme de "mangas compridas" nos torneios!


- RH, com esse calor!


- Não importava, meu amigo, era bonito e o que realmente aconteceu é que nós abafamos, a torcida feminina foi à loucura! Pode crer!


- Qual era a formação desse time?


- VENDEBEM jogava com Lelo no gol, Roberto Holanda ( RH ), Paim, Zé Bruno e Mocó. E adivinha que foi campeão?

- Quem, RH?


Nós, é claro! Eu tenho muitos títulos de campeão, meu amigo, que ficaram registrados na história do futsal florianense.

Na foto: www.noticiasdefloriano.com RH é o penúltimo em pé / Fonte: www.florianoemdia.com

2/03/2007

QUERMESSES



Imagem sagrada, que resgata uma página do início dos anos sessenta, quando eram realizadas pequenas quermesses e atividades paroquiais, com leilões e festas populares em alguns arredores de Floriano.

No caso, essa quermesse era realizada ali na rua João Chico, anualmente, na casa da Dindinha, quando havia muita movimentação de populares. Lembro-me, ainda, dos paus-de-sebo, comidas típicas e muitas brincadeiras.

No retrato, os conhecidos maestro Eugênio, Massarico, mestre Valter, senhor Melo e o nosso primo Dácio.

São lembranças agradáveis, que nos fazem falta no dia a dia e que precisamos resgatar.

2/02/2007

DECISÃO



Certa vez disputavam a taça de futebol de poeira, durante as competições da Semana do Esporte de Floriano de 1971 o Colégio Estadual contra o Colégio Industrial. Eram as duas maiores agremiações da modalidade à época.

Professor Abdoral comandava com maestria os seus mucurebas do Estadual, de forma que todos acreditavam numa grande vitória.

Já o Industrial, liderado por Nonatinho ( sexto agachado na foto ) contava, também, com a atitude de seus comandados para uma vitória incontestável.

Aquela saudosa decisão no estádio Mário Bezerra chamou a atenção dos florianenses. Estádio lotadíssimo. Jogo nervoso e, acima de tudo, acirrado. Pau a pau. Tiveram que ir para a prorrogação, depois do empate durante os noventa minutos.

Num belo lançamento de Amaral, Nonatinho aproveita-se de sua velocidade e de sua sorte e toca na saída do goleiro Evandro, estabelecendo, desta forma, a vitória do time do Industrial, sagrando-se o campeão do torneio.

Nonatinho fora levado aos braços pelos torcedores numa vibração hilária.

2/01/2007

FLORIANO CLUBE


Estamos chegando a mais uma festa de momo - o carnaval florianense de 2007. De repente me vem à lembrança as antigas marchinhas e as matinês do velho Florino Clube ( foto ), onde o som dos bailes ecoavam noite adentro no passado.

Hoje, severamente abandonado, inclusive co-irmanado com esse horrível calçadão, essa casa permanece mórbida e silenciosa num autêntico abandono óbvio e ululante.

Seria de suma importância se a COC ou alguma outra iniciativa pudessem resgatar, restaurar ou revitalizar esse casarão, pelo menos no período dessa festança carnavalesca. Com certeza ganharíamos dividendos.

Não entendemos e não há carnaval em Floriano sem as tradicionais marchinhas do velho FLORIANO CLUBE.

PANELA VELHA



DARLAN, "PANELA VELHA" - UMA MURALHA! OCTACAMPEÃO DE FUTSAL!


Darlan foi um achado para o FUTSAL florianense. Veja como ele surgiu e fechou o gol, uma barreira "quase" intransponível!


- E a idéia de ser goleiro, quando e como surgiu?


- Quando era adolescente, com dezesseis anos, a pedido de Roberto Holanda ( apontando para Roberto ), me convencera a ser goleiro no FUTSAL. Com essa atitude, com essa minha magnífica decisão, o resultado é que fui octacampeão ( oito vezes campeão ), é muita coisa, agora é que estou vendo essa importância.


- Quais os times pelos quais forai campeão de FUTSAL?


- Pela Transpiauí-Honda, duas vezes; pela Agespisa, três vezes; e pelo Brasília, também três vezes.


- Qual desses times você considera o melhor?


- Foi na Transpiauí-Honda, com: Darlan, Beterraba ( Demerval Neiva ), Barão ( Robert do Banco Econômico ) e Malta ( um dos melhores jogadores que vi jogar, show de bola, um espetáculo! ).

Outro timaço era o Brasília: Darlan, Carioca, Beterraba, Salomão, Caraolho e Walberto.


- E você lembra de alguma defesa que a considera a mais importante?É nesse momento que o craque vê o quanto ele fora importante, os olhos lacrimejam, é emocionante! É a pergunta chave!


- Minha maior defesa foi naquele jogo entre Brasília e Transbrasiliana. Uma penalidade a favor do time da Transbrasiliana: “quem é que vai bater?” – Perguntei. O árbitro apontou para Zé Idelfonso ( filho de São José do Peixe ), o craque do time, pensei, é agora, se pegar, seremos campeões. Zé Idelfonso com certeza pensara o contrário, se fizer, seremos campeões! Num pequeno espaço da quadra, quando olhei, lá vem o atacante no rumo da pelota, batendo forte aquele petardo... Caí embrulhado com a bola, não larguei mais. Com essa defesa, conquistamos o título!

É demais reviver aqueles momentos!


Trata-se de lances que ficaram em nossa memória mas que precisamos estar sempre resgatando e organizando o FUTSAL da Princesa do Sul, momentos como aqueles descritos, agora, que deixaram marcas para sempre! E que jamais esquecerei!

Fonte: www.florianoemdia.com / Na foto acima, Darlan com Roberto e Mocó

O EXTERMINADOR



WALBERTO - O EXTERMINADOR - GUARDA COM CARINHO SUA PASSAGEM PELO FUTSAL DA PRINCESA!


Walberto é daqueles jogadores que todo treinador gostaria de tê-lo no seu time, pois além de gostar de jogar, atuava em qualquer posição, um verdadeiro "curinga".

Habilidoso, combativo, motivado, muita categoria, para ele não existia esse negócio de bola e muito menos jogo perdido, não! Definia, com rapidez, quase todos os lances de perigo de gol e sabia ocupar qualquer espaço dentro de campo. Era um terror para os adversários. Essa era uma pura realidade.


- Walberto, com relação ao FUTSAL, conte um pouco da sua brilhante participação!


- Fui campeão do Torneio na AABB por diversas vezes, inclusive está acontecendo, agora, o Darlan, o Roberto Holanda e Mocó continuam agitando, são realmente uns guerreiros, todo ano eles organizam essa taça, mas voltando ao assunto, sim, fui campeão quatro vezes pelo Brasília e duas vezes artilheiro, era um timaço: Darlan ( Panela Velha ), Walberto, Papagaio, Beterraba, Caraolho e Salomão. Era difícil perder! O nosso time era tão entrosado, que jogava por música. Os times de Teresina vinham pra cá e levavam taca toda vez! Eles não conseguiam entender como que numa cidade do interior se formavam tantos craques numa mesma safra! Não sabem "eles" que tivemos, aqui, uma legião de craques com "C" maiúisculo!

Fonte: www.florianoemdia.com / Na foto acima, Valberto é o segundo agachado, quando jogava pelo Cori - Sabbá - 1991

ALEGRIA CONTAGIANTE



NÊGO CLEBER - UM BOLÃO! ALEGRIA CONTAGIANTE!


” O palco era a famosa quadra do Comércio Esporte Clube, onde grandes eventos esportivos eram ali realizados. Era disputado um Torneio de Férias de Inverno na década de setenta. A quadra totalmente lotada, naquele jogo disputadíssimo. Numa extraordinária jogada o time Sem P. faz um a zero no Narciso. Nego Cleber ( como era chamado ), de repente, vai calmamente ao fundo da rede e apanha o pneu ( bola ) e avisa Guilherme:

- Deixa comigo!

