10/09/2006

CABEÇÃO DO FERROVIÁRIO


Essa resenha, quem nos conta é o nosso amigo João Siqueira, o famoso João Rato ( foto ao lado de Zé de Tila ), extraída do www.florianoemdia.com, que nos tranposta aos belos tempos românticos de nosso futebol. Vejam só. João Rato conta que:

"Certa vez, Cabeção, ponta direita do ferrim, o cara era habilidoso demais e gostava de fazer umas jogadas diferentes, cruzamentos de letra, dribles desconcertantes, cheio de firulas e a nossa zaga, formada por Brahim, Bagana, Antonio Guarda e João Rato ( não davam moleza ), não brincava em serviço, o respeito era fundamental e a jogada foi a seguinte.

Estádio Mário Bezerra, tinindo de gente, passaram a bola para Cabeção, na ponta direita, mas quando ele foi dominar o pneu ( pelota ), pensei, é agora, senão ele passa, entrei de carrinho, com as travas da chuteira à mostra, na maldade e por pouco não o pegou, mas o cabra foi rápido, largou a bola e deu um pulo do gato ( como eu tenho raiva de gato! ), quando ele sentiu que estava vivo ainda, não vacilou, tirou a camisa e disse: “pode botar outro em meu lugar, pois eu tenho filhos pra criar, vai matar o diabo, infeliz ..." E saiu do jogo resmungando e não voltou mais.

A gozação e o comentário foi geral.

Em tempo: por onde anda Cabeção? Alguns dizem que ele mora no rumo de Fortaleza.
.......................................................................................................
fonte:
www.florianoemdia.com

2 comentários:

Anônimo disse...

Achei legal a sua historia e ao mesmo tempo triste, muito triste,
será que naquele tempo vocês não poderia deixar de comprar o mudomin la na budega do Seu Genésio, para fazer uma vaquinha e compra as Congas para jogar esta pelada e evitar este final dramatico?

Valeu ...

Pedro

FLORIANO disse...

Pedro,

Tem razão, pedro;poderia-se evitar este drama, se na preleção houvesse uma discussão sobre o rumo dessas decisões.

Eu até consideraria um fator importante essa adrenalina ululante que esses atletas carregavam; não havia como evitar o choque e a vontade de vencer.

Não havia moleza. Faz parte, mas muita coisa mudou.

Janclerques