12/14/2006

GETULIO VARGAS

Estávamos curtindo um roteiro matinal, num domingo nublado, com a minha velha kodak, quando a inspiração tocou-me no ar e saiu esta paisagem atual da bela avenida Getúlio Vargas, sufocada pelo asfalto quente.

Não há mais os antigos arvoredos, mas temos que celebrar, pelo menos, a presença de alguns belos casarões, que ainda resistem em ficar de pé.

Floriano entra para um contexto novo de progresso, revolucionário e, esperamos, que esse futuro seja de geração de muitos frutos. Os investimentos precisarão ser executados na sua trajetória desenvolvimentista.

Aleluia, irmãos! Vamos revolucionar para o bem de nossa emancipação cultural!

12/13/2006

FLUTUANDO

Estamos flutuando para o futuro na esperança de que o nosso rio possa estar sempre perene e produtivo. Precisamos arpar com as novas armas do desenvolvimento. O legado que ficou nos dá essa inspiração para Floriano viver feliz.

O importante é que precisamos juntar todas essas emoções na defesa de nossa cultura. O investimento e o trabalho diferenciados das escolas locais também poderão formar novas ondas.

Precisamos ficar alertas para o futuro. Lideranças novas precisam acontecer. Chega de papo furado e de omissões. Ainda temos esperanças.

Quem se propõe a fazer essa diferença?

TRAVESSIAS

Essas são as famosas travessias de pontões entre Floriano e Barão de Grajaú que circulavam no período romântico. A produção escoava por entre municípios vizinhos dos dois Estados e a expectativa sempre foi de muita esperança no futuro.

Hoje, com as pontes e a produção circulando a todo vapor, continuamos enfrentando dificuldades nessa epopéia pelo desenvolvimento.

Floriano ainda gera muitas riquezas, mas temos que saber a quem recorrer. Precisamos estimular os pequenos empreendendores, para que se possa formar novas frentes de produção.

Nossas elites precisam acordar para o futuro, para que essas novas travessias possam realmente dar pé!
.........................................................................................................................
Foto: Floriano de ontem e de hoje / Teodoro Sobral

12/12/2006

RETRATOS

Naquela época, nas sessões de fotografia das praças, a turma toda vestia suas melhores becas. Vejam, por exemplo esse trio infernal na praça doutor Sebastião Martins. Com o corte de cabelo tipo alemão, Tibério, Danúnzio ( ex-atacante do Flamengo de Tiberinho ) e Ubaldo ( ex-lateral do Brasil de Almeida ), mostram-se vaidosos na inspiração do famoso fotógrafo Farias.

Era tempo de poesia, naquela inspirada década de cinqüenta, quando ainda se escutavam marchinhas e os carnavais tinham graça e ternura.

Precisamos registrar esses momentos inesquecíveis que ficaram marcantes na velha Floriano. Hoje, até os celulares flagram tudo em um só toque; mas não há mais a inspiração de antigamente, como a de Leuter Epaminondas. Os registros, agora, são diretos para uma nova festa.

As danças, atualmente, são fanqueiras; e as nossas tertúlias, são as que eu me lembro dos salões do velho Floriano Clube.

12/11/2006

AVENIDA GETULIO VARGAS

Carreata que partiu da antiga rua Álvaro Mendes ( atual avenida Getúlio Vargas ), para a inauguração do campo agrícola doutor Sampaio no rumo da rodovia Floriano/Oeiras.

Dos sete automóveis, identificamos os proprietários de cinco deles: Juca Carvalho, José Guimarães, Leônidas Carneiro Leão, Afonso Nogueira e José Fonseca.

A bela imagem retrata os anos trinta, quando havia uma simpática presença de público, o belo arvoredo e a poesia, que nos deixam com saudades da velha Floriano.
...............................................................................................................
Foto: Floriano de ontem e de hoje / Teodoro Sobral

FUTEBOL DE SALAO

Este é o time de futebol de salão do Laboratório Sobral, comandado pelo nosso amigo Teodorinho, quando disputava o famoso torneio de futebol de salão férias de inverno do ano de 1972.

Observamos, da esquerda para a direita, em pé os piolhos de bola Henrique Nunes, José Maria, José Afonso Kalume, Teodoro e Lourival.

Agachados, temos o Ivan Demes, Paulo Afonso Kalume e Beja Kalume.

Época romântica, quando Floriano respirava emoções fortes na epopéia de nosso esporte amador.

Vale a pena lembrar.
...............................................................................................................
Foto: Floriano de ontem e de hoje / Teodoro Sobral

BOTAFOGO CAMPEÃO FLORIANENSE



Dentro do contexto atual do futebol amador florianense, houve uma renovação revolucionária. Times novos estão aparecendo e os antigos estão deixando saudades.

Prova disso, é o Botafogo do nosso amigo e fotógrafo Zé Maria ( piolho de futebol ), que sagrou-se recentemente o mais novo campeão florianense do campeonato local.

É preciso renovar, buscar novos valores prata da casa, estimular os tradicionais e, também, contando com o apoio do empresariado local.

Só assim teremos um futuro melhor.

................................................................................................................

Foto: noticiasdefloriano.com.br

12/06/2006

FERROVIARIO

Time do Ferroviário Atlético Clube dos anos cinquenta, quando havia uma certa empatia dos dirigentes com o esporte local. Período romântico.

Nelson Oliveira, o arqueiro do Ferrim à época, comandava a zaga daquele timaço. Epopéia lírica do esporte da Princesa do Sul, que os anos não trazem mais.

No momento, precisamos reverter o quadro negativo que abate o nosso futebol. Os dirigentes precisam unir as forças para revitalisar o nosso esporte.

Talvez uma cooperativa, ou até vontade própria, alguma iniciativa que possam fazer a diferença. O que não se pode mais admitir são os micos que estamos pagando no contexto atual.

Ainda há tempo de renovar!

DEFALA ATTEM


A AMPLIFICADORA FLORIANENSE!

“PARA O RESGATE DA MEMÓRIA DE FLORIANO”

POR NELSON OLIVEIRA

(Foto: Defala Attem, no interior do estúdio da Amplificadora Florianense - Arquivo de Pedro Attem)

Com a inauguração do Cine Natal, em 1937, pelo Sr. Bento Leão, que mais tarde se transformou na firma Bento Leão & Cia que, além do titular que lhe emprestou o nome, contou com a colaboração valiosa dos srs. Albino Bento Leão da Fonseca, sobrinho do Sr. Bento, Honorato Drumond e Mundico Soares, que, ao que parece, existia algum grau de parentesco entre eles. A referida firma explorava, além do cinema, o bar do Bento, principal ponto de encontro de parte da nossa sociedade, onde era servido todo tipo de bebidas merenda diversas e um saboroso cafezinho, que, já naquele tempo era feito em uma moderna máquina, com as louças (xícaras) devidamente esterilizadas. E a AMPLIFICADORA FLORIANENSE, que tinha o slogan, a “VOZ LIDER E POTENTE DA CIDADE” foi adquirida pela firma, para fazer a propaganda dos filmes que seriam exibidos, e, posteriormente, também acolhia anúncios das firma que exploravam outros ramos de negócios.

A AMPLIFICADORA FLORIANENSE teve, no início, a direção de um locutor de nome Luciano, por um curto espaço de tempo, em virtude de ter de se ausentar da cidade. Em face disso, o cargo passou a ser desempenhado pelo saudoso DEFALA ATTEM, florianense autêntico, que deu um novo destino ao empreendimento que passou a se constituir numa atração pelas músicas ali apresentadas.

A AMPLIFICADORA FLORIANENSE funcionava 3 vezes ao dia. Das 09 às 10 da manhã; das 17,30 às 18,30 horas e das 20 às 20,30 horas. O programa até as 18,30 marcava o início da 1ª sessão do cinema e das 20,30 marcava o início da 2ª sessão do cinema. Aquele instrumento que possuía um alto falante em frente ao cinema e outro na praça Coronel Borges atingia uma vasta região da nossa cidade. Diariamente, das 18 às 18,30, era apresentado um programa de grande aceitação, intitulado de a “MÚSICA QUE O TEMPO NÃO APAGOU”, no qual desfilavam as mais belas páginas do cancioneiro popular, interpretadas, um em cada dia da semana, onde se destacavam: Francisco Alves, o rei da voz; Orlando Silva, o cantor das multidões; Carlos Galhardo, Gilberto Alves, Nelson Gonçalves, Luiz Gonzaga e muitos outros, que, com suas vozes embalavam os sonhos e as saudades de muitos florianenses da época.

Surgiram, posteriormente, outros serviços de auto-falantes, porém, de curta duração. O da Casa Bringel, o do Cine Itapoan e um do Pedro de Alcântara, que tinha o seu estúdio para os lados da rua São José.

A AMPLIFICADORA FLORIANENSE funcionou por mais de 20 anos sob o comando do Defala Attem e somente calou sua voz, com a chegada da Rádio difusora, cuja história também será destaque neste portal.

Defala Attem, depois desempenhou mandato de vereador, estabeleceu-se no comércio com armazém à rua São Pedro, próximo a esquina da praça Dr. Sebastião Martins, irmão da Tereza, do Fozy, da dona Noeme e do Pedro Attem filho, que há pouco tempo, também nos deixou. Defala, cidadão de bem e conceituado, morreu vítima de acidente automobilístico, próximo à cidade de São João dos Patos-MA.

Por: Nelson Oliveira
Pesquisa: César de Antonio Sobrinho.
..............................................................................................
Fonte: www.florianoemdia.com

12/05/2006

CARNAVAL

Propaganda do carnaval florianense dos anos trinta, através do Laboratório Sobral, quando da fabricação de seus medicamentos.

Podemos observar, na imagem, a praça doutor Sebastião Martins, dentro do contexto do romantismo da folia de momo da Princesa do Sul.

Tratava-se de um período efervecente do ponto de vista da produção cultural da cidade. Os seguimentos produtivos da velha Floriano exaltando suas novidades.

Hoje, tá tudo comum. Floriano atravessa um momento difícil, mas que ainda há uma luz no fim do túnel.

Quem vai fazer a diferença?
..................................................................................
Foto do livro – Floriano de ontem e de hoje / Teodoro F. Sobral

12/02/2006

PRAÇA

Ainda sondamos, com saudades, dos passeios, dos arvoredos, dos bambuais, do bar Sertã, do coreto e dos contornos da praça doutor Sebastião Martins, que hoje encontra-se transformada num objeto de desejo dos tempos modernos.

Não sentamos mais nos bancos para jogar conversa fora, não há mais a poesia de outrora e nem aquela cervejinha saborosa; não há mais os mesmos jardins; há, apenas, detalhes estranhos que se cruzam no vai e vem da rotina da cidade.

Estou com febre. A poesia, agora, é outra. O Clube do Rum não existe mais e os Malandros não botam o seu bloco na rua. Os incautos tomam de conta das novas tendências.

Não sei se serei mais feliz!

12/01/2006

RUA DO CRUZEIRO


Esta é a rua do Cruzeiro com o cruzamento do antigo Beco das Almas. Era nesta esquina aí que havia um areião, onde costumávamos bater uma bolinha.

Jogavam Cazuza, Silva de dona Julita, Tifie, Neguinho, Bá, Zé de Sousa, Gregório, Danúnzio, Ubaldo, Dácio, Valtinho, Adroaldo, Gilberto, Mané João, Zé Arnoldo, Josair e outras figuras.

A casa no detalhe, trata-se do casarão do senhor Zé Vieira. Era aí, também, que nos deliciávamos dos pudins de dona Inésia e das gostosas coalhadas, sucos, quebra-queixo, pirulito, picolés, chá de burro e outras guloseimas, que só ela sabia como fazer.

E no quintal de sua casa tinha siriguela, manga rosa, ata, caju, pitomba, araçá, abacate que faziam a alegria da gurizada.

O lalau que quizesse pular o quintal dali, o nosso amigo Neguinho (filho de criação de seu ZéVieira) já estava ali de plantão com a sua baladeira no pescoço, fazendo a sua ronda implacável.
Tempos que não voltam mais. Fazer o quê?