Quando o Puluca toca o centro para Cléber, o artilheiro saiu feito doido, driblando todo o time adversário, endiabrado, fazendo o gol de empate e saiu naquela sua vibração característica! O nego era demais, que saudade!” - Lembra Zeca Futuca.


” Na vida só vi três jogadores fenomenais no FUTSAL - Nego Cleber, Antonio Luis Bolo Doce e Karlaile, que jogava em Belo Horizonte” - frisou Roberto Holanda!

Fonte: www.florianoemdia.com / Na foto acima, Cléber é o segundo, agachado em 1971

ARTILHEIRO NATO



MOCÓ - DE PRIMA - CHUTE CERTEIRO - ARTILHEIRO NATO!

Falar em futebol piauiense, tanto de FUTSAL como de campo, precisamos, sem dúvida nenhuma, destacar o nosso eterno craque - RILMAR BARBOSA DE ARAÚJO, o famoso Mocó: estilo, criatividade, habilidade, categoria, chute certeiro, um verdadeiro piolho da bola.

- Em Floriano você começava a dar show de bola, mas realmente quando você surgiu para FUTSAL?

- Em 1978, buscando novos horizontes e conhecimentos, transferiu-se para a capital piauiense, onde fora morar na Casa do Estudante e nos intervalos da escola ia treinar no River.

O nosso saudosoTiberim ( diretor de esporte do Piauí Esporte Clube à época ), soube que Mocó estava em Teresina e marcou cerrado, não deu espaço, convidou o moço e o convenceu a ir jogar e morar na concentração do PEC.

Ficara tudo acertado, à noite Tiberim ( não perdeu a oportunidade ) o levaria para treinar na seleção piauiense de futsal, pois o time estava se preparando para jogar em São Luis com a seleção do Maranhão.

No treino Mocó foi para o time reserva, mas começou dando olé e aí não deu outra, o treinador logo percebera que estava diante de um astro, de um artista da pelota, o colocou no time principal, foi só alegria, senão vejamos.

Foram realizados dois jogos em São Luis - o primeiro Piauí bateu o Maranhão por dois tentos a um; no segundo jô novamente outra taca - Piauí um a zero no Maranhão. Os três gols do selecionado piauiense foram marcados pelo craque Mocó. Os maranhenses ficaram boquiabertos, tamanho espetáculo proporcionado por aquele jovem de apenas 21anos, com 57 quilos, endiabrado, com um tiro certeiro, jogadas mirabolantes, com variações jamais vistas, o assédio foi grande, para que sua transferência fosse concretizada para a capital maranhense.

Perguntado sobre em quem se inspirara no futebol, a resposta foi de prima:

- Inspirei-me no meu primeiro técnico, Alberino de Paula, ( Seu Bero ) e no ícone do futebol florianese, Antonio Luis Bolo Doce ( in memorian ), tanto em FUTSAL quanto em campo.

- E o FUTSAL de Floriano como está na sua visão?

- Eu ( Mocó ), Darlan e Roberto Holanda estamos realizando o 5º torneio de férias e a cada ano está se consolidando, as empresas e os órgãos governamentais estão vendo o retorno, tanto pelo lado organizacional como também pela presença do público que tem frequentado a quandra da AABB.

Os atletas estão sentindo que têm que treinar, pois se isso não acontecer o timaço de Uruçuí vai levar todas. Mas o mais importante de tudo é ver a arquibancada lotada e vibrando com jogos espetaculares!

- Você lembra de algum momento inusitado no FUTSAL?

- Sim, foi num torneio de férias de Verão na década de 80, na quadra da AABB, o nosso time era bom e gostavam de atuar e cada jogo era um espetáculo diferente, fui artilheiro com 35 gols e Naldinho vice com 33 gols, nossos jogos só saiam goleadas!