11/08/2006

O MILAGRE ACONTECEU


O MILAGRE ACONTECEU!

Resgate da Memória Da Cidade De Floriano - Profª Josefina Demes

“Estávamos em julho, em pleno verão de 1943, em dia que não me recordo mais, as 13 horas e 30 minutos. Residia eu no sobrado (1) em frente a Igreja e naquele horário me encaminhava para ir dar aula no Ginásio Santa Teresinha.

Ao chegar a porta da rua, virei para o lado do nascente em direção a Pernambucana; um rolo espesso de fumaça pasta, de odor característico que denotava a natureza do material em combustão. Olhei atônita para um lado e para o outro. A praça estava deserta. De repente, alguém passou correndo para as bandas da casa comercial de Salomão Mazuad. Era o Oldemar Soares (2) funcionário da firma Moraes & Cia. Que portava um pacote grande em baixo dos braços, e que eu soube depois tratar-se de livros contábeis da firma que lê procurava salvar do incêndio.

As 13 horas, o comércio reabria as suas portas para em seguida fecha-las. Enquanto, o incêndio tomava proporções terríveis, ameaçando se propagar. Mas como aconteceu?Bem, aconteceu como aconteceu, na sua maioria, as tragédias! Um pouco de descuido, um pouco de imprudência, um pouco de fatalidade. E este não fugiu a regra. A vítima, no caso, era a firma Moraes & Cia. Mas vamos aos fatos.

A firma em questão, com sede em Parnaíba, ocupava aqui um prédio de propriedade do Sr. Calisto lobo, na Av. Getúlio Vargas, vizinho a casa comercial e residência assobradado do referido senhor. Além do seu tradicional comércio, à firma Moraes & Cia, era, nesta cidade, agente da empresa aérea Cruzeiro do Sul por isso, mantinha imprudentemente, junto ao próprio escritório, um considerável estoque de combustível em tambores, latas, etc.

Verificou-se, no dia fatal, que vazara uma das latas. Levada até à porta, para ser soldada, por imprevidência não foi considerado o rastilho de inflamável que a mesma deixara no seu percurso. A lata pegou fogo e o resto já se pode imaginar. O fogo assumiu, de logo, proporções gigantescas.As explosões se sucediam, acompanhadas de gritos dos presentes.

Os tambores e latões voavam acima do sobrado do Sr. Calisto Lobo, e desciam a seguir, em chamas (3). O temor de que um desses bólidos incandescentes pudessem atingir a Pernambucana, depositária da pólvora marca Elefante, e daí se propagar ao laboratório Sobral, ali vizinho (4) que tinha em depósito mais de 100 latões de álcool, era muito grande. Os extintores do Banco do Brasil (5) foram acionados inutilmente.

O sino passou a repicar e o povo acorreu a Igreja para rezar. A essa altura já estava em cena o virtuoso Padre Pedro Oliveira (6), que do terraço do sobrado do Sr. Calisto lobo, orava e aspergia (fazer aspersão, respingar) as chamas como se quisesse aplacar (acalmar) a sua ira. Por seu turno o Sr. Calisto Lobo fazia evacuar do prédio, a sua família e se deixou ali ficar, sereno e digno como sempre (7). O gerente da firma sinistrada Sr. Antonio Anísio (8) estava viajando e os abnegados empregados nas pessoas de Francisco Borges (9), Raimundo de Araújo Costa Filho (10), Olemar Castro, José Lopes (11), Guilherme Noleto (12), Oldemar Soares, João Luis Guimarães(13), Luiz da Moraes e Chico Casão, aos quais se juntaram pessoas como o Sr. Manoel Almeida (14), Hermes Pachêco (15), tentaram isolar o prédio, medida que em nada resultou.

Começaram os desmaios de alguns e o choro de outros. 16 horas. O fogo continuava tal como começou. Ali só um milagre – diziam todos – De minha parte olhei o céu a procura de algo que me alimentasse, já não digo a esperança, mas pelo menos a ilusão. Nada. O céu era límpido, claro, muito claro.16 horas e 30 – as coisas continuam no mesmo pé, mas, de repente, para o lado da Pernambucana (16), alguém gritou: - uma nuvem, uma nuvem! Do local em que eu me achava nas proximidades do que é hoje a Rosa de Ouro, não dava para ver.

De repente me vi empurrada para o meio da avenida pelas pessoas que, como eu, queria ver a nuvem.Lá estava ela pequenina e generosa por detrás do prédio dos Correios. Tangida pelo vento vinha galopando apressada como quem sabe o que quer. Fitei-a no intuito de identificar o seu tipo. Não era “cirro”(nuvem branca e muito alta), não era “nimbo” (chuva ligeira). Não era outra qualquer – era simplesmente o milagre em forma de nuvem. Chegou, parou e verteu água.De onde teria saído, não sei dizer e do mesmo modo como chegou, se foi.

O povo suspirou aliviado. A cidade estava salva!Feito o rescaldo, foram encontrados, intactos, muitos tambores que poderiam ter alimentado o fogo por muito tempo. A noite, como de costume, fui a casa do Sr. Calisto. Cheguei ao terraço e diante de tudo quanto vi, não pude deixar de concluir com o poeta “entre o céu e a terra acontecem tantas coisas...

NOTAS EXPLICATIVAS:

1. Que ainda hoje embeleza a paisagem da praça Dr. Sebastião Martins, onde está localizado hoje, o Café.com de propriedade do Chico Demes; 2. Filho do Sr. Zuza Nunes e irmão do Soares, seu irmão, que reside à rua Fernando Drumond, ao lado esquerdo, após a Casa Salomão; 3. A pessoa que fez a transcrição desse fato e que na época tinha 11 anos, que se encontrava na rua Fernando Marques, onde hoje está edificada a residência do sr. Abrão Freitas, de lá enxergou o movimento dos tambores subindo e descendo pela força das explosões; 4. O Laboratório Sobral era onde hoje o prédio da Loteca 13 Pontos. As Lojas Pernambucanas era um prédio em frente ao do Sr. Calisto Lobo; 5. O Banco do Brasil ficava à rua São Pedro num prédio onde funcionava a Cada do Michel Demes; 6. Nasceu em 29.02.1908, em Castelhano, comunidade Palmeirais-PI, ordenado em Fortaleza-CE, em 29.11.1936, foi pároco de duas cidades: Parnaíba-PI durante 18 meses, e Floriano-PI, de: 16.01.1938 a 15.07.1985, que durou 47 anos. No próximo mês de outubro, precisamente em 27.10.2006, completará 12 anos de sua ausência, pois veio falecer em 27.10.1994; 7. Era realmente um cidadão de muita dignidade; 8. Pai da Dorotéia, da Rosita, esposas dos Srs. Lauro Cronemberger e João Siqueira; 9. Esposo da Dona Cirene Borges e cunhado do Sr. Antonio anísio; 10. Esposo da Dona Maroquinha Soares, e pai do Sr. Cristovam Augusto e Dona Virginia, esposa do Dr. Odilon; 11. O nosso estimado Zé Balão, como era mais conhecido carinhosamente, e casado Dona Jacira, sobrinha do Sr. Francisco Borges; 12. Esposo da Dona Nazaré e sogro do Sr. Joaquim Portela; 13. Irmão do Sr. Alderico Guimarães; 14. Esposa da Dona Lia Teixeira, na época funcionário (gerente) da Roland Jacob; 15. Era, na época, funcionário do Sr. Salomão Mazuad, tendo desempenhado, muito tempo depois, o cargo de Prefeito da nossa cidade; 16. Veja a nota n.º 4.

Transcrito do Jornal de Floriano, Edição n.º 429 de 05 a 11/05/1985, por Seu Nelson Oliveira.

Pesquisa: César de Antonio Sobrinho.
...............................................................................................
Fonte: www.florianoemdia.com

Nenhum comentário